Tratamento para hipertireoidismo

INDICE

O tratamento para hipertireoidismo prevê fármacos, remedios naturais e cirurgia.
O hipertireoidismo é uma doença caracterizada por um excesso de hormônios tireoidianos na corrente sangüínea.

 

Diagnóstico do hipertireoidismo (tireóide hiperativa)

O real diagnóstico do hipertireoidismo é fácil depois de haver o suspeito.
Existem alguns exames de sangue precisos e disponíveis para confirmar ou excluir um diagnóstico dentro de um dia ou dois.

Os níveis de hormônios tireoidianos T3 e T4, é medido no sangue e pelo menos um deve ser aumentado para fazer o diagnóstico de hipertireoidismo.
Também è útil medir o nível de hormônio estimulante da tiroide (TSH).
Este hormônio é liberado na corrente sanguínea pela glândula pituitária (hipófise) com o objetivo de estimular a tireóide a produzir hormônios da tireóide.
A hipófise monitora constantemente os nossos níveis de hormônio da tireóide, e se ele encontra menos hormônios tireoidianos em excesso no sangue, ele pára de produzir TSH.
Portanto, um valor baixo de TSH no sangue indica que a tireóide está produzindo muitos hormônios.
Outros exames especiais são realizados raramente para distinguir entre diferentes causas de hipertireoidismo.
Desde que a tireóide normalmente usa iodo para produzir hormônios da tireóide, a medida da quantidade de iodo radioativo ou de tecnécio que são absorvidos pela glândula pode ser uma maneira útil para avaliar a sua atividade.
A dose de radiação deste exame é muito pequena e não tem efeitos colaterais.
Esses exames e a absorção radioativa da tireóide são muitas vezes essenciais para saber qual tratamento deve ser efetuado em um paciente com hipertireoidismo.
É particularmente importante saber se o médico pensa que o hipertireoidismo é causado por doença de Basedow.

 

Os exames utilizados para diagnosticar o hipertireoidismo

Exames de sangue
Hormônio estimulante da tireóide (TSH) produzido pela glândula pituitária é menor no hipertireoidismo.
Assim, o diagnóstico do hipertireoidismo é quase sempre associado a um baixo nível de TSH.
Se os níveis de TSH são baixos, é necessário realizar outros exames.
O valor de hormônios da tireóide (T3, T4) é maior do que o normal no hipertireoidismo.

Valores normais:

  • T3L (Triiodotironina livre) 3-6 pg/ml
  • T4L (tiroxina livre) 0,7-2.2 ng/ml
  • TSH (hormôna estimulante da tireoide) 0,5-4  U/ml

Estes números podem variar de acordo com o laboratório onde é feita a  análise.
Para dizer que um paciente tem hipertireoidismo, precisa que todos os hormônios da tireóide tenham todos os níveis elevados.
Às vezes eles não são muito elevados e apenas uma ou duas doses têm valores elevados.
Isto não é comum, pois a maioria das pessoas com hipertireoidismo tem todos os valores acima da média (exceto o TSH).

A ultrassonografia da tireóide mostra se a causa é um único nódulo ou a inteira glândula.
Se o médico julgar necessário, pode ser feita uma cintilografia com um marcador.
Se injeta em uma veia o iodo 131 com o tecnécio 99.
A máquina da cintilografia tem uma câmera especial que pode capturar imagens da tireóide.

 

Qual é o tratamento para hipertireoidismo?

Se os sintomas derem muito desconforto, seu médico pode prescrever comprimidos chamados bloqueadores beta.
Estes podem ajudá-lo a sentir-se melhor, enquanto o médico decide qual tratamento oferecer ao paciente.
O hipertireoidismo pode causar problemas mais sérios.
Os medicamentos para a tiróide e iodo radioativo são as terapias que os médicos usá-lo mais vezes.
O melhor tratamento depende de uma série de fatores, incluindo a idade. Algumas pessoas precisam de mais de um tipo de tratamento.
O iodo radioativo é o tratamento mais freqüente. A maioria das pessoas são curadas depois de tomar uma dose.
Este tratamento destrói a tireóide, mas não danifica outras partes do corpo.
O medicamento anti-tireóide funciona melhor se os seus sintomas são leves, precisa tomar todos os dias na mesma hora.
Essas pílulas não irão danificar a glândula tireóide. Infelizmente, nem sempre funciona.
Se para de funcionar, pode ser necessário tentar iodo radioativo.

