Aborto espontâneo

Um aborto espontâneo é a interrupçãoda da gravidez que ocorre nas primeiras 20 semanas, muito antes que o feto seja capaz de sobreviver fora do útero.

INDICE


 

Aproximadamente 10-15 % das gestações reconhecidas terminam desta forma. Mais de 40 por cento de todas as gravidezes pode terminar em aborto espontâneo. Isso ocorre porque muitas perdas ocorrem antes que a mulher percebe que está grávida.

 

Quais são as causas de aborto?

Pensa-se que muitos dos primeiros abortos espontâneos são causados por um defeito cromossómico.
Isso geralmente é um erro genético isolado e raramente ocorre novamente.
Erros genéticos que causam o aborto espontâneo são mais frequentes quando a mãe tem mais de 35 anos.
Fatores que aumentam o risco de aborto espontâneo são:

  • Fumo. Fumar mais de 14 cigarros por dia duplica o risco de não-fumantes.
  • Beber muito álcool. Beber 2 litros de cerveja ou quatro copos de vinho por semana aumenta o risco de aborto espontâneo.
  • O uso de drogas
  • Estar acima do peso ou obesa. Quem está acima do peso pode reduzir as chances de ter um aborto se perder peso antes de engravidar.
  • Haver uma anormalidade do útero ou uma fraqueza do colo do útero.
  • Sofrer de certas doenças (tais como lúpus).
  • Ter diabetes mellitus não controlado.

Existem outras causas menos comuns de aborto espontâneo: desequilíbrios hormonais, algumas infecções como a listeria e rubéola.
Os exames para encontrar a causa de um aborto espontâneo não são feitos, a menos que você já tenha sofrido três ou mais abortos espontâneos consecutivos.
A maioria das mulheres que abortam uma vez, não tem um outro aborto espontâneo.
Quem tem dois abortos espontâneo provavelmente sofre de outras doenças.

 

Falsos mitos após um aborto

Depois de um aborto espontâneo é normal sentir-se culpado por ter feito algo ou por ter evitado fazer alguma coisa.
Isso quase nunca ocorre.
Em particular, o aborto espontâneo não é causado pela elevação, esfoços, trabalho, prisão de ventre, estresse, preocupações, relações sexuais, comer alimentos picantes ou exercícios regulares feitos em casa.
Além disso, esperar durante um certo período de tempo depois de um aborto não aumenta a probabilidade de que a próxima gravidez é saudável.

 

Quais são os sinais e sintomas de um aborto espontâneo ?

As manchas vermelhas ou acastanhadas e o sangramento vaginal são normalmente o primeiro sinal de aborto.
Lembre-se que até 25% das mulheres grávidas têm uma pequena quantidade de sangramento no início da gravidez (manchas de sangue encontradas no papel higiênico ou na calcinha) e quase metade das gestações terminam em aborto.

  • Você pode sentir dor nos ovários que normalmente começa depois de ver a perda de sangue.
    A duração das dores depende da semana,por exemplo se o aborto ocorre na nona semana dura muito mais em consideração com a primeira.
  • Você pode sentir cólicas, dor na coluna, dor de cabeça ou uma sensação de pressão pélvica que pode ser leve ou forte;
  • Perda de fluido do tecido ou fetal;
  • Sangramento que pode ser acompanhado por cólicas abdominais (no baixo ventre).

Se você tem um sangramento e sente dor, as chances de engravidar são muito menores.
É muito importante estar ciente de que o sangramento vaginal, manchas ou dor no início da gravidez também podem ser causados por uma gravidez ectópica ou molar.
Além disso, se o sangue da mãe é Rh negativo, ela pode precisar de uma injeção de imunoglobulina Rh em dois ou três dias sucessivos se você observa um sangramento, a menos que o pai do bebê é Rh negativo.

Alguns abortos espontâneo são suspeitados durante uma visita de rotina pré-natal, quando o médico ou a ostetríca não sente o batimento cardíaco do bebê, ou se nota que o útero não está crescendo como deveria.
Muitas vezes, o embrião ou o feto pára de se desenvolver duas semanas antes de ter sintomas como sangramento ou cólicas.
Muitas mulheres pensam que eles têm um aborto sem sintomas ou sem perceber, na verdade alguma coisa se nota sempre.
Se o seu médico suspeita de um aborto espontâneo, geralmente pedir uma ultrassonografia para ver o que está ocorrendo no útero.
Também pode prescrever os exames de sangue.

