Ovário policístico

Síndrome do ovário policístico (SOP) é uma desordem endócrina comum entre as mulheres em idade fértil.

INDICE

Ela pode causar ciclos menstruais irregulares e infertilidade.

A SOP também pode causar alterações na aparência física. Se não for abordada, no futuro pode levar a sérios problemas de saúde, tais como diabetes e doenças cardíacas.

Na maioria das mulheres com SOP, muitos pequenos cistos se formam nos ovários.

A maioria das mulheres com esta doença tem muitos pequenos cistos nos ovários.
No entanto, se pode ter cistos nos ovários por muitas razões, mesmo se a jovem é virgem.

Para confirmar o diagnóstico de síndrome do ovário policístico são mais importantes os sintomas do que a presença de cistos.
A síndrome do ovário policístico ocorre em 5-10% das mulheres e é a causa mais frequente de infertilidade em mulheres.
Os sintomas da síndrome do ovário policístico podem começar na adolescência com irregularidades menstruais, mas uma mulher não pode saber se tem a doença até que os sintomas ocorrem e/ou a infertilidade.

 

Como agem os hormônios no ciclo menstrual?

Os meninos e meninas produzem hormônios sexuais, mas em diferentes quantidades. Nas fêmeas, os ovários produzem estrogênios, progesterona e andrógenos. Estes hormônios regulam o ciclo menstrual de uma menina e a ovulação, ou seja, quando o óvulo é liberado.
Embora os andrógenos são referidos como “hormônios masculinos”, cada fêmea produz estes hormônios.
Em mulheres com síndrome do ovário policístico, os ovários produzem quantidades mais elevadas do que os níveis normais de andrógenos e isso pode interferir com o desenvolvimento do ovo e a liberação.
Às vezes, em vez da maturação dos ovos, se desenvolvem cistos que são pequenas bolsas com líquido.
Ao invés de um óvulo liberado durante a ovulação, como durante um ciclo menstrual normal, os cuistos que se desenvolvem nos ovários se podem ampliar. Dado que as meninas com síndrome do ovário policístico não podem ovular e liberar um ovo a cada mês, é normal que têm períodos irregulares ou atrasos.

 


 Quais são as causas da síndrome do ovário policístico?

A causa da síndrome do ovário Policístico é desconhecida. Mas a maioria dos especialistas acha que vários fatores, incluindo os fatores genéticos, podem ter um papel nesta doença.
Um problema importante ligado a síndrome do ovário policístico é desequilíbrio hormonal.
Em mulheres com síndrome do ovário policístico, os ovários produzem mais andrógenos do que o normal.
Os andrógenos são hormônios masculinos que são produzidos também pelas mulheres.
Altos níveis desses hormônios podem influenciar o desenvolvimento e liberação de ovos durante a ovulação.
Os pesquisadores pensam que a insulina pode estar ligada à síndrome do ovário policístico.
A insulina é um hormônio que é necessário para deixar entrar o açúcar nas células para produzir a energia necessária.
Muitas mulheres com síndrome do ovário policístico têm muita insulina no corpo.
Excesso de insulina parece causar aumento da produção de andrógenos. Níveis elevados de andrógenos podem levar a:

  • Acne,
  • Crescimento excessivo de pêlos,
  • Ganho de peso.

 

Quais são os sintomas da síndrome do ovário policístico?

Os sintomas da síndrome do ovário policístico podem variar de mulher para mulher.
Os sintomas incluem:
Infertilidade, ou seja, não se pode continuar a gravidez devido à falta de ovulação.
Síndrome do ovário policístico é a causa mais comum de infertilidade feminina (a fêmea não consegue engravidar) e de aborto espontâneo.

As possíveis alterações do ciclo são:

  • Bloco da menstruação (amenorréia),
  • Alteração do ritmo normal (oligomenorréia) e menstruação atrasada,
  • Sangramento não ligado a ovulação,
  • Hirsutismo, aumentado crescimento dos cabelos, especialmente no rosto, no peito, estômago, costas, polegares ou dedos dos pés.
  • Cistos nos ovários,
  • Acne ou pele oleosa,
  • Calvície ou alopécia,
  • Dor no ovário,

 

Teste e diagnóstico de ovários policísticos

Ovário policístico

Não há nenhum teste específico para diagnosticar a síndrome do ovário policístico definitivamente.
O diagnóstico é feito por exclusão.
O médico considera todos os sinais e sintomas e exclui outras doenças possíveis.
Dois dos três critérios seguintes permitem fazer o diagnóstico da doença.

