Pericardite aguda ou crônica e constritiva | sintomas e causas

A pericardite é a inflamação do pericárdio, ou seja uma membrana resistente com uma dupla camada que envolve o coração.

INDICE

 

Coração, pericárdio, pericardite

O pericárdio consiste em dois folhetos (camadas):

  • Visceral (serosa) – Produz um líquido (soro) que permite que os dois folhetos escorreguem um sobre outro, além disso produz e libera o peptídeo natriurético atrial no sangue.
  • Parietal (fibroso) – composto principalmente de fibras de colágeno.

O espaço entre as duas camadas contém um líquido (líquido pericárdico).

Entre as partes visceral e parietal existe uma cavidade virtual na qual são encontrados poucos ml (30-50) de líquido.
Este fluido permite o deslizamento do coração no pericárdio durante a contração, evitando assim uma reação inflamatória causada pela fricção.
Em condições fisiológicas, este soro é claro e não contém:

  1. Proteínas,
  2. Células.

A parte externa do pericárdio adere ao esterno, é prolongada:

  1. Abaixo do diafragma,
  2. Para cima, onde também cobre a parte inicial da aorta e das artérias pulmonares.

Embora o pericárdio tem várias funções, as mais importantes são:

  • Conter o coração na cavidade torácica, tem ligamentos que o fixam ao esterno, à coluna e ao diafragma;
  • Prevenir a distensão excessiva do coração, portanto, uma insuficiência cardíaca. Por isso, hoje o cirurgião não remove completamente o pericárdio.

O acúmulo de líquido pericárdico em excesso é chamado de derrame pericárdico.

Existem duas causas principais para o desenvolvimento de derrame pericárdico. A primeira é a inflamação do pericárdio, conhecida como pericardite, a segunda é o acúmulo de sangue no pericárdio.

Muitas vezes a efusão pericárdica provoca a inflamação do pericárdio.
No entanto, existem casos em que não ocorre a inflamação.

Hidropericárdio
É devido a um excesso de líquido não inflamatório (transudato) no saco pericárdico, maior que 100 ml.
O líquido é claro e não contém células.
O hidropericárdio é observado em caso de doenças sistêmicas que causam edema generalizado, como:

  • Anasarca,
  • Insuficiência cardíaca crônica,
  • Nefropatia,
  • Hipoproteinemia,
  • Mixedema.

Também pode ser formado devido à compressão de neoplasia e teratoma.

Hemopericardio
Acúmulo de sangue no pericárdio.
As causas podem ser:

Hemopericárdio

A pericardite

  1. Não é contagiosa,
  2. Pode ocorrer juntamente com a miocardite, ou seja a inflamação do músculo do coração.

Esta doença pode afetar a todos, crianças, adultos e idosos.

 

Classificação da pericardite

Existem 4 tipos principais de pericardite:

  • Pericardite aguda: os sintomas duram menos de seis semanas (geralmente os sintomas passam dentro de uma semana com o tratamento).
  • Pericardite subaguda: começa após a fase aguda e a duração é entre seis semanas e seis meses.
  • Pericardite recorrente: quando ocorrem repetidamente os episódios de pericardite aguda.
  • Pericardite crônica: é uma complicação da pericardite na qual os sintomas duram mais de seis meses.
Tipo Duração
Aguda < 6 semanas
Subaguda De 6 semanas Aos 6 meses
Crônica > 6 meses

 

Pericardite aguda

É o tipo mais frequente.
Geralmente a origem é viral e os vírus são os mesmos que causam miocardite:

  1. Coxsackievirus A e B,
  2. Parvovírus B19,
  3. Herpesvírus,
  4. EBV,
  5. O vírus da caxumba,
  6. Varicela zoster.

Estes últimos são muito raros, ocorrem especialmente em pacientes HIV positivos que tomam anti-retrovirais.
Estas drogas causam uma síndrome metabólica com um aumento:

  • De triglicerídeos,
  • De HDL,
  • Do Glicose no sangue (e, portanto, diabetes).

A consequência é uma aterosclerose precoce.

 

Pericardite crônica

A pericardite crônica pode ser causada por:

A pericardite crônica é geralmente a evolução da pericardite aguda.