 

Teste e Diagnóstico

O seu médico pode fazer uma série de testes:

  • Exame pélvico. O ginecologista verifica se o colo do útero começou a se dilatar
  • Ecografia. Este exame ajuda o médico a verificar o batimento cardíaco fetal e determinar se o embrião se desenvolve normalmente
  • Exames de sangue. Depois de um aborto, o valor do hormônio beta HcG pode ser útil em certos casos, para determinar se a placenta foi completamente removida
  • A análise dos tecidos. Quando se removem os tecidos, pode ser enviada uma amostra para o laboratório para confirmar o aborto e excluir outras causas do sangramento

 

Diagnóstico diferencial. Os possíveis diagnósticos são:

Ameaça de aborto
Se o sangramento ocorre, mas o colo do útero ainda não começou a dilatar-se, é chamado de ameaça de aborto. Essas gestações frequentemente prosseguem sem mais problemas.

Aborto inevitável
No caso de sangramento, o útero se contrai e o colo do útero se dilata.

Aborto espontâneo incompleto
Isto ocorre quando não há nenhuma perda de material do feto ou da placenta, mas algumas partes permanecem no útero.

Aborto retido
Os tecidos placentários e embrionários permanecem no útero, mas o embrião é morto ou nunca se formou.

Aborto de ovo branco (ou cego)
O embrião não se desenvolveu, mesmo que o ovo está implantado no útero, portanto se forma um saco gestacional vazio.

Aborto espontâneo completo
Se você perder todos os tecidos da gravidez é considerado um aborto completo. Isso não é incomum em abortos espontâneos que ocorrem antes da décima segunda semana.

Aborto séptico
Fala-se de aborto séptico se uma infecção se desenvolve no útero.

Gravidez ectópica
Isto ocorre quando o feto se desenvolve na trompas de Falópio em vez do útero.
O 1/2 % de todas as gravidezes são ectópicas. Sem tratamento, uma gravidez ectópica pode afetar seriamente a saúde e fertilidade.

 



Aborto espontâneoÉ necessário ir ao o hospital?

O sangramento durante a gravidez deve sempre ser relatados ao seu médico.
É importante ter um diagnóstico correto porque o aborto não é a única causa de hemorragia vaginal.
No entanto, se você sangra muito ou sente uma forte dor de barriga (dor abdominal) quando você está grávida, chame imediatamente uma ambulância.
A maioria das mulheres que relatam o sangramento no início da gravidez deve consultar um médico especializado, um ginecologista.
Durante a consulta, o médico realiza uma ultrassonografia transvaginal. Este exame envolve a inserção de uma pequena sonda na vagina para determinar a causa da hemorragia.
As possíveis causas são:

  • A ameaça de aborto,
  • Um aborto espontâneo,
  • Outras causas de sangramento (por exemplo, uma gravidez ectópica).

Se não é claro o resultado da ultrassonografia, o médico pode pedir-lhe para repetir o exame após duas semanas.

 

Precisa de um tratamento?

Tratamento conservador
Muitas mulheres agora optam por deixar “a natureza tomar seu curso”. Na maioria dos casos, o tecido da gravidez é expelido naturalmente e o sangramento pára após alguns dias.
Para a resolução completa pode demorar até 14 dias.

O aborto precisa da intervenção médica se a mulher no passado teve outro aborto, se você tem um distúrbio de sangramento ou se houver evidência de infecção.
No entanto, se o quadro se agrava e o sangramento não estabiliza ou aumenta, o seu médico pode sugerir um tratamento alternativo.
Você também pode decidir fazer um tratamento definitivo.
Se o sangramento e a dor se reduzem, é necessário realizar um teste de gravidez depois de três semanas.
Se o teste for positivo, você precisa consultar o seu médico para uma avaliação.

 

O aborto médico

Em alguns casos, é possível realizar um tratamento médico para aborto.
Este tratamento envolve o recrutamento ou inserção na vagina de um fármaco.
O medicamento ajuda a esvaziar o útero e não tem o mesmo efeito de uma operação.
Normalmente não precisa ser hospitalizado.
Você pode continuar a sangrar por até três semanas após o tratamento farmacológico.
No entanto, o sangramento deve ser leve.
Muitas mulheres preferem esse tratamento porque geralmente não necessitam de hospitalização ou de uma cirurgia.
Você deve realizar um teste de gravidez três semanas após de receber o tratamento médico.
Se é positivo, precisa consultar o seu médico para uma avaliação.
O seu médico pode recomendar a cirurgia se o sangramento não para dentro de alguns dias ou se o sangramento é grave.