  • Ovários policísticos (12 ou mais folículos periféricos ou aumento de volume ovariano.
  • Pouca ovulação ou falta de ovulação.
  • Sinais clínicos ou bioquímicos de hiperandrogenismo.

Durante este processo, o médico leva em consideração diversos fatores:


História clínica
O médico deve examinar as alterações nos períodos menstruais, peso e outros sintomas.

Exame físico
Durante o exame físico, o médico verifica a altura, peso e pressão arterial.

Exame pélvico
Durante o exame pélvico, o médico inspeciona manualmente e visualmente seus órgãos reprodutivos, buscando sinais de massas ou outras anomalidades.

Exames de sangue
O sangue deve ser analisado para medir os níveis de determinadas homônios e descartar possíveis causas de anormalidades menstruais ou andrógenos em excesso que sugerem a síndrome do ovário policístico.
Exames de sangue adicional podem ser colesterol em jejum, triglicérides, glicemia e teste de tolerância à glicose.

Ultrassonografia pélvica
Uma ultrassonografia pélvica pode mostrar o aspecto dos ovários e a espessura da parede interna do útero.
Durante o exame, o médico insere um dispositivo com um sensor (transdutor) diretamente na vagina (ecografia transvaginal).



 

Complicações do ovário policístico

Síndrome do ovário policístico é uma doença grave em certos casos, pode ser perigosa por causa das complicações que ela causa. Oligomenorréia (ciclos menstruais frequentes) ou amenorréia (ausência de menstruação) são conhecidos por predispor à hiperplasia endometrial e carcinoma endometrial em casos não tratados.
É uma boa idéia fazer um tratamento com progestina para induzir uma hemorragia de privação pelo menos a cada 3-4 meses.
Fatores de risco cardiovascular são maiores, por exemplo, obesidade, hiperinsulinemia, dislipidemia e hiperandrogenismo.
Por este motivo é recomendável para mulheres com síndrome do ovário policístico controlar o peso porque elas têm um risco aumentado de doença cardiovascular.
Mulheres com síndrome do ovário policístico têm um risco aumentado de diabetes tipo 2, especialmente se:

  • São obesas,
  • Têm uma história familiar de diabetes tipo 2,
  • Têm mais de 40 anos,

devem fazer a análise.

Mulheres com síndrome do ovário policístico podem sofrer de sonolência/fadiga e podem roncar, estes sintomas podem ser causados por apnéia do sono.

 


Complicações da gravidez

Há um alto risco de diabetes gestacional em mulheres com síndrome do ovário policístico, pode ser mais do dobro do normal.
As mulheres com esta doença antes de engravidar deve fazer exames de diabetes gestacional antes de 20 semanas de gestação, se forem detectadas anormalidades devem consultar um especialista.
Mulheres com síndrome dos ovários policísticos também têm maiores riscos de gravidez pré-termo e pré-eclâmpsia.

 

Tratamento para síndrome do ovário policístico

Não se pode curar da síndrome do ovário policístico, mas se podem reduzir os sintomas.
As opções de tratamento podem variar porque alguém pode ter sintomas diferentes ou apenas um. Entre as opções de tratamento estão:

  • Perder peso e seguir uma dieta saudável.
  • O tratamento hormonal, alguns tipos de pílula anticoncepcional ou fármacos anti-andrógenos que bloqueiam os efeitos dos hormônios masculinos no corpo.
  • Um fármaco chamado metformina para melhorar a sensibilidade do corpo à insulina.
  • Um fármacos para fertilidade chamado clomifeno (Clomid), às vezes se chega a tratamentos mais complexos, tais como fertilização in vitro.
  • Um creme chamado Eflornitina para parar o crescimento excessivo de pêlos (hirsutismo).
  • Cirurgia para tratar ovário conhecido como perfuração ovariana laparoscópica.

Outros medicamentos

Quem está acima do peso pode tomar um remédio para perda de peso, como o orlistat, mas deve ter cuidado para possíveis contra-indicações e efeitos colaterais.
Se existem níveis elevados de colesterol no sangue, seu médico pode prescrever um medicamento para baixar o colesterol (estatinas), tais como sinvastatina. É difícil que este medicamento seja prescrito se o paciente planeja engravidar.
Seu médico também pode sugerir um tratamento para acne.

