Sintomas de aborto

Os sintomas de aborto são causados por interrupção prematura da gravidez que ocorrem antes de 20 semanas e após esse período se define como trabalho de parto prematuro.

INDICE


 
O aborto pode ser voluntário ou espontâneo.
Existem dois tipos de aborto voluntário: o aborto médico (farmacológico) e aquele cirurgico.

Se fala de aborto terapêutico para indicar que é executado para não criar perigos a saúde da mãe ou para impedir o nascimento de um feto com graves doenças ou deformidades.

 

Aborto farmacológico ou químico dentro dos primeiros 3 meses

 

Aborto com MTX

É efetuado nas primeiras 7 semanas de grávidez e se usam dois produtos químicos. O primeiro é o metotrexato ou MTX, uma droga anti-câncer que ataca as células doentes, destrói e retarda o crescimento.
Tem o mesmo efeito sobre o feto no útero da mãe.
O metotrexato ataca células do bebê que crescem rapidamente e a placenta.
Se a placenta não suporta o crescimento do feto, o bebê morre.
Misoprostol (Cytotec) é um segundo produto químico que vem tomado 4-7 dias mais tarde em casa. Este medicamento é inserido na vagina como um supositório e provoca contrações, empurrando a criança morta fora do útero da mãe.
Se faz uma terceira consulta na clínica de aborto para fazer uma outra revisão e certifique-se de que o aborto foi completado.
Se o aborto não teve sucesso, a paciente precisa de uma cirurgia.
Os possíveis efeitos colaterais do aborto com MTX: é potencialmente tóxica, pode causar danos no fígado, ao rins, ao miocárdio, insuficiência pulmonar, distúrbios gastrointestinais, acidente vascular cerebral e convulsões.
Os efeitos secundários possíveis para o uso do misoprostol supositório são: problemas nos rins, infertilidade, cólicas e sangramento.

RU-486

O RU-486, também conhecido como a pílula do aborto é usado nas primeiras 7-9 semanas.
Primeiro o paciente toma uma medicação esteróide oral (mifepristona), consistindo de três pílulas.
Este medicamento bloqueia a progesterona, o hormônio que desenvolve o endométrio do útero durante a gravidez. O endométrio permite a alimentação do feto.
Em seguida, se toma a segunda droga oral: uma prostaglandina que serve para induzir o útero a contrair e empurrar o corpo da criança fora do corpo.
Uma alternativa é a inserção na vagina de 4 comprimidos de um medicamento chamado misoprostol (Cytotec).
As píluas uterinas provocam cólicas e sangramento.
Este procedimento requer 2-3 consultas médicas.
A terceira visita que normalmente leva duas semanas após a primeira, confirma ou não que o aborto ocorreu.
A percentagem de que o aborto não ocorreu e de 10% e 20%.

 

Aborto sucção

Se os passos acima não funcionam, se executa um aborto da sucção.
Os possíveis efeitos colaterais são: náusea, vômitos, diarréia, ataque cardíaco, hemorragia, infertilidade e futuros danos aos futuros filhos.
O período de tempo entre a tomada da primeira e segunda medicação varia entre 48 e 72 horas ou mais.
As cólicas e sangramento normalmente são de quatro horas, mas pode se estender por longos períodos de tempo.
Cerca de metade das mulheres aborte dentro de quatro horas.

 

curetagem,uterina

Aborto químico ou farmacológico após os primeiros 3 meses

Trabalho de parto induzido com infusão intra-amniótica de solução salina (a partir de 4° a 9° meses)
Para este procedimento, o médico normalmente irá usar uma solução salina ou salmoura para abortar.
O médico irá inserir uma agulha longa através do abdome para o saco amniótico.
Se remove uma parte do líquido protetor e em seguida se injeta a solução salina.
O bebê absorve a solução salina venenosa que vai matá-lo lentamente, destruindo seus órgãos e queimando a pele do bebê.
Depois de várias horas a criança morre.
O parto provocado será difícil e o bebê nasce morto, geralmente ocorre um dia depois.


Efeitos colaterais
A injeção de solução salina pode tornar o sangue mais liquído e portanto, a coagulação torna-se difícil.
A conseqüência pode ser a formação de grave hemorragia interna que pode levar à morte.
Esse procedimento é proibido no Japão e outros países por causa de danos potenciais para a mãe.

 

Injeção de prostaglandina

As prostaglandinas são hormônios produzidos quimicamente que induzem o trabalho de parto.
Esses hormônios são injetados no saco amniótico que rodeia a criança.
O médico provoca contrações dolorosas e duradouras até que a criança é forçada a sair do útero.
Em seguida, começa o trabalho de parto e nascimento. Na maioria dos casos, o procedimento torna-se um aborto. No entanto, há crianças que sobreviveram a esta cirurgia.
Sucessivamente se pode fazer uma raspagem para remover a placenta após o nascimento do bebê.
A injeção de prostaglandina e soro fisiológico foram suspensas porque tantos bebês nasceram vivos.



Aborto cirúrgico

aborto,aspiração,fórcepsAborto por sucção (ou vácuo) (até 15 semanas)
O procedimento do aborto por sucção se realiza com uma seringa ou uma pequena bomba elétrica
O instrumento utilizado é cerca de 30 vezes mais potente de um aspirador de casa.
Porque a abertura do colo do útero (cérvix) é fechada firmemente para segurar o bebê, geralmente o médico  injeta um anestésico local no colo do útero.
No momento do parto, o corpo libera hormônios para sinalizar o colo do útero de abrir naturalmente, mas para realizar um aborto o colo do útero deve ser gradualmente aberto por outros meios.
Gradualmente, o colo do útero é aberto com uma série de instrumentos grossos chamado dilatadores.
Embora anestesia local entorpece o colo do útero, os dilatadores podem causar cólicas.
Os dilatadores são colocados um após o outro gradualmente para aumentar a largura e dar menos problemas.
Às vezes pode haver danos ao colo do útero.
Quando o colo do útero é suficientemente aberto, o médico insere um tubo de sucção no útero.
A máquina de sucção liga-se e aspira o feto do útero juntamente com a placenta. Uma vez removido o cateter de sucção, uma cureta (um instrumento fino em forma de anel) pode ser usado para raspar as paredes do útero.

Dilatação e evacuação (até 20 semanas)
Esta cirurgia é realizada em duas etapas.
O colo do útero deve ser mais delatado em um aborto após o primeiro trimestre porque a criança é mais velha e mais desenvolvida.
Isso pode levar várias horas ou até mesmo toda a noite.
Se podem administrar medicamentos por via intravenosa para aliviar a dor e prevenir uma infecção.
Um anestésico local é injetado dentro ou perto do colo do útero e os dilatadores são removidos do colo do útero.
O médico usa uma combinação de fórceps, aspiração e curetagem para remover os braços e as pernas da criança. O abortador então atravessa o ponto mais macio da cabeça do bebê, suga o cérebro e esmaga o crânio do feto.
Em seguida, retira as partes restantes do bebê com fórceps e então remonta-los para certificar-se de ter removido todas as partes do útero. Desde que o corte é feito ao longo do interior do útero, há geralmente um sangramento considerável e podem ocorrer danos ao útero.

Isterotomiacordão,umbilical,gravidez
No último trimestre, o médico pode realizar um isterotomia que é essencialmente uma mini cesariana.
O médico faz uma incisão no abdômen, prende o cordão umbilical, espera cerca de cinco minutos e em seguida retira a criança morta.
No entanto, algumas crianças sobreviveram a este procedimento.

Injeção cardíaca
Em cerca de 16 semanas se efetua uma ultrassonografia para localizar a posição do coração do bebê. Uma injeção de fluido letal no coração da criança provoca um ataque cardíaco imediato que mata a criança. Depois se efetua o parto da criança morta.

 

Riscos e complicações do aborto

Efeitos colaterais podem ocorrer com o aborto induzido, seja cirúrgico ou com a pílula.
Complicações do aborto incluem:

Aborto também envolve o risco de complicações significativas como sangramento, infecção e danos aos órgãos.
Complicações graves ocorrem em menos de 1% dos casos no primeiro aborto e cerca de 2% dos casos de abortos subseqüentes.

Sérias complicações podem ser:

Sangramento forte – um leve sangramento depois de um aborto é normal.
No entanto, se o colo do útero é danificado ou se perfura o útero há um risco de hemorragia grave.
Quando isso ocorre, você pode precisar de uma transfusão de sangue.
Mesmo com a procedura RU486 se risca uma hemorragia grave.
Uma mulher em cada 100 que tomaron o RU486 deve fazer uma cirurgia para parar o sangramento.

Infecção
Se pode desenvolver uma infecção por inserção de instrumentos médicos dentro do útero ou causada por partículas fetais que equivocadamente são deixadas dentro (ele é chamado de aborto incompleto).
Infecção pélvica pode levar a febre persistente que dura vários dias e hospitalização prolongada.
Também pode causar cicatrizes nos órgãos pélvicos.

Sepse
Alguns pacientes que tomaram o RU486 (mifepristone) morreu de sepse (infecção total do corpo).

Anestesia
Complicações da anestesia geral utilizada durante a cirurgia.
Aborto pode causar convulsões, ataques cardíacos e em casos extremos morte

Danos ao colo do útero
O colo do útero pode ser cortado, rasgado ou danificado por instrumentos utilizadas no aborto.
Isso pode causar sangramento que requer reparo cirúrgico.

Cicatrizes do endométrio
O tubo de aspiração, Curetas e outros instrumentos para aborto podem causar cicatrizes permanentes do endométrio.

Perfuração do útero
O útero pode ser furado ou rasgado por instrumentos de aborto.
O risco dessa complicação aumenta com a duração da gravidez. Neste caso, você pode precisar de cirurgia de grande porte, incluindo a remoção do útero (histerectomia).

Danos aos órgãos internos
Quando o útero é furado ou rasgado, existe o risco que ocorrem danos à órgãos vizinhos como o intestino e bexiga.

Morte
Em casos extremos, existem outras complicações físicas de aborto incluindo hemorragia, infecção, danos aos órgãos internos de um útero perfurado e reações adversas à anestesia que pode levar à morte.
Esta complicação é rara, mas é possível.

 

Considere outros riscos do aborto

Aborto e parto prematuro:
Mulheres que se submetem a um ou mais abortos induzidos têm um risco significativamente maior de parto prematuro no futuro.O parto prematuro é associada a taxas mais elevadas de paralisia cerebral, bem como outras complicações desde o nascimento pre termo (distúrbios cerebrais, trato respiratório, intestinos e olhos).

Aborto e câncer de mama:
Médicos especialistas ainda estão procurando a ligação entre aborto e câncer de mama.
Aqui estão alguns fatos importantes:
A primeira gravidez a termo dá uma proteção contra o câncer de mama. Escolher o aborto provoca a perda desta protecção.

Um número de estudos confiáveis concluíram que pode haver uma ligação entre o aborto e o posterior desenvolvimento de câncer de mama.
Um estudo de 1994 no jornal do Instituto Nacional de câncer mostrou que: “entre as mulheres que estavam grávidas pelo menos uma vez, o risco de câncer de mama em quem tinha tido um aborto induzido foi 50% maior que a de outras mulheres.”

    Leia também