Câncer de mama em homens e mulheres | prevenção e mamografia

O que é câncer de mama?
O câncer de mama é uma doença caracterizada pelo crescimento excessivo e descontrolado de células dos tecidos da mama.

INDICE

 

As células anormais podem:

  1. Se tornar cancerosas,
  2. Invadir o tecido circundante.

Com o rastreio, os exames médicos para a detecção precoce e o tratamento subseqüente, a maioria das pessoas com câncer de mama pode ter uma vida normal.

 

Anatomia da mama

Tecido adiposo
A mama feminina é composta principalmente por uma coleção de células de gordura, chamado de tecido adiposo. Este tecido estende-se desde a clavícula a axila, para o centro da caixa torácica.

Lobos, lóbulos e ductos
Uma mama feminina é composta por 12 – 20 seções chamadas lobos.
Cada um destes lobos consiste em muitos lóbulos menores onde existem as glândulas que produzem leite.
Ambos os lobos e lóbulos têm ductos de leite, ou seja, tubos que carregam o leite para o mamilo.
Estas estruturas, lobos e lóbulos da mama são geralmente as partes onde o câncer começa a se formar.

O sistema linfático
Dentro do tecido adiposo há uma rede de ligamentos, um tecido conjuntivo fibroso com:

  1. Nervos,
  2. Vasos linfáticos,
  3. Linfonodos,
  4. Vasos sanguíneos.

O sistema linfático é uma parte do sistema imunitário, é composto por uma rede de vasos linfáticos e de gânglios linfáticos localizados por todo o corpo.
Uma parte do líquido que se encontra nos tecidos intersticiais (entre as células) entra no sistema linfático.
Dentro dos vasos linfáticos, o fluxo de líquido vai da periferia para o coração.
Este líquido é composto principalmente de:

  1. Gordura,
  2. Proteínas grandes,
  3. Detritos de inflamação,
  4. Resíduos celulares,
  5. Bactérias e vírus,
  6. Células normais e tumorais.

 

Classificação do câncer de mama

O carcinoma da mama está dividido em dois tipos:

  • Carcinoma ductal que surge dos dutos (mais frequentes),
  • Carcinoma lobular decorrente do componente glandular (mais sorrateiro, geralmente multicêntrico, pode ser bilateral, muitas vezes mais agressivo do que o ductal).

 

 

Causas de câncer de mama

As causas exatas do câncer de mama não são conhecidas.
O que sabemos é que o câncer da mama é causado por:

  1. Alterações do DNA de uma célula,
  2. Fatores que pioram o dano celular como estilo de vida.

 

Fatores de risco genéticos

  • Idade, o risco de câncer de mama aumenta após os 50 anos de idade.
  • O câncer de mama é diagnosticado mais frequentemente em mulheres caucasóides,
  • História da família, O risco é maior para pessoas com câncer de mama ou de ovário na família, especialmente os parentes de primeiro grau (por exemplo, mãe-filha).
  • História clínica: se já foram diagnosticados outros cânceres de mama, existe uma maior probabilidade de desenvolver o câncer no futuro.
    Além disso, o risco aumenta se as células cancerosas da mama originou-se de um carcinoma lobular in situ (LCIS) ou carcinoma ductal in situ (CDIS).
  • História menstrual: a menarca precoce (menstruação antes dos 12 anos), menopausa tardia (após 55), ter o primeiro filho em idade mais avançada (após 30 anos) ou ser nulíparas (não ter engravidado) também pode aumentar o risco.
  • Mutações em determinados genes, tais como BRCA1 e BRCA2 são fatores de risco.
  • Tecido mamário denso: Ter menos gordura no tecido mamário pode aumentar o risco de câncer e os nódulos são mais difíceis de detectar. As mulheres jovens têm menos tecido gordo que as mulheres mais velhas.
  • Obesidade e sobrepeso: o excesso de gordura pode alterar a produção de hormônios aumentando assim o risco de câncer de mama.
  • Tratamentos à base de estrogênio: o uso excessivo de estrogênio aumenta o risco de desenvolver o câncer de mama.

Os desodorantes não causam câncer de mama.

 

Crescimento do câncer de mama

Biópsia, vasos linfáticos com células cancerosas
Células cancerosas nos vasos linfáticos

O câncer de mama pode se espalhar de três maneiras:

1. As células anormais se multiplicam causando o crescimento do tumor.
2. Os hormônios e substâncias químicas no corpo podem acelerar o crescimento de alguns tumores.
3. Através dos gânglios linfáticos e vasos sanguíneos se pode espalhar para outras partes do corpo.

Se o tumor é diagnosticado no linfonodo sentinela vizinho da mama, significa que o câncer se espalhou.
Se nos linfonodos mais próximos há células cancerosas, o medico examina aqueles mais distantes para verificar a presença ou ausência de células tumorais.
O exame histológico dos linfonodos pode ajudar a detectar a progressão da doença.