Tratamento hormonal


Alguns medicamentos hormonais masculinos podem ser tomados para bloquear os efeitos dos hormônios masculinos (p. ex. testosterona) que podem causar os sintomas da síndrome do ovário policístico (especialmente o excesso de pêlo facial e perda de cabelo).
Entre estes medicamentos estão:

  • Acetato de ciproterona
  • Espironolactona
  • Flutamida
  • Finasterida.

O tratamento hormonal também pode resolver o problema de irregulalidade ou ausência de ciclos menstruais.
A pílula anticoncepcional pode ser recomendada para induzir ciclos regulares. Isso também reduz o risco a longo prazo de câncer endometrial se não existem ciclos.

As gonadotrofinas (hormônios produzidos pelo corpo que estimulam os ovários) podem ser recomendadas para algumas mulheres com síndrome dos ovários policísticos que não respondem a clomifeno (veja abaixo). No entanto, as gonadotrofinas podem estimular excessivamente o ovário e levam a gravidezes múltiplas.
Uma alternativa a este tratamento é a cirurgia (veja abaixo).

Clomifeno
Se você tentar engravidar mas sem ovulação, os ovários podem ser estimulados com um medicamento para fertilidade chamado clomifeno.
O clomifeno corrige o desequilíbrio hormonal e torna mais provável a ovulação, assim melhorando a fertilidade.

Medicamentos para diabetes
Um medicamento para a diabetes chamado metformina pode aumentar a ovulação em mulheres com síndrome do ovário policístico, juntamente com outros tratamentos.
Também pode reduzir os riscos para saúde causados pela resistência à insulina e o efeito de níveis anormais de hormônios masculinos. Pode ser assumido com clomifeno.
No entanto, não é um fármaco para perda de peso.

Eflornitina
A Eflornitina é um creme que bloqueia a ação de uma enzima presente nos folículos dos cabelos que é necessário para o crescimento do cabelo.
O creme retarda o crescimento do cabelo facial não desejado que pode ser um sintoma da síndrome do ovário policístico.
No entanto, ele remove o cabelo facial não desejado e, em seguida, pode ser usado um produto para depilação.
A melhoria pode ser vista de quatro a oito semanas após o tratamento.

 

Cirurgia para a síndrome do ovário policístico

Um pequeno procedimento cirúrgico chamado perfuração ovariana laparoscópica pode ser uma opção de tratamento.
Sob anestesia geral, o médico faz um pequeno corte na parte inferior do abdome e passa um longo instrumento cirúrgico chamado laparoscópio no abdómen.
Os ovários são então tratados cirurgicamente com calor ou um laser.
O objetivo é destruir o tecido que produz andrógenos (hormônios masculinos).
A perfuração ovariana laparoscópica serve para baixar os níveis de hormônio de testosterona e de hormona luteinizante e aumentar os níveis de hormônio folículo estimulante. A operação corrige o desequilíbrio hormonal e, em seguida, restaura a função normal dos ovários.

 

Remédios naturais para a síndrome do ovário policístico

Em mulheres com excesso de peso, os sintomas e o risco de complicações a longo prazo devido à síndrome do ovário policístico podem cair significativamente se perde o excesso de peso.
Perder peso reduz a quantidade de insulina que o corpo deve produzir.
Isto reduz os níveis de testosterona e melhora as chances de ovulação.
Os problemas menstruais e de fertilidade melhoram juntamente com uma diminuição excessiva de pêlos.
É possivél perder peso seguindo uma dieta adequada e fazer 45-60 minutos de exercício aeróbico todos os dias.
Seu médico pode aconselhar um nutricionista, que sabe o que recomendar.
A perda de peso de apenas 5% pode levar a uma melhoria significativa na síndrome do ovário policístico.

Os remédios naturais incluem:

  • Acupuntura que promove a fertilidade feminina.
  • O agnocasto afeta a hipófise e pode aumentar a produção do hormônio LH (hormônio luteinizante) e reduzir a liberação de FSH (hormônio folículo estimulante) no sangue

Suplementos de vitamina B e ácido fólico

Alguns estudos científicos mostram que um suplemento alimentar chamado mio-inositol, que deriva da vitamina B, juntamente com o ácido fólico reduz os sintomas porque:

  • Promove a atividade da insulina (hormônio que serve para levar a glicose para as células e portanto diminui a glicose no sangue),
  • Regula os hormônios andrógenos no sangue.