 

Aborto cirúrgico

Se as opções acima não são adequadas ou falharam, o médico pode recomendar uma cirurgia. A remoção dos restos do feto é uma cirurgia chamada curetagem.
Nesta operação, o colo do útero é aberto com cuidado e se coloca um tubo de sucção. A raspagem com sucção dura cerca de 10 minutos e geralmente, vem executado sem anestesia geral.
Algumas mulheres desenvolvem uma infecção após o aborto cirúrgico. Se sente febre, corrimento vaginal com mau cheiro ou dor abdominal, deve ir ao médico imediatamente.
Qualquer infecção é tratada com antibióticos.

 

O que ocorre depois de um aborto ? Qual e o tempo de recuperação

Você pode ter cólicas leves semelhantes a cólicas menstruais por alguns dias e leve sangramento durante duas semanas, independentemente se o aborto é natural ou cirúrgico.
Você pode tomar Ácido Mefenâmico (Ponstan®) ou paracetamol para cólicas.
Evitar relações sexuais, natação, lavagens vaginais e usar medicações vaginais por pelo menos um par de semanas até que o sangramento pare.
Se você começa a sangrar muito (absorvente cheio a cada hora) e ver sinais de infecção (tais como febre, dor ou secreção vaginal com mau cheiro) deve chamar imediatamente o seu médico ou ir ao pronto socorro.

 

Prevenção

O cuidado pré-natal precoce é a melhor prevenção para as complicações da gravidez, como um aborto espontâneo.
Os abortos que são causados por doenças sistêmicas podem ser evitados se você curar a doença antes de engravidar.
Abortos espontâneos são menos prováveis se você evita as radiografias, drogas, álcool, alto consumo de cafeína e doenças infecciosas.
Quando o corpo de uma mãe tem dificuldade em manter uma gravidez, podem ocorrer sinais como um leve sangramento vaginal.
Isto significa que existe uma possibilidade de aborto.
Mas isso não significa que ocorrera com certeza.

 

A próxima menstruação depois de um aborto espontâneo

Normalmente, os ovários produzem um ovo aproximadamente duas semanas após a aborto.
O primeiro ciclo deve chegar dentro de quatro a seis semanas.
Você deve fazer um check-up na clínica seis semanas após o aborto para descobrir se existe algum problema e certificar-se de que o útero voltou ao tamanho normal.

As consequências  de um aborto espontâneo em gestações futuras
A maioria dos problemas que causam um aborto espontâneo ocorre por acaso e não é provável que isso aconteça novamente.
Um aborto espontâneo não aumenta significativamente o risco de recorrência na próxima gravidez.
Normalmente não recomendamos testes para doenças específicas para as mulheres que tiveram apenas um ou dois abortos porque é difícil encontrar qualquer coisa.
No entanto, as mulheres que tiveram almeno três abortos consecutivos ( conhecido como aborto recorrente) têm um risco elevado de aborto em gestações subseqüentes.

 

Procurar outra gravidez depois de um aborto espontâneo

Não existe um momento certo para tentar uma outra gravidez. Alguns casais decidem esperar para se recuperar da perda, enquanto outros querem tentar de imediato.
Normalmente, sugere-se de esperar, pelo menos o próximo ciclo antes de tentar novamente.
Visto que pode engravidar novamente nos dias após os abortos, é importante o uso de métodos de contracepção até que esteja pronto para tentar novamente.

 

Se você for Rh negativo

Quem tem um tipo de sangue Rh negativo deve fazer uma injeção de imunoglobulina anti-D depois de um aborto espontâneo.
Isso evita problemas com o fator Rh em gestações futuras.

 

Prepare-se para uma outra gravidez depois de um aborto

Embora as razões mais comuns para o aborto espontâneo não podem ser evitadas, você pode melhorar suas chances de ser fértil a longo prazo e de não interromper a gravidez assim:

  • Parar de fumar
  • Fazer exercício físico regular e seguir uma dieta equilibrada
  • Reduzir o stress

 

Tomar ácido fólico

Os médicos recomendam para todas as mulheres que estão planejando uma gravidez de tomar ácido fólico que promove o desenvolvimento normal do sistema nervoso da criança. Recomendamos tomar 0,5 mg por dia, durante um mês antes da gravidez e até 12 semanas de gestação.