 

Células alteradas
As células saudáveis são os “tijolos de construção de todos os tecidos e órgãos do corpo.
Quando o DNA celular é alterado, é possível que as células mutantes se reproduzam rapidamente de forma descontrolada.
Um crescimento celular agressivo pode formar uma massa de tecido que não funciona como deveria, portanto cria um tumor.
As células danificadas podem formar o câncer de mama e podem se espalhar para outras partes do corpo.

Aceleração de crescimento do câncer

O crescimento e propagação do câncer de mama podem ser difícil de controlar porque isso é estimulado por determinadas substâncias que são encontradas normalmente no organismo, tais como:

  1. Estrogênio,
  2. Progesterona,
  3. Fator de crescimento epidérmico.

As células têm receptores na parte externa da membrana celular.
Precisamos pensar a um receptor como uma boca.
Quando é aberto, as células cancerosas se podem alimentar e crescer.
Quando ele é fechado ou bloqueado, as mesmas células param de crescer ou morrem.

 

 

Câncer de mama em homens

Todas as pessoas nascem com seios (masculinos ou femininos), mas nos homens não se desenvolvem após a puberdade.
Embora os homens não desenvolvem os seios, as células da mama de um homem podem desenvolver câncer.
O câncer de mama masculino é raro.
Um por cento de todos os casos de câncer de mama afeta homens.
O câncer de mama em homens é geralmente identificado como um nodulo duro sob o mamilo e aréola.
Os homens têm uma mortalidade mais elevada do que as mulheres, principalmente porque há menos consciência e os homens são menos propensos a assumir que um nódulo pode ser câncer de mama.
Isto pode causar um atraso no tratamento.

Câncer de mama

O carcinoma ductal infiltrante em homens

Na maioria dos homens que desenvolvem câncer de mama, se trata de um carcinoma ductal infiltrante (IDC), significa que as células cancerosas dentro dos dutos vão além da parede do duto.
O diagnóstico da doença de Paget do mamilo é muito raro no homem.

 

 

Estadiamento: estágios do câncer de mama

O câncer de mama pode ser dividido em quatro fases, que se distinguem com base em:

  1. Tamanho do tumor (caroço),
  2. Se espalhou para os linfonodos ou em outra parte do corpo.

Estágio 1 – O tumor é menor de 2 cm e não se espalhou para os linfonodos na axila.

Estágio – 2 é dividido em duas fases:

  • Estágio 2A – O nódulo é menor que 2 cm e se espalhou para os linfonodos na axila ou é maior do que 2 cm (mas inferior a 5 cm) e os gânglios linfáticos não são afetados ou o tumor não é na mama, mas é nos gânglios linfáticos na axila.
  • Estágio 2B – O nódulo é menor que 5 cm e se espalhou para os linfonodos na axila ou é maior do que 5 cm, mas não se espalhou para os linfonodos.

Estágio – 3 é dividida em três fases:

  • Estágio 3A – O nódulo é maior que 5 cm e o câncer é nos gânglios linfáticos da axila ou o nódulo é maior que 5 centímetros e se espalhou para os tecidos circundantes.
  • Estágio 3B – O câncer se espalhou para os tecidos perto da mama e pode ser atacado a pele circundante ou o músculo. Existem somente as células cancerosas nos gânglios linfáticos na axila.
  • Estágio 3C – O câncer se espalhou para os linfonodos em baixo da axila que são engrossados, sob o esterno, perto do pescoço ou abaixo da clavícula.

Estágio 4 – O câncer se espalhou para outras partes do corpo como os pulmões, osso, fígado. Isso é chamado de câncer metastático na mama.

 

 

O que é o câncer metastático da mama?

O câncer de mama metastático é classificado como o câncer de mama na fase 4.
O câncer se espalhou para outras partes do corpo.
Normalmente as metástases ocorrem:

  1. Nos pulmões,
  2. No fígado,
  3. Nos ossos,
  4. No cérebro.

 

Câncer de mama, anatomiaComo se espalha o câncer ou metastatiza?

A propagação pode ocorrer através de uma ou mais das seguintes maneiras:


  1. As células cancerosas invadem os tecidos saudáveis circundantes e se replicam muito mais.
  2. As células cancerosas penetram no sistema circulatório ou linfático. Em seguida, viajam através das paredes dos vasos linfático ou dos vasos sanguínos.
  3. Migração através da circulação. As células cancerosas são transportadas pelo sistema linfático e a corrente sanguínea para outras partes do corpo.
  4. Células cancerosas nos capilares. As células cancerosas estão nos capilares e migram para os tecidos circundantes.
  5. As células cancerosas formam pequenos tumores em outro órgão (chamados de micro metástases).

