Fratura do maléolo lateral

tornozelo, peroneal, externo, lateral, do osso, da perna, a tíbia, fratura de fíbula

maléolo externo ou peroneal

A fratura do maléolo lateral é uma lesão relativamente comum, caracterizada pela ruptura da proeminência óssea do lado de fora do tornozelo, ou seja, o maléolo lateral.
A parte inferior da perna é composta por dois ossos longos: a fíbula (ou perônio) e a tíbia.
A fíbula está localizada no lado externo e inferior da perna e se articula com a tíbia no joelho e no tornozelo e  com  o astrágalo mais em baixo .
Durante certas atividades, como pouso de um salto e, especialmente, a distorção  do  tornozelo, se aplicar uma força considerável sobre o maléolo lateral ( externo ).
Quando este trauma é muito forte, pode haver uma ruptura do maléolo externos.
A fratura pode afetar os idosos, mas também os jovens.
Muitas vezes, a ruptura do maléolo lateral, ocorre juntamente com uma entorse no tornozelo ou outras fraturas do pé, tornozelo ou perna.
Existem muitos tipos de fraturas do maléolo lateral: avulsão, de stress, de Pott, composta, deslocada, incompleta,
cominutiva etc.

 

Fratura bimaleolar e trimaleolar

Bimaleolar significa bilateral, ou seja tanto o maléolo fibular  que aquele  tibial do tornozelo estão quebrados.
Fratura trimaleolar significa que o maléolo externo e o interno são danificados, também um terceiro maléolo tibial posterior está quebrado.
Na maioria dos casos de fratura bimaleolare e trimaleolar, o tornozelo é instável.
Neste caso, também o interior dos ligamentos do tornozelo estão danificados.
Uma ultrassonografia é recomendada para determinar se os ligamentos mediais são feridos.
A fratura bimaleolar podem ocorrer simultaneamente com a luxação.

 

Lesões associadas

  1. Lesão da superfície articular do tornozelo,
  2. Fratura da sindesmose tibiofibular,
  3. Processo lateral do tálus,
  4. Fratura na base do quinto metatarso.

 

Causas das fraturas do maléolo lateral

A fratura do maléolo fibular ocorre freqüentemente durante uma distorção do tornozelo, especialmente se a força aplicada é notável.
Também pode ocorrer devido a um pouso depois de um salto, devido a um trauma ou choque com outro jogador no esporte.

 

Sinais e sintomas da fratura do maléolo lateral

Os pacientes com esta lesão sentir uma dor aguda e repentina no externo do tornozelo quando ocorre o traumatismo.
A ruptura do maléolo obriga o sujeito a mancar  pois não é capaz de suportar o peso sobre a perna lesada.
O incômodo é mais intenso durante a noite ou pela manhã, quando você acorda.
A fratura do maléolo lateral provoca inchaço, hematomas e dor ao toque na região afetada do osso.
A dor  aumenta em alguns movimentos do tornozelo.

 

Diagnóstico

O exame médico subjetivo e objetivo é essencial para diagnosticar a fratura do maléolo.

fratura, espiroidais, raios-X, tornozelo, fíbula, externo, lateral, perna, dor, ferimentos, inflamação

Raio X de uma fratura do maléolo lateral

Outras avaliações , como  a ressonância magnética, tomografia computadorizada ou cintilografia óssea pode ser necessário em alguns casos, para avaliar o estado dos tecidos moles e identificar fraturas de estresse que não aparece na radiografia.

 

Tratamento

Tratamento não-cirúrgico para a fratura isolada do maléolo lateral

Se o tornozelo é estável  pode ser que  não sirva uma cirurgia, ou seja, se a fractura é sem desvio ou apenas deslocada.
O tipo de tratamento necessário depende do ponto em que o osso é quebrado.
Existem várias maneiras de proteger a fratura enquanto ela cura.
Alguns médicos recomendam um órtese o gesso curto, para suportar o peso e imobilizar a articulação do tornozelo.
Alguns ortopédico aconselhados de  colocar imediatamente o peso sobre a perna quebrada, enquanto outros dizem de  esperar 6 semanas.

