Lesão muscular

A lesão muscular é a ruptura de uma parte ou todas as fibras musculares, pode ser parcial ou completa.

ÍNDICE

É uma lesão muito comum no esporte, sua incidência varia entre 10% e 35% do número total de lesões no esporte.
As lesões podem ser causadas:

• Por um trauma direto se o músculo é afetado por uma força que vem de fora (por exemplo um acidente no futebol), o dano é maior se o músculo é contraído.
• Se é causado por um trauma indireto, não existe nenhuma força externa, simplesmente o músculo não consegue alongar muito durante um alongamento muito rápido (por exemplo, um chute no vácuo que pode ferir um músculo flexor da perna: bíceps femoral, semitendíneo e semimebranoso) ou uma forte contração de um músculo relaxado.

lesão muscular, avaliação,coxa, quadríceps, esporte

Avaliação da lesão muscular – © Massimo Defilippo

Os atletas mais afetados são aqueles que praticam: futebol, futebol americano, corrida de distância breve, salto, beisebol, fisiculturismo.

Os músculos que se lesionam mais frequentemente são nos membros inferiores, especialmente os gêmeos e aqueles que se anexam ao joelho: os isquiotibiais (músculo posterior da coxa) e o quadríceps femoral.
O músculo quadríceps é composto por 4 partes, aquela que se quebra mais frequentemente é o reto da coxa, enquanto os outros 3 (vasto lateral, vasto medial e vasto intermédio) geralmente não se lesionam.

Os jogadores podem ter um rasgo nos músculos adutores da coxa (no interior).
No braço, os músculos mais afetados são o bíceps braquial, o peitoral e o deltoide que pode rasgar no nível do ombro.

É improvável que apareça em clínica um paciente com uma lesão dos músculos:
• Abdominal
• Dorsal
• Lombar (parte inferior das costas)
• Trapézio (músculo que se encontra entre os ombros)
• Antebraço
• Na mão
• No glúteo

A distensão muscular (ou estiramento) é rara em crianças e em idosos.
Uma laceração das fibras musculares provoca um derramamento de sangue importante, em casos menos graves permanecem confinados dentro do músculo, mas nos casos mais importantes se forma um hematoma porque o músculo é muito vascularizado.
A lesão geralmente forma-se nos extremos do músculo, raramente é vista no centro do ventre muscular.

 

Distensão,quadríceps, lesão muscular, frio, futebol, coxa,

Músculo quadríceps e parte anterior da coxa © Andreas Meyer/Fotolia.com

Causas da lesão muscular

Os motivos que levam a uma lesão podem ser muitos.
Os fatores externos são principalmente a baixa temperatura e o campo de jogo não ideal.

Os fatores internos são:

• Desequilíbrios muscular
• Aquecimento inadequado
• Baixo nível de treinamento
• Falta de elasticidade
• Lesões musculares anteriores
• Fadiga causada pelo exercício excessivo, seguido por uma recuperação muito breve

Entre as pequenas causas encontramos a falta de sais minerais, péssima execução de movimento atlético e má coordenação.

 

Sintomas da lesão muscular

A American Medical Association (Craig, 1973) divide as lesões musculares em três níveis diferentes desta forma:

  • Lesão de primeiro grau: estiramento muscular que provoca a ruptura de algumas fibras do músculo.
  • Lesão de segundo grau: desgaste  de uma parte de fibras musculares, mas sem interrupção completa do músculo.
  • Lesão de terceiro grau: ruptura completa do músculo.

Nas lesões de primeiro grau a dor é mínima, agrava-se com o exercício e o alongamento do músculo, o movimento e a força permanecem quase normais.
A dor aparece após o fim do treino.

Nas lesões de segundo grau, a dor é mais intensa porque os danos afetam um número maior de fibras em relação as lesões menores.
A dor ocorre imediatamente, assim que começa o treino, mas os atletas depois de fazer o aquecimento conseguem terminar o treino ou a competição sem grande desconforto, isto é muito arriscado porque continuando a atividade, o quadro clínico pode piorar.
Quando o músculo está frio, os sintomas aparecem com a contração e o alongamento.
Podemos notar muita rigidez na parte do corpo afetada.

 lesão,muscular,ou,rasgo

© fotolia.com

A lesão de terceiro grau é a ruptura do músculo ou da maior parte.
A dor é muito intensa e impede a continuação da competição ou do treino, também se sente apertando sobre a área afetada.
Na área lesada aparece um grande hematoma.
Durante a palpação se sente uma depressão ao nível da lesão.
Raramente o paciente tem febre após uma grave lesão.

 

Diagnóstico da lesão muscular

É essencial procurar o médico especialista que sabe como fazer o diagnóstico correto e avaliar a gravidade do caso, porque o tratamento varia de acordo com o tipo e o tamanho da lesão.
Para o diagnóstico instrumental das lesões musculares, geralmente é efetuada uma ultrassonografia do músculo para localizar a área da lesão e seu tamanho.
Raramente é efetuada a ressonância magnética.

O problema é que se podem encontrar lesões profundas nos músculos muito desenvolvidos como aqueles dos atletas (por exemplo no quadríceps de um jogador de futebol).

ultra-som, muscular, lacrimejamento, alongamento, lesão, distração, músculo, ombro

Ultrassonografia do ombro – © Massimo Defilippo

Nestes casos o exame clínico deve se basear na história clínica do paciente, no momento quando surgiu a dor (durante ou após o treino), o tipo de incômodo (localizado ou difuso) e sobre o que se sente durante a palpação.

Se um atleta diz que a dor ocorreu após o treino e se espalhou, é provável que seja apenas uma contratura, enquanto se não conseguiu terminar a corrida ou o treino por causa dos sintomas e se sente uma depressão durante a palpação, podemos pensar a uma contusão.

 

O que fazer? O tratamento

O tratamento das lesões musculares é personalizado de acordo com o tipo e o tamanho da lesão.
É necessária uma receita médica para iniciar o tratamento de fisioterapia que acelera a cicatrização, reduzem a formação de cicatrizes e ajudam na prevenção da recorrência.

Lesão muscularKinesio taping : Ação: relaxamento. Forma: uma tira a ‘Y ‘. Comprimento: debaixo do calcanhar até a cavidade poplítea. Aplicar a fita sem tensão, começando apenas sob o calcanhar e colocando em alongamento a panturrilha. Com a fita envolva a parte externa dos ventres musculares dos gêmeos.

No caso de