 

 

Sintomas do câncer de mama

Entre os sinais e sintomas do câncer de mama estão:

  • Um nódulo de mama ou um espessamento que se sente diferente do tecido circundante;
  • Dor nas mamas e seio inchado localmente, mas nem sempre;
  • Sangue ou secreções de líquido do mamilo de uma mama (geralmente quando ocorre em ambos os seios a causa é hormonal);
  • Alteração no tamanho ou forma da mama;
  • Alterações da pele sobre o peito, como uma casca de laranja;
  • Retração do mamilo;
  • Diminuição ou descamação da pele da mama ou do mamilo;
  • Vermelhidão da pele da mama.

 

 

Diagnóstico de câncer de mama

O autoexame da mama que toda mulher deve fazer uma vez por mês durante toda a vida é muito importante.
É feito 4-5 dias após o final do ciclo, a mulher tem que palpar seus seios e procurar:

  1. Qualquer nódulo,
  2. Uma retração da pele,
  3. Alterações de cor do mamilo,
  4. Secreções.

O exame clínico é importante para avaliar a paciente, mas o exame mais útil é a mamografia.
A primeira vez pode ser feita após 40 anos (não antes porque os resultados são confiáveis nas mamas “claras”, ou seja, com gordura) ou mais cedo se a mulher:

  1. Tem hereditariedade,
  2. Se houver sinais clínicos.
mamografia, cancro de mama
Mamografia – cancro de mama

Exames de diagnóstico por imagem

Os testes e exames clínicos usados para diagnosticar e monitorar os pacientes com câncer de mama são:

  • Mamografia é um exame radiológico e é o exame padrão para o controle mamário e para o diagnóstico do tumor. Se na imagem houver qualquer opacidade é necessário fazer outras pesquisas.
    Hoje, a maioria dos cânceres são diagnosticados através de mamografia.
  • O ultrassonografiaCom a ultrassonografia é possível ver os linfonodos dos seios, axilas, pescoço e peito. A ultrassonografia mostra se um nódulo na mama e os linfonodos contêm material sólido ou líquido: : se o conteúdo é líquido, trata-se de um cisto.
    Este exame não consegue ver as microcalcificações.
    O ultrassonografia com doppler colorido permite ver a vascularização do nódulo.
  • Ressonância magnética (MRI) que identifica muito bem o caroço e permite compreender se é benigno ou maligno. A ressonância permite identificar também os vasos sanguíneos que atingem o tumor e que permitem que ele cresça.
    É feita em mulheres com hereditariedade de câncer de mama e em mulheres diagnosticadas com câncer de mama em uma idade jovem. É um exame minucioso que estuda ambas as mamas, nos tumores lobulares é muito útil. É sempre realizada em mulheres que fazem quimioterapia pré-operatória.
  • Tomografia computadorizada para ver se o câncer se espalhou.
  • Tomografia por emissão de posítrons (TEP) o médico injeta um medicamento radioativo para verificar se o tumor se espalhou para os gânglios linfáticos ou se há metástases à distância; Este exame é usado no estadiamento do tumor.

Biópsia
A biópsia da mama consiste na aspiração por agulha fina para remover as células anormais. É feita a biópsia mamária guiada por estereotaxia (mamografia) ou por ultrassonografia.

Entre as inovações mais recentes no diagnóstico de câncer de mama está a mamotomia (variante de biópsia de mama).
Esta é uma biópsia cirúrgica feita com uma máquina computadorizada que consegue localizar o câncer e remover apenas o tecido suspeito.
O tecido mamário retirado é analizado em laboratório.

Outros exames que podem ser feitos:

  • Galactografia
    Galactografia

    Galactografia: o meio de contraste é injetado nos dutos dilatados. É realizada quando a mulher tem secreção do mamilo. Geralmente, a causa é um papiloma que cresce em um duto: uma lesão benigna que causa secreção sanguínea em mulheres que já tiveram uma gravidez e que amamentaram. A galotografia permite destacar o papiloma. O médico recomenda a eliminação desta lesão porque às vezes, após os 40 anos de idade, pode evoluir para um tumor maligno.

  • Exame citológico: é realizado em caso de secreção do mamilo e também é fundamental estudar os nódulos através da punção aspirativa por agulha fina. Se possível, é melhor fazer um exame histológico com o tecido tomado durante a mamotomia.
    Este exame é realizado sob anestesia local.
    Uma agulha com tamanho de 12-14 gauge (cerca de 2,5 mm de diâmetro) é introduzida na lesão identificada na radiografia, este exame é guiado por computador. Por meio de um sistema de sucção (biópsia de aspiração vácuo-assistida) é possível obter um cilindro de tecido para realizar um exame histológico.
  • Biópsia cirúrgica: é feita apenas nos casos em que os outros testes não foram conclusivos (punção aspirativa, biópsia)
  • Biopsia de mamilo: além de ultrassonografia e mamografia, que às vezes são negativas, no suspeito de tumor de Paget é realizada uma biópsia de mamilo.
Punção aspirativa por agulha fina
Punção aspirativa por agulha fina

Metástases – Encontram-se principalmente nos ossos, nos pulmões e no fígado, depois no cérebro; por este motivo, para determinar o estágio do cancer, é sempre realizada também:

  • Uma radiografia de tórax,
  • Uma cintilografia óssea,
  • Uma ultrassonografia do fígado.