 


Como se cura o hipertireoidismo?

Opções para o tratamento do hipertireoidismo são:

  • Tratamento de sintomas
  • Medicamentos antitireoidianos
  • Iodo radioativo
  • Cirurgia

 

Tratamento para os sintomas

Existem medicamentos disponíveis para tratar os sintomas causados por um excesso de hormônios da tireóide, tais como a freqüência cardíaca muito rápida.
Uma das principais classes de medicamentos usados para tratar estes sintomas são beta-bloqueadores. Por exemplo,

  • Propranolol (Inderal),
  • Atenolol (Atenol),
  • Metoprolol conhecido comercialmente como Lopressor.

Estes remédios neutralizam o efeito dos hormônios da tireóide para aumentar o metabolismo, mas não alteram os níveis de hormônios tireoidianos no sangue.
O médico determina quais pacientes devem receber este tratamento de acordo com uma série de variáveis, incluindo a causa do hipertireoidismo, a idade do paciente, o tamanho da glândula tiróide e a presença de doenças médicas coexistentes.

 

Medicamentos antitireoidianas

Existem dois principais medicamentos antitireoidianos em uso no Estados Unidos, Propiltiouracil (PTU) e metimazol (Tapazol).
Estes medicamentos se acumulam no tecido da tireóide e bloqueiam a produção de hormônios da tireóide.
O PTU também bloqueia a conversão do hormônio T4 aquele metabolicamente mais ativo T3.
O risco maior desses medicamentos é a supressão da produção de glóbulos brancos na medula óssea (agranulocitose).
As células brancas são necessárias para combater a infecção.

Tratamento para hipertireoidismoÉ impossível dizer se e quando esse efeito colateral está para ocorrer, portanto as contagens de células brancas no sangue não é útil.

O paciente deve consultar imediatamente um médico se desenvolve sinais de infecção ao tomar metimazol ou propiltiouracil, dor de garganta ou febre, . Embora temos que ter cuidado, o risco real de desenvolver agranulocitose é inferior a 1%.
Geralmente, o paciente deve ser visto por um médico em intervalos mensais no período que se toma o medicamento antitireoidianos.
A dose deve ser ajustada para manter os hormônios da tireóide em um nível mais próximo possível ao normal (eutireóideo).
Uma vez que a dosagem está estabilizada, o paciente pode ser visto a cada três meses, se é previsto um tratamento a longo prazo.
Geralmente, o tratamento a longo prazo com medicamentos antitireoidianos é apenas para pacientes com doença de Basedow, dado que esta doença pode ser curada termporaneamente (controlar os valores hormonais) com medicamentos sem precisar de radiação da tireóide ou cirurgia.

Se tratado de um a dois anos, os dados mostram uma taxa de remissão de 50 – 70%.
Quando a doença está em remissão, a glândula não é mais hiperativa e os remédios antitireoidianos são desnecessários.
Infelizmente não podemos ter certeza de normalizar os valores de tireóide com os medicamentos, é por isso que devemos fazer exames de sangue a cada 2 meses para saber se a dosagem do remédio deve ser alterada.

Estudos recentes também demonstraram que a adição de um comprimido de hormônio tireoidiano a um medicamento anti-tireoidiano realmente dá melhores resultados com maiores taxas de remissão.
A explicação racional para isso pode ser que, fornecendo uma fonte externa para o hormônio da tireóide se podem administrar doses maiores de medicações antitireoidianos que podem suprimir o sistema imunológico hiperativo em pessoas com doença de Basedow-Graves.
Este tipo de terapia permanece controverso, no entanto.
Quando acaba o tratamento a longo prazo, os pacientes devem continuar a ser visitados pelo médico a cada três meses no primeiro ano, porque uma recaída da doença de Basedow ocorre provavelmente neste período de tempo.
Se o paciente tiver uma recaída, o tratamento com medicamentos antitireoidianos pode ser reiniciado ou pode ser considerado o iodo radioativo.