 

Pericardite recorrente

Este tipo é dividido em duas categorias:

  • Intermitente: o paciente tem períodos sem doença após ter suspendido os tratamentos.
  • Incessante: a pericardite aparece novamente apenas o paciente suspende o tratamento.

Outros tipos de pericardite

  • A pericardite urêmica é uma complicação da insuficiência renal e pode ocorrer mesmo em pacientes que realizam hemodiálise.
  • A pericardite epistenocárdica é a inflamação do pericárdio que ocorre após um infarto do miocárdio.pericárdio,pericardite
  • A pericardite fibrinosa ou fibrosa consiste no depósito de camadas de fibrina e ocorre após uma cirurgia, após um ataque cardíaco ou é causada por doenças do tecido conjuntivo.
  • A pericardite serosa é caracterizada por um derrame que contém muito pus ou albumina.
  • A pericardite neoplásica é causada por um tumor no pericárdio ou por metástase.
  • A síndrome de Dressler é uma forma de pericardite com uma resposta do sistema imunológico após uma lesão do coração ou tecido pericárdico.
    Pode ser pós cirurgia (em caso de incisão do periocárdio: revascularização miocárdica, intervenções nas válvulas cardíacas e correção de defeitos congênitos), trauma ou pós infarto
    Os sintomas da síndrome de Dressler incluem dor no peito semelhante aquele sentindo durante um ataque cardíaco e febre.
    Graças a recentes melhorias no tratamento de infarto do miocárdio, a síndrome de Dressler tornou-se menos freqüente do que antes.
    A pericardite pós-operatória responde bem ao tratamento com cortisona.
    No entanto, esta doença pode se repetir em pessoas afetadas.


Pericardite serosa
O exsudato (líquido inflamatório com alta concentração protéica) inflamatório seroso é típico de processos inflamatórios não infecciosos, tais como:

  1. Doença reumática,
  2. Lúpus eritematoso sistêmico,
  3. Esclerodermia,
  4. Neoplasias,
  5. Uremia.

O exsudado é geralmente estéril, límpido e contém linfócitos.
A pericardite serosa é a forma menos grave, de fato, se a inflamação não é muito grave, a cura ocorre sem grandes conseqüências.
O líquido é absorvido e não torna-se organizado, ou seja não forma fibrose e aderências.
Sem tratamento ou se o paciente não responder ao tratamento, esta pericardite pode evoluir para a forma sero-fibrinosa, fibrinosa e, no final, purulenta.

pericardite

Pericardite sero-fibrinosa e fibrinosa
É uma evolução da pericardite serosa.
Pode ser:

  1. Circunscrito (por exemplo, durante infarto do miocárdio).
    Geralmente aparece aproximadamente 24 horas após o ataque cardíaco.
    O espessamento fibroso do pericárdio ocorre com uma cicatriz esbranquiçada.
  2. Generalizado quando está ligada a um fato infeccioso ou tóxico.

Hoje, a síndrome de Dressler pós-infarto também é considerada uma desordem autoimune (uma vez considerada viral) e causa a pericardite fibrinosa.

Na pericardite sero-fibrinosa, se acumula um líquido denso, amarelado e opaco (devido à presença de glóbulos brancos e vermelhos) que freqüentemente contém fibrina.
A fibrina pode ser degradada ou pode se tornar organizada.
A cura completa sem consequências é rara, a organização do processo geralmente ocorre.
A composição do tecido inflamatório depende da causa, pode conter:

  1. Linfócitos,
  2. Macrófagos,
  3. Monócitos,
  4. Granulócitos,
  5. Eosinófilos.

Na pericardite fibrinosa, a superfície pericárdica é seca e a fibrina é depositada em toda a superfície.
Pode atingir uma espessura de alguns milímetros.

Por fim, o sinal mais característico da pericardite fibrinosa é o aparecimento de um intenso ruído de atrito pericárdico durante a ausculta, mais intenso que a pericardite serosa, devido à fricção entre os dois folhetos.
O paciente sente dor no peito, tem febre e sinais de insuficiência cardíaca.

Pericardite purulenta
Hoje é muito raro nos países ocidentais.
É causada pela presença de microorganismos no espaço pericárdico, especialmente bactérias, fungos ou protozoários.
Esses podem atingir a cavidade pericárdica de diferentes maneiras:

  1. Da uma inflamação nas proximidades, por exemplo, em caso de empiema (coleção de pus) na pleura ou pneumonia,
  2. Circulação sanguínea,
  3. Circulação linfática,
  4. Penetração direta durante uma cirurgia para o coração.