A magnetoterapia baseia-se na aplicação de campos magnéticos no tornozelo, isso reduz o tempo para a formação de calo ósseo.
Esse tratamento pode ser iniciado com gesso, é essencial no caso de fratura não consolidada.

Precisa repetir a radiografia do tornozelo para verificar a estabilidade dos fragmentos da fratura durante o processo de cura.
O prognóstico é de 40/50 dias para andar sem muletas e 3 meses para retornar gradualmente à atividade desportiva.

A fratura não deve ser totalmente soldada para suportar a carga no pé.
Entre as conseqüências pode haver uma leve ou grave rigidez e desconforto que se sente especialmente devido às condições meteorológicas.
As crianças conseguem recuperar muito antes dos adultos.

 

Tratamento não-cirúrgico para as fraturas bimaleolar e trimaleolar

Estas lesões são considerados instáveis ​​e normalmente o médico recomendada a cirurgia.
O tratamento não-cirúrgico pode ser considerado se você tem problemas de saúde graves, em que o risco de cirurgia pode ser muito grande ou se você não pode andar.
Geralmente, o tratamento imediato inclui uma tala para imobilizar o tornozelo até que o inchaço seja reabsorvido.
Mais tarde, se  aplica  um gesso curto no pé até abaixo do joelho.
O gesso pode ser mudado quando o inchaço se reduz.
E necessàrio ir ao hospital regularmente para repetir o raio-x e verificar que o tornozelo permanece estável.

Na maioria dos casos, a carga não é permitida pelas pirmeiras  6 semanas. Após este período, o tornozelo pode ser protegido com um tutor  removível enquanto continua a cura .

 

O tratamento cirúrgico. Quando operar?

O tratamento cirúrgico de fratura isolada do maléolo Fibular

fratura, espiroidais, raios-X, tornozelo, fíbula, externo, lateral, perna, dor, ferimentos, inflamação

Raio X de intervenção bimaleolare fratura

Se a fractura é desviada ou o tornozelo é instável, a fractura pode ser tratada com a cirurgia.
Este tipo de procedimento (a redução da fractura) é utilizada para alinhar e manter o alinhamento correto dos fragmentos ósseos.
Os fragmentos são unidos  usando parafusos especiais e placas  metálicas que aderem à superfície exterior do osso ao mesmo tempo que se forma o calo òsseo.
Geralmente, após um ano a placa de metal e parafusos são removidos com uma simples cirurgia.

 

Tratamento cirúrgico da fratura bimaleolar e trimaleolar

Geralmente, o tratamento cirúrgico é recomendado porque essas fraturas causam instabilidade do tornozelo.
A fractura do maléolo lateral e medial são tratados com as mesmas técnicas cirúrgicas descritas para a fíbula.

Reabilitação pós-operatória
A fisioterapia é importante, independentemente se a fratura for sem desvio ou deslocada.
Este tratamento é usado para recuperar a força, amplitude de movimento e equilíbrio.
Os exercícios de reabilitação são semelhantes aqueles para a entorse do tornozelo e reduzem o tempo de recuperação.
No início, serve a mobilização passiva, sucessivamente o paciente realiza os movimentos ativos.
Os exercícios de reabilitação pós-operatória servem para aprender a andar sem muletas, para reduzir a dor no tornozelo e fortalecer a panturrilha.
Quando os sintomas permitir, é necessário ficar em pé sobre  a perna quebrada.

 

Leia também: fratura da fíbula  –  fratura do maléolo lateral, a cirurgia e  a recuperação

 

Dr. Massimo Defilippo Fisioterapista Tel 0522/260654 [email protected]
P. IVA 02360680355

http://www.facebook.com/fisioterapiarubierese?ref=hl

http://www.fisioterapiareggio.com

© Scott Maxwell – fotolia.com