 




Iodo radioativo

O iodo radioativo é administrado por via oral (comprimido ou líquido) uma vez para a ablação de uma glândula hiperativa.
O iodo radioativo é administrado após um exame de rotina.
A absorção de iodo é medida para confirmar o hipertireoidismo.
O iodo radioativo é absorvido pelas células da tiróide ativa e as destrói.
Portanto o iodo é retirado somente das células da tireóide, a destruição é local e não há efeitos colaterais generalizados com este tratamento.
O tratamento com iodo radioativo tem sido usado com segurança a mais de 50 anos, a única contra-indicação para uso é a gravidez e lactação.
Esta forma de terapia é o tratamento de escolha para a doença de Basedow-Graves, pacientes com distúrbios cardíacos graves, aqueles com Bócio multinodular tóxico ou adenomas e para pacientes que não toleram medicamentos antitireoidianos.
O iodo radioativo deve ser administrado com cautela em pacientes com doenças oculares causadas por doença de Graves Basedow porque estudos recentes têm mostrado que a doença nos olhos pode piorar após o tratamento.

Gravidez
Se uma mulher opta por engravidar após ablação, é aconselhável esperar 8-12 meses após o tratamento antes de engravidar.
Geralmente mais de 80% dos pacientes se curam com uma única dose de iodo radioativo. Servem cerca de 8-12 semanas para a recuperação após o tratamento. O hipotireoidismo permanente é a principal complicação dessa forma de tratamento. Um estado transiente de hipotireoidismo pode ocorrer por até seis meses após o tratamento com iodo radioativo. Se o hipotireoidismo persiste por mais de seis meses, geralmente começamos um tratamento de reposição da tireóide (T4 ou T3).

 

Operação cirúrgica para hipertireoidismo

A cirurgia para remover a glândula tireóide (tireoidectomia parcial) é uma forma de tratamento para o hipertireoidismo.
O objetivo é remover o tecido da tireóide que estava produzindo hormônios em excesso.
No entanto, se é removido muito tecido, pode causar uma produção insuficiente de hormônio da tireóide (hipotireoidismo).tireoidectomia

Neste caso, inicia o tratamento de reposição da tireóide.
A principal complicação da cirurgia é a desagregação do tecido circundante, incluindo o que inerva as cordas vocais e as quatro pequenas glândulas no pescoço que regulam os níveis de cálcio no corpo: as glândulas paratireóides.
A remoção acidental dessas glândulas pode causar baixos níveis de cálcio e, portanto, precisa de uma terapia de substituição.
Com a introdução do tratamento com iodo radioativo e os medicamentos antitireoidianos, a cirugía para o hipertireoidismo não é mais freqüente como antes.
A cirugia é adequada para:

1. Pacientes grávidas e crianças que têm reações adversas á medicamentos antitireoidianos.
2. Pacientes com tireóide muito grande, especialmente quando comprime os tecidos adjacentes e causa sintomas tais como dificuldade de deglutição, rouquidão e falta de ar.

 

Remédios naturais para hipertireoidismo

Se o hipertireoidismo não é grave e se o paciente não quer tomar medicamentos pode continuar uma vida normal, alterando a dieta e estilo de vida.
Se os sintomas são incapacitantes ou não permitem uma vida normal, precisa sempre consultar um médico.

Muitos sintomas dependem de nervosismo e inquietação.
Os olhos são menos inchados ou vermelhos se consegue dormir melhor.
É importante realizar exercícios regulares, pelo menos 4 vezes por semana de intensidade média ou alta a fim de dormir melhor e ser mais relaxado durante o dia.
Reiki, shiatsu e yoga são terapias naturais para relaxar e funcionar bem se realizados em uma base diária ou pelo menos 4 vezes por semana.

 


O que comer, dieta e alimentação para hipertireoidismo

Existem diferentes tipos de nutrição recomendada, neste artigo o autor escolheu falar da dieta do tipo sanguíneo do Dr. D’Adamo e Dr. Mozzi, o higienismo de Shelton e a nutrição recomendada pela medicina tradicional.

De acordo com a dieta do tipo de sangue, uma pessoa deverá comer alguns alimentos e evitar outros, dependendo do grupo de sangue (0, A, B ou AB). Um alimento pode ser útil para o grupo 0, mas prejudicial para pessoas do grupo A, e vice-versa.
Em geral, as problemas de tireóide são causados por cereais (especialmente aqueles que contêm glúten, mas também os outros), frutas e doces.
Evitar esses alimentos ou reduzi-los, tanto quanto possível, a tireóide deve funcionar corretamente, há muitos testemunhos positivos de pacientes.
Este tipo de dieta recomenda comer uma grande quantidade de proteínas animais, vegetais e leguminosas, principalmente as pessoas do grupo 0 que representam cerca de 45% da população.
Mas existem algumas contra-indicações por causa do excesso de proteínas:

Higienismo Shelton (vegan)
Além de afirmar a utilidade do jejum, Herbert Shelton recomenda uma dieta vegena e con alimentos crus.
Alimentos recomendados contra hipertireoidismo são:

  • Agrião,
  • Repolho,
  • Cenouras,
  • Limão,
  • Frutas tropicais: banana, papaia e abacaxi,
  • Frutas não-tropical: cítricas, caqui, maçãs e uvas
  • Figos e passas
  • Milho e polenta
  • Alimentos integrais com baixo teor de açúcar que evitam os picos de açúcar no sangue e reduzem a fome

Para evitar:

  • Grãos refinados
  • Doces e açúcar (para reduzir gradualmente)
  • A proteína animal, ovos, leite e produtos lácteos.

Os prós são que este tipo de dieta é rica em vitaminas e minerais, enquanto as contras são a frequência de evacuações intestinais, diarréia, hemorróidas e os efeitos sobre o açúcar no sangue da fruta.

Semelhanças e diferenças entre as duas dietas
Há muitos elementos em comum entre estas duas dietas: ambas recomendam a abundância de legumes, limão e frutas secas. Entre os alimentos a evitar estão os cereais que contêm glúten e doces.
A principal diferença é que a dieta do tipo sanguíneo recomenda carne, peixe e ovos (especialmente para pessoas do grupo 0) e não recomenda a fruta, o higienista / dieta vegan afirma o oposto.

É importante tentar por pelo menos uma semana os dois tipos de alimentação para ver o que dá mais benefícios, para fazer a melhor escolha.

 

Medicina convencional
Especialistas recomendam aos pacientes com hipertireoidismo uma dieta equilibrada para ingerir a maioria dos nutrientes.

O sal adicionado é um alimento que não é recomendável porque é uma fonte de iodo, também, uma dieta sem sal previne outros distúrbios circulatórios como inchaço nas mãos e pés inchados.
O sal iodado absolutamente deve ser evitado pois pode aumentar os níveis de hormônios da tireóide.

Durante a gravidez ou aleitamento não é possível tomar medicamentos, portanto é necessário ter cuidado com a alimentação e seguir as regras higienista (dieta, atividade física, sol, etc.)

Suplementos alimentares
O iodo é um mineral essencial para a tireóide. No entanto, pessoas com doenças autoimunes da tiróide podem ser suscetíveis a efeitos colaterais prejudiciais de iodo.
Tomar gotas de iodo ou comer alimentos que contêm grandes quantidades de iodo como algas (Palmaria palmata, Laminariales ou Laminárias) podem causar ou piorar o hipertireoidismo.

As mulheres precisam de mais iodo quando estão grávidas, sobre 250 microgramas por dia porque o bebê precisa absorver o iodo da dieta da mãe.
Nos Estados Unidos, cerca de 7 por cento das mulheres grávidas podem não comer suficiente iodo na dieta ou através de vitaminas pré-natais.
Escolher o sal iodado, sal com adição de iodo e vitaminas pré-natais que contenham iodo garante a satisfação desse requisito.
Para ajudar a garantir um tratamento seguro, converse com seu médico sobre suplementos como o iodo.

 

Quanto dura? Expectativas, recuperação e prognóstico

O hipertireoidismo é geralmente tratável e raramente è uma ameaça para a vida.
Algumas causas podem desaparecer sem tratamento.
O hipertireoidismo causado pela doença de Basedow Graves geralmente piora ao longo do tempo. Esta doença tem muitas complicações, algumas das quais são graves e podem afetar a qualidade de vida.

 

Controles

Controles regulares são recomendadas mesmo após terminar o tratamento.
É muito importante realizar exames de sangue regularmente (no mínimo anualmente) para verificar de haver o correto nível de hormônio tireoidiano (tiroxina) no sangue.
O médico pode prescrever os exames.
Isso ocorre porque algumas pessoas podem ter hipertireoidismo no futuro.
Outros pacientes que foram tratados com êxito podem desenvolver no futuro uma condição de hipotireoidismo.
Neste caso, geralmente se tomam comprimidos de tiroxina.