Hiper-expressão de HER2 com imuno-histoquímica
É preciso avaliar a quantidade de proteína produzida pelo gene HER2 na membrana celular.
Todas as células epiteliais têm esta proteína, mas em quantidades mínimas (uma positividade mínima é uma situação normal), logo é preciso verificar:

  1. A intensidade da coloração imuno-histoquímica,
  2. Se a coloração estiver presente em toda a membrana celular ou apenas em uma parte.

No diagnóstico, é preciso distinguir a positividade do gene HER2 em 4 graus com base na coloração.

Score Coloração
0 Não há coloração
1+ A membrana celular não está completamente colorida. Não há superexpressão do gene.
2+ A coloração da membrana está completa, mas é fraca. É necessário aprofundar avaliando diretamente o gene e não apenas a proteína produzida pelo gene hiper-expresso
3+ É a reação positiva. A coloração envolve toda a membrana e é muito intensa.

 

score, câncer de mama, HER2HER2,superexpressão, membrana celular

Existem alguns carcinomas pouco diferenciados que se parecem com sarcomas, esses carcinomas são de alto grau e geralmente não têm:

  1. Os receptores de estrogênio e progesterona,
  2. A superexpressão do gene HER2.

Para saber se um carcinoma triplo negativo é um sarcoma, é preciso procurar a citoqueratina (uma proteína encontrada em células epiteliais), se estiver presente significa que o tumor é um carcinoma.

Exame do linfonodo sentinela com biópsia guiada por ultrassonografia.
A biópsia do linfonodo sentinela é a maneira mais comum para verificar se os linfonodos axilares são afetados pelo câncer.
A pesquisa mostrou que esse método é muito útil para avaliar a condição do primeiro linfonodo da cadeia linfática.
Se o primeiro linfonodo na cadeia é negativo, provavelmente todos os outros também são negativos.
A biópsia do linfonodo sentinela permite diagnosticar corretamente a condição dos linfonodos em 97% das mulheres com câncer.
É possível não diagnosticar um linfonodo positivo (falso negativo), que ocorre em aproximadamente 7% dos casos.

Prevenção do câncer de mama

Anos Exame
20-30 Autoexame
30-40 Visita anual e periodicamente uma ultrassonografia
40 Primeira mamografia
40-45 Se a primeira mamografia é negativa, esperar 2-3 anos
45-75 Triagem anual ou semestral dependendo do caso
> 75 Continue as verificações periódicas

Você nunca deve subestimar uma mulher com mastite porque por baixo dele pode haver um tumor, então o médico pode prescrever:

  1. Uma mamografia,
  2. Um ultra-som,
  3. A punção aspirativa por agulha fina.

 

Follow up/Controles clínicos

Após uma cirurgia para um carcinoma invasivo ou infiltrante na mama o programa pode prever os seguintes exames:

  • Um exame físico a cada 4/6 meses por 5 anos e posteriormente a cada ano.
  • Após uma nodulectomia ou cirurgia na mama, você pode agendar uma mamografia de mama em questão 6 meses após o término da radioterapia e, em seguida, uma mamografia anualmente em ambas as mamas.
  • Após uma mastectomia é necessário realizar uma mamografia anualmente.
    Para pacientes de alto risco pelo desenvolvimento de um outro tumor na mama pela história familiar ou um teste genético positivo por mutações nos genes BRCA1 ou BRCA2, o médico podem recomendar uma ressonância magnetica da mama além da mamografia anual.
  • De acordo com o American College of Obstetricians and Gynecologists, as mulheres que tomam tamoxifeno devem ser monitoradas regularmente porque este medicamento pode aumentar o risco de câncer do útero. Quaisquer sintomas incomuns, como sangramento anormal, devem ser comunicados imediatamente ao médico.
    As mulheres em idade fértil não apresentam um maior risco de câncer de endométrio, por isso não precisam de mais controles.

 

 

 

Prognóstico do paciente com câncer de mama de acordo com os linfonodos

O prognóstico de câncer de mama depende de muitos fatores, incluindo a presença de células cancerosas nos gânglios linfáticos.

  1. Se o primeiro linfonodo é negativo significa com alta probabilidade que os linfonodos próximos não contém o câncer.
  2. Se o primeiro linfonodo é positivo significa que os linfonodos próximos da cadeia podem ser afetados pela doença.