A terapia imunossupressora ou uma condição de imunodeficiência predispõe a pessoa à infecção.
O exsudato pode estar entre 80-90 cc e 400-500 cc, portanto pode causar o tamponamento cardíaco (o excesso de líquido no pericárdio comprime e não permite o funcionamento adequado do coração).
Entre as complicações está a miocardite purulenta porque o líquido inflamatório se espalha em profundidade.
Raramente o paciente cura completamente, geralmente o processo inflamatório provoca uma cicatriz.
Pode ocorrer:

  1. Uma soldadura dos dois folhetos (concretio cordis),
  2. A formação de aderências entre os folhetos e entre estes e outros órgãos circundantes: pleura, esôfago, esterno, aorta (accretio cordis).
    A massa esclerótica pode atingir até 1 cm de espessura.

A pericardite tuberculosa pode evoluir para uma forma fibro-calcificada restritiva.

Sintomas da pericarditePericardite hemorrágica
O exsudato é caracterizado pela presença de eritrócitos, logo o sangue juntamente com fibrina ou pus.
Muitas vezes é uma conseqüência das formas descritas acima.
Pode ser causado por:

  • Um tumor maligno (do pericárdio ou metástase), neste caso, derrames de sangue recorrentes ocorrem freqüentemente.
  • Infecções bacterianas, particularmente na tuberculose,
  • Uma intervenção cardíaca.

Pericardite gangrenosa (muito rara)
Caracteriza-se por massas fibrino-hemorrágicas com a presença de gás produzido pelos germes da putrefação.
Geralmente a causa é um trauma perfurante, também podem se formar abcessos e cavidades que podem se estender até o pulmão.

Pericardite Caseosa (rara)
A causa é quase sempre a tuberculose, raramente é causada por infecções fúngicas.
Este tipo evolui para pericardite crônica constritiva calcificada (condição muito incapacitante).

Finalmente, as sinéquias, as aderências e as sínfises pericárdicas são fenômenos ligados à organização do exsudato, ou seja, membranas finas de tecido conjuntivo que unem os dois folhetos do pericárdio.
Podem ser individuais ou múltiplos.

As sínfises pericárdicas são aderências entre toda a superfície do coração e todo o pericárdio.
As sinéquias e as aderências podem ser separadas umas das outras, enquanto a sínfise é muito tenaz e difícil de separar.

 

Causas da pericardite

As causas de pericardite podem ser:

A pericardite viral é a mais comum e é mais frequente no inverno.
Além disso, existem alguns casos em que a doença é idiopática, ou seja não é possível determinar a causa.
Em 80% dos casos de pericardite em crianças, a causa é idiopática.


Sintomas da pericardite

Geralmente a pericardite aguda causa uma dor no peito excruciante na parte de trás do esterno ou no lado esquerdo do peito.

Dado que a dor também irradia para o ombro esquerdo, a maioria das pessoas pensa que é o infarto do miocárdio.
A dor piora em caso de:

  • Tosse,
  • Respiro profundo,
  • Ingestão de alimentos,
  • Em posição deitada.

Alguns sintomas comuns que podem indicar a pericardite são:

  1. Uma dor aguda que se sente por trás do esterno, geralmente no lado esquerdo do peito. A dor é localizada e irradia até o ombro esquerdo e direito.
  2. A posição sentada reduz os sintomas.
  3. Dificuldade na respiração em uma posição deitada.

Outros sintomas da pericardite são:

Em caso de pericardite constritiva podem aparecer:

  1. As pernas inchadas,
  2. A barriga inchada.

A pericardite crônica também causa:

  1. Pressão sanguínea baixa, porque o coração não pode expandir completamente e conseqüentemente o débito cardíaco é reduzido,
  2. Inchaço nas pernas, tornozelos e mãos.

A dor no peito é fortíssimo, semelhante à de um ataque cardíaco, mas mais intensa porque o pericárdio é muito inervado (existem muitos nervos que transmitem o sinal da dor).
Se na cavidade pericárdica o líquido fisiológico o que permite o deslizamento dos folhetos entre eles desaparece porque se transformou em fibrina, os folhetos esfregam um no outro.
A conseqüência é uma dor fortíssimo.

A dor diminui na posição sentada, especialmente ao se inclinar para frente.

Características da dor na pericardite e isquemia

Pericardite Isquemia
Área Peito central,
Ombro esquerdo,
Ombro direito,
Atrás do esterno,
Braço esquerdo,
Mandíbula,
Pescoço (raro).
Tipo Agudo,
Fortíssimo
Constritivo
Duração Horas / dias Angina 20 minutos
Infarto (30 min – horas)
Postura Melhor sentado e
dobrado para frente
Não muda
Exercício/
esforço
Não muda Angina

 

Complicações da pericardite

O tamponamento cardíaco e a pericardite constritiva crônica são complicações graves da pericardite.

Tamponamento cardíaco

O tamponamento cardíaco ocorre quando se acumula muito líquido no pericárdio (saco seroso em torno do coração).
O excesso de líquido exerce uma certa pressão sobre o coração e impede o enchimento de sangue.
Como resultado:

  1. O coração bombeia menos sangue,
  2. Ocorre uma queda súbita na pressão sanguínea.

Se não é curado, o tamponamento cardíaco pode ser mortal.
É caracterizada por um derrame pericárdico composto de sangue e possivelmente soro.
O derrame pode ser:

  1. Seroso: causado por insuficiência cardíaca
  2. Supurativo (muito raro): causada por piogênicos (germes que causam a produção de pus),
  3. Hemorrágico: muito frequente em caso de traumas e de câncer avançado. Isso pode causar a morte por tamponamento cardíaco que causa a ruptura dos vasos sangüíneos no pericárdio, uma invasão de células tumorais ou a ruptura dos vasos sanguíneos formados dentro do tumor.

Pericardite constritiva

A pericardite adesiva crônica é uma doença rara que se desenvolve ao longo do tempo. Conduz à formação de tecido fibroso ao redor do pericárdio.
Esta membrana torna-se dura e não se pode mover corretamente. Ao longo do tempo, o tecido fibroso comprime o coração e impede o funcionamento correto.

A pericardite constritiva ou concretio cordis é uma evolução negativa de alguns tipos, por exemplo:

  1. Pericardite tubercular,
  2. Pericardite recidivante.


O pericárdio é espessado e forma uma “casca” fibrosa ao redor do coração.
Se podem formar calcificações visíveis com a radiografia.
Existem muitas causas possíveis, incluindo:

  1. Trauma,
  2. Cirurgia,
  3. Radiação
  4. Insuficiência renal (os pacientes em diálise com hiperuremia aceleram a aterosclerose, favorecendo a formação de calcificações que reduzem a circulação coronariana),
  5. Tuberculose.

Esta casca bloqueia o coração durante a diástole, impedindo a expansão e o preenchimento dos ventrículos.
Na pericardite constritiva, a pressão venosa aumenta porque a veia cava inferior e a veia cava superior têm dificuldade em descarregar o sangue no coração direito, que tem uma alta pressão devido a essa casca.
Os sinais de retorno venoso difícil são:

  • Expansão das jugulares,
  • Hepatomegalia (aumento do fígado),
  • Aparente Insuficiência cardíaca direita,
  • O pulso do coração não é mais visível de fora porque uma camada espessa é formada ao redor do coração,
  • Ascite,
  • Pressão venosa aumentada,
  • Derrame pleural,
  • Pulso paradoxal (queda da pressão arterial sistólica maior que 10mmhg durante a inspiração),
  • Edema ou inchaço nas extremidades do corpo (pernas e braços) porque a insuficiência cardíaca direita reduz o retorno venoso e o débito cardíaco.

 

Quais complicações podem ocorrer em caso de pericardite não tratada?

O excesso de líquido que se acumula em torno do coração começa a pressionar contra o orgão.
Sem tratamento, esta pressão forte pode impedir o enchimento completo dos átrios e ventrículos.
Este problema cardíaco é chamado de tamponamento.
A conseqüência imediata desse mau funcionamento é a má circulação sanguínea e a deficiência no suprimento de oxigênio.
Poderia representar uma situação perigosa.

Portanto, é aconselhável procurar um médico e iniciar um tratamento.

Leia também