Mal de Alzheimer – sintomas e causas

O mal de Alzheimer é um tipo de demência que provoca problemas de:

  • Memória,
  • Pensamento,
  • Comportamento.
INDICE

Os sintomas desenvolvem-se lentamente e pioram com o tempo, tornando-se suficientemente graves para interferir com as atividades diárias.

O mal de Alzheimer é a forma mais comum de demência, um termo geral para indicar a perda de:

  • Memória,
  • Outras habilidades que interferem com a vida diária.

Este distúrbio é responsável por 50-70% dos casos de demência.
O mal de Alzheimer é uma doença progressiva cujos sintomas pioram gradualmente ao longo de vários anos.
Nas fases iniciais a perda de memória é mínima, mas os indivíduos perdem a capacidade de conversar e responder.

 

doença,de,Alzheimer

© fotolia.com

Causas do mal de Alzheimer


As causas do mal de Alzheimer não são ainda conhecidas, embora o efeito sobre o cérebro é claro.
O mal de Alzheimer mata as células do cérebro (Neurónios).
Um cérebro com Alzheimer tem:

  • Menos células,
  • Menos conexões entre os neurónios sobreviventes.

O mal de Alzheimer leva a um estreitamento significativo do cérebro devido à contínua necrose (morte) das células.
Quando os médicos examinam o tecido cerebral em um microscópio veem dois tipos de anomalias que são consideradas as características principais da doença:

  • Placas. Se trata de bolinhas compostas por uma pequena proteína chamada beta-amilóide que podem danificar e destruir as células do cérebro de várias maneiras, incluindo interferir com a comunicação entre as células.
    Embora a causa da morte das células cerebrais no mal de Alzheimer não é conhecida, a proteína beta-amilóide em algumas áreas do cérebro é a principal suspeita.
  • Emaranhados neurofibrilares. As células cerebrais dependem de um apoio interno e externo para trazer nutrientes e outros materiais essenciais.
    Este sistema é formado por microtúbulos que formam um canal e as proteínas TAU que estão ligadas com esses.
    No mal de Alzheimer são formados emaranhados neurofibrilares desta proteína ao interno das células cerebrais que levam ao colapso do sistema de transporte.
    Este colapso é fortemente implicado no declínio e morte das células cerebrais porque não permite expulsar resíduos, neste caso, a beta-amilóide.

 

Fatores de risco do mal de Alzheimer

Há mais probabilidade de haver o mal de Alzheimer:

-Idosos. Embora o desenvolvimento desta doença não é o mesmo que o envelhecimento normal.
-Raramente o mal de Alzheimer é hereditário (genético), ou seja, um pai sofre da mesma doença, ocorre apenas em 2% dos casos.

Patrimônio genético
Muitas pessoas têm medo de herdar o mal de Alzheimer e os cientistas estão investigando actualmente o componente genético desta doença.
Sabemos que existem famílias em que há um componente hereditário da doença de uma geração aquela sucessiva.
Isso ocorre geralmente em famílias onde a doença aparece mais cedo (em jovens).
Na maioria dos casos a influência dos genes herdados do mal de Alzheimer em pessoas mais velhas parece ser mínima.
Se um pai ou outro parente tem Alzheimer, as chances de desenvolver a doença são apenas um pouco maiores do que as famílias em que não houve nenhum caso.
Podem aumentar os fatores de risco (embora não foi bem mostrado):

-Se a pessoa é uma mulher
-A pressão de sangue elevada
-Teve um trauma craniano
Diabetes, de acordo com um estudo no “Journal of Clinical Investigation”, existe uma ligação entre a doença de Alzheimer e diabetes, de facto, os diabéticos têm duas vezes o risco de desenvolver a doença de Alzheimer.
Pensa-se que os problemas vasculares causados por diabetes podem reduzir o fluxo sanguíneo para o cérebro, causando inflamação cerebral e aumentando o nível de proteína beta-amilóide.

Fatores ambientais
Os fatores ambientais que podem contribuir para o aparecimento da doença não são ainda identificados.
Há alguns anos atrás, os cientistas pensavam que a exposição ao alumínio poderia causar a doença.
No entanto, estas preocupações foram negadas pela maior parte.

Medicamentos
Os estudos têm sugerido que o risco de ficar doente é reduzido em pacientes tratados com fármacos anti-inflamatórios não esteróides diferentes da aspirina, por exemplo, ibuprofeno.
Um estudo realizado por Gagne JJ et MC Energia, (Neurology 2010) mostra uma queda de 15% na incidência da doença de Alzheimer nos usuários regulares deste medicamento.

De acordo com um estudo publicado no “British Medical Journal”, o uso de benzodiazepinas durante pelo menos 90 dias é um fator de risco para o desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Cobre

De acordo com um estudo publicado em Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), os níveis elevados de cobre podem interferir com a remoção de beta-amilóide no cérebro.
O cobre é uma substância vital encontrada em muitos alimentos, por exemplo:

1. Água,
2. Carne Vermelha,
3. Crustáceos,
4. Frutas,
5. Vegetais.

O estudo foi realizado nos ratos, mas não nos seres humanos, beberam água com uma maior quantidade de cobre.

A consequência foi:

  • Uma acumulação de cobre nos vasos sanguíneos
  • Dificuldades no processo de eliminação da proteína beta-amilóide
  • O aumento da produção da proteína beta-amilóide.

No entanto, em seres humanos, os estudos mostram uma ligação entre a deficiência de cobre e envelhecimento ou doença de Alzheimer.
A conclusão é: melhor evitar tomar suplementos que contêm cobre.

 

Sintomas do mal de Alzheimer

Os primeiros sintomas do mal de Alzheimer (leve) incluem:
Perda de peso (emagrecimento)
-Dificuldade em atividades que requerem um mínimo de organização
-Perda da orientação
-Problemas da linguagem tais como dificuldade em lembrar o nome de objetos familiares
-Perda de interesse em atividades que são realizadas sempre
-Mau humor e depressão
-Mudanças de personalidade e perda de habilidades sociais
-Esquecer os detalhes dos acontecimentos recentes.

Sintomas no estágio intermediário
O agravamento da doença afeta a capacidade de cuidar de si mesmo.
O mal de Alzheimer se manifesta pelos seguintes sintomas:

  • Insônia
  • Dificuldades nas atividades de vida diária, tais como a preparação de refeições, a escolha da roupa adequada e dificuldade para dirigir
  • Dificuldades na leitura e escrita
  • Perda da memória, também a de longo prazo
  • Alucinações e comportamento violento
  • Falta de juízo e perda da capacidade de reconhecer os perigos.

A pessoa com o mal de Alzheimer em estágio avançado não pode:

  • Entender a linguagem
  • Reconhecer os membros da família
  • Realizar atividades básicas do cotidiano, como comer, vestir, tomar banho.

Outros sintomas que podem ocorrer incluem:

  • Incontinência
  • Problemas de deglutição (disfagia) que pode causar desnutrição e pneumonia porque a comida entra nos pulmões em vez do estômago.

 

 

Progressão ou evolução da doença de Alzheimer

  • Primeira fase, demência leve:
    Se começa a perder a memória e orientação, esta fase dura de 2 a 4 anos.
  • Segunda fase, demência moderada:
    É a fase mais longa e duradoura em que os sintomas pioram gradualmente. Este estágio dura de 3 a 10 anos.
  • A terceira fase, demência grave:
    É a fase terminal da doença, o paciente é inválido. Este estágio dura alguns anos (2-4 anos).

Leia também