Endometrite aguda e crônica

 

INDICE

A endometrite é a inflamação do endométrio que é causada por infecções intra-uterinas, mas não é a mesma coisa que a endometriose.
Esta doença é a causa mais frequente de febre pós-parto cesariano ou normal.

A endometrite pode ocorrer junto com outros distúrbios como inflamação das trompas de Falópio (salpingite), ovário (ooforite) e peritônio pélvico (peritonite pélvica).

 

Notas sobre anatomia

O útero é um importante órgão reprodutor feminino, consiste em um corpo e um colo.
O feto se desenvolve nesse órgão durante a gravidez.
A parede interna do útero é chamada de endométrio.

A endometrite pode ser aguda ou crônica

 

Endometrite aguda

Endometrite puerperal: é devido a uma infecção que ocorre após o parto, é a causa mais frequente de endometrite aguda.
O puerpério é o tempo que serve ao corpo feminino para recuperar a funcionalidade após o parto normal, normalmente demora cerca de 40-50 dias.
Endometrite não puerperal: doença inflamatória pélvica e outras operações ginecológicas invasivas podem provocar-la.

Endometrite crônica

  • A infecção por clamídia e gonorreia geralmente não é encontrada na endometrite crônica, em comparação com outras bactérias, como Mycoplasma spp.
  • Pós-parto ou pós aborto: associada a substâncias que permanecem no útero depois de um aborto eletivo ou um parto.
  • Endometrite puerperal : associada com infecções crônicas, como clamídia, gonorréia, vaginose bacteriana e a inserção do dispositivo intra-uterino (DIU).

Entre as bactérias que podem causar endometrite estão:

  • Ureaplasma spp.
  • Staphylococcus spp.
  • Streptococcus spp.
  • Escherichia coli
  • Gardnerella vaginalis

A endometrite crônica atrófica pode ser uma doença senil que ocorre após a menopausa quando a mucosa torna-se atrófica, perde volume e se consome.
Esse fenômeno dificulta a regeneração da mucosa superficial após a fase menstrual.

 

Quais são as causas de endometrite?

As infecções são a causa a mais comum e pode ser devida a uma das seguintes doenças:

  • Líquido amniótico: este pode ser infectado antes ou durante o parto. Se a criança expele fezes (o mecônio é o material intestinal que sair pela primeira vez) antes de nascimento aumenta o risco de infecção.
  • Doença inflamatória pélvica: é a infecção de qualquer dos órgãos femininos.
  • Resíduo dos tecidos: após parto ou aborto espontâneo, a placenta ou outras partes dos tecidos do corpo podem permanecer dentro do útero e causam uma infecção.
  • Doenças sexualmente transmissíveis: são também conhecidas como doenças venéreas.

Você pode pegar estas doenças durante a relação sexual com parceiros infectados.
Pergunte ao seu médico mais informações sobre doenças sexualmente transmissíveis.

 


Quem está em risco de endometrite?

Todas as mulheres têm uma presença normal de bactérias na vagina.
Quando esta mistura natural de bactérias muda durante a vida, aumenta o risco de endometrite.
É mais provável que ocorra após os seguintes eventos:

  • Aborto espontâneo,
  • Parto, especialmente depois de um longo trabalho de parto ou uma cesariana,
  • Anemia materna,
  • Anestesia geral,
  • Procedimentos médicos que envolvem a entrada no útero através do colo do útero, tais como: histeroscopia, dilatação e curetagem uterina.

Fatores de risco pós-parto

  • Inserção de dispositivo intra-uterino (DIU),
  • Ausência de muco cervical normal,
  • Fluido menstrual na cavidade uterina,
  • Lavagem vaginal,
  • Relações sexuais desprotegidas,
  • Múltiplos parceiros sexuais.

 

Sintomas de endometrite

Quando ocorre uma infecção, os sintomas associados com a infecção, são:

 

Com o agravamento da infecção, os sintomas podem tornar-se graves.

Febre também pode ser elevada.
Pode aumentar a quantidade de secreção vaginal e o cheiro pode se tornar mais desagradável.

A dismenorréia é associada com outros sintomas, como dor na região pélvica e no baixo ventre, dor na coluna e em alguns casos o sangramento anormal.
Se você encontra algum destes sintomas, você deve consultar seu médico para chegar ao diagnóstico correto porque a dismenorréia também pode ser devida a causas que não sejam da endometrite.

 

Endometrite aguda e crônicaPossivéis complicações associadas à endometrite, que permanece não tratada por um longo tempo são:

  • Septicemia,
  • Abscesso uterino,
  • Peritonite,
  • Infecções anexiais (ou seja, da trompa de Falópio, ovário e tendões destes órgãos),
  • Abscesso pélvico,
  • Infertilidade,
  • Hematoma pélvico.

 

Como é o diagnóstico de endometrite?

Seu médico deve fazer o exame físico.
Pode fazer um exame pélvico e verificar outros problemas que poderiam causar os sintomas.
Geralmente você deve fazer pelo menos um dos seguintes testes:

Exames de sangueSão realizadas para verificar os valores de uma infecção.

Cultura: Se recolhem amostras de urina, sangue e corrimento vaginal para encontrar a causa da infecção.

Ultrassonografia vaginal: Este exame utiliza ondas sonoras para ver fotos do Interior do útero e ovários. Um pequeno tubo é inserido na vagina.
As imagens do útero e ovários são vistas na tela do computador (monitor).

Tomografia computadorizada: Este teste também é chamado de TC. Uma máquina de raio-x usa um computador para tirar fotos do abdômen. Você pode dar uma tintura antes que as fotos são tiradas para ajudar o profissional de saúde para ver a imagem melhor. Você deve informar o médico se houve reação alérgica ao liquído de contraste no passado.

Histeroscopia: A histeroscopia é feita para olhar a parede externa do útero.
Um pequeno instrumento com uma luz e uma câmera é colocada na vagina e no colo do útero.
Um líquido ou gás pode ser introduzido através do histeroscópio para ajudar o operador para ver melhor.
Durante este exame, também pode ser retirada uma amostra de tecido do colo do útero.

Biópsia: O médico retira um pequeno pedaço de tecido do útero e o envia para um laboratório para análise.

 

Qual é o tratamento de endometrite?

Antibióticos: são prescritos para tratar ou prevenir uma infecção causada por uma bactéria. Você tem que tomar estes medicamentos como indicado pelo médico, o medicamento mais prescritos é o Zitromax (azitromicina).
A curetagem é realizada para remover o tecido residuo no útero após o parto ou aborto.
Punção aspirativa por agulha pode ser usada para drenar um abscesso no abdômen. Se coloca uma agulha através do abdome ou a vagina e é usado para remover o pus.
Cirurgia: também pode ser feita para remover o pus e o tecido infectado em caso de endometrite grave.

 

Prognóstico

Nos 90% dos casos, o tempo de cura para os pacientes que tem endometrite leve ou moderada e são tratados com antibióticos é geralmente de 48-72 horas.
Se isso não for suficiente, o paciente deve ser reavaliado.

 

Prevenção

A endometrite causada por infecções sexualmente transmissíveis pode ser evitada com:

  • Diagnóstico precoce e tratamento de infecções sexualmente transmitidas no paciente e todos os parceiros sexuais.
  • Haver uma relação sexual segura usando camisinha.
  • O risco de endometrite se pode reduzir usando técnicas e ferramentas esterilizadas durante o parto, quando se faz um aborto, na colocação de espiral ou outros procedimentos ginecológicos.
  • Antibióticos podem ser administrados antes de uma operação cirúrgica para evitar endometrite e outras infecções devido a cirurgia.