Vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana é a causa mais comum de mau cheiro e corrimento vaginal.

INDICE

 

É uma doença feminina causada pela mudança do tipo de bactérias encontradas na vagina.
Normalmente, as bactérias da família Lactobacillus são inofensivas na vagina e produzem substâncias químicas que mantêm a vagina ligeiramente ácida.útero,ovário,trompas

Na vaginose bacteriana, as bactérias Lactobacillus são substituídas por outros tipos de bactérias que estão normalmente presentes em baixas concentrações na vagina.

A bactéria mais comum que causa a vaginose bacteriana  é a gardnerella vaginalis.
Os cientistas não compreendem inteiramente a razão dessa mudança. Os fatores de risco que parecem aumentar as chances de pegar a vaginose bacteriana são uma história de múltiplos parceiros sexuais, relações sexuais com um parceiro novo, fumaça de cigarro, duchas vaginais e a utilização de um dispositivo intra-uterino (DIU). Embora a maioria desses fatores de risco está ligada à atividade sexual, mesmo as mulheres que nunca tiveram relações vaginais podem ter vaginose bacteriana.
A vaginose bacteriana ocorre com freqüência durante a gravidez. Pode causar parto prematuro, ruptura prematura de membranas e infecção uterina após o parto.
A vaginose bacteriana é causada por pequenas mudanças na acidez vaginal da mulher (ou pH), exigências extra físicas de gravidez e nova paternidade.
É por isso que mulheres grávidas com uma história de parto prematuro ou outras complicações podem fazer testes para a vaginose bacteriana, mesmo quando eles não têm sintomas.

Até 20% das mulheres grávidas, que faz o exame irá mostrar alguma presença de gardnerella na vagina, mas apenas poucas mulheres precisam realmente de um tratamento.

Alguns médico tratam todas as mulheres grávidas com a gardnerella se o teste mostra que a fêmea está infectada.
Esta prevenção nasce da convicção de que precisa conter as infecções vaginais, porque podem provocar o parto prematuro.
No entanto, estudos científicos feitos até agora são inconclusivos.
Pode haver algum benefício pequeno para as mulheres que tiveram um parto prematuro anterior.
A gardnerella não deve afetar o bebê se estiver presente durante um parto vaginal.

 

O que causa a vaginose bacteriana?

A causa da vaginose bacteriana não é clara. Pode se desenvolver quando algo perturba o equilíbrio entre as bactérias boas que protegem a vagina de infecção e as nocivas.
Não está claro qual é o papel da atividade sexual no desenvolvimento da vaginose bacteriana.
A vaginose bacteriana é mais frequente entre as mulheres que fazem relação sexual vaginal.
É possível que uma virgem ou uma criança tem vaginose bacteriana.
É importante saber que a vaginose bacteriana não começa sempre com uma relação sexual. Há certas coisas que podem perturbar o equilíbrio normal de bactérias na vagina e aumentar o risco de vaginose bacteriana:

  • Ter um novo parceiro sexual ou múltiplos parceiros sexuais,
  • Duchas vaginais,
  • Usar um dispositivo intra-uterino (DIU) como contraceptivo,
  • Não usar preservativo.

A vaginose bacteriana não é transmitida em banheiro público, por lingerie, em piscinas ou trocas de objetos.

 

Quais são os sintomas da vaginose bacteriana?

Até 50% das mulheres com vaginose bacteriana não têm quaisquer sintomas.
Outras fêmeas sentem um cheiro vaginal desagradável e corrimento vaginal.
Para algumas mulheres, esses sintomas são particularmente irritantes durante ou após a relação sexual.
Secreções brancas vistas na vaginose bacteriana tendem a ser mais finas do que você vê em infecções vaginais por leveduras (Candida).
A vaginose bacteriana geralmente não causa irritação significativa da vulva ou dor durante a relação sexual.
Se você tem estes sintomas, seu médico deve verificar outras possíveis causas.

 

Complicações da vaginose bacteriana

A vaginose bacteriana pode causar um risco aumentado de:

  • Salpingite (inflamação das trompas de Falópio)
  • Endometrite (inflamação do endométrio),
  • Infecções pós-cirúrgicas (por exemplo, endometrite após cesariana, celulite pós-histerectomia),
  • Infecções como resultado de aborto,
  • Resultados adversos da gravidez, incluindo ruptura prematura de membranas, parto prematuro, corioamnionite e endometrite pós-parto.

Essas infecções podem causar esterilidade ou infertilidade
Entre os pacientes com vaginose bacteriana podem ocorrer infecções mistas com Trichomonas e leveduras.

 

Diagnóstico da vaginose bacteriana

Vaginose bacterianaAlém da história clínica e exame vaginal, exames laboratoriais são essenciais para o diagnóstico da vaginose bacteriana.
Sobre o exame de corrimento no microscópio, a demonstração de 3 dos 4 critérios de Amsel de seguir é necessária para diagnosticar mais precisamente a vaginose bacteriana:

  • Exame de corrimento do líquido vaginal ao microscópio (diagnóstico mais specífico),
  • Um pH superior a 4,5 (até 90% dos pacientes),
  • Características: corrimento fino, cinza e homogêneo,
  • Teste de respiração positiva (até 70% dos pacientes)

Critérios de Ted Nugent podem ser usados para quantificar as bactérias pela coloração de Gram de amostras vaginais.
Estes testes avaliam os seguintes três tipos de bactérias e atribuem a pontuação para cada um, como mostrado:

  • Lactobacillus (Pontuação, 0-4),
  • Bacteroides/Gardnerella (Pontuação, 0-4),
  • Mobiluncus (Pontuação, 0-2).

Os pontos totais são calculados e interpretados da seguinte forma:

  • 0-3: normal
  • 4-6: contagem bacteriana intermediária
  • 7-10: Vaginose bacteriana

Outras doenças venéreas

 

A doença pode ser transmitida aos seres humanos?

Muitos médicos dizem que não, mas há um tipo de inflamação da ponta do pênis (balanite) que parece estar ligada à germes encontrados na vaginose bacteriana mesmo se não é frequente.

 

Tratamento, quais antibióticos são usados?

O medicamento de escolha para vaginose bacteriana é metronidazol 500 mg duas vezes ao dia por 6 dias.
Uma única dose de 2g de antibióticos tem demonstrado ser eficaz no tratamento de pacientes adolescentes, mas em geral uma terapia que dura 5-7 dias é mais eficaz.
Embora seja recomendável que o parceiro sexual faça a mesma terapia ao mesmo tempo, não é claro se essa ação diminui a incidência da doença.

Contra-indicações de metronidazol são algumas disfunções e doenças do sistema nervoso central.
Um efeito colateral importante é a intolerância ao álcool.
O medicamento é contra-indicado durante a gravidez e lactação.
O antibiótico zithromax por via oral (4 vezes por dia durante 6 dias) elimina a vaginose bacteriana por gardnerella na vagina e alivia os sintomas, mas tem pouco efeito na flora anaeróbica vaginal.
Outras preparações orais e vaginais foram receitadas, mas não provou ser útil. O banho remove temporariamente as secreções e o mau cheiro mas não cura a infecção.
Os médicos não recomendam terapia de rotina por parceiros do gênero masculino de mulheres com vaginose bacteriana.

 


Como posso prevenir a vaginose bacteriana?

Vaginose bacteriana não é bem compreendida pelos cientistas e as melhores maneiras de evitá-la são desconhecidas.
Certamente a vaginose bacteriana pode ocorrer quando se muda o parceiro sexual, ou se você tem múltiplos parceiros sexuais.

Você deve seguir estas dicas para reduzir o risco de ter vaginose bacteriana:

Não haver relação sexual
A melhor maneira de prevenir doenças sexualmente transmissíveis é a abstinência, não fazer relação sexual vaginal, oral ou posterior.

Ser fiel
Ter relações sexuais com apenas um parceiro é outra forma de reduzir as chances de ser infectado. Ser fiel ao outro, havendo uma relação sexual só com o outro.

Usar preservativos
Usar um preservativo toda vez que você tem uma relação sexual vaginal, posterior ou oral.
Preservativos devem ser usados para qualquer tipo de relação sexual com cada parceiro.
Para a relação sexual vaginal, use um preservativo masculino em látex ou uma camisinha feminina feita de poliuretano.
Para relação sexual posterior, use um preservativo masculino.

Não fazer as lavagens vaginais
Lavagem vaginal remove algumas bactérias normais da vagina que protegem contra infecções. Isto pode aumentar a chance de ter a vaginose bacteriana. Você também pode aumentar as chances de recaída após o tratamento.

Gravidez
Quem está grávida e tem os sintomas da vaginose bacteriana ou teve um parto prematuro ou um bebê de baixo peso ao nascer deve fazer o teste para vaginose bacteriana.
Fazer o teste, assim que sabe de poder estar grávida.

Terminar os medicamentos prescritos
Quem está doente de vaginose bacteriana deve terminar toda a medicação que seu médico receitou.
Embora os sintomas passam, você deve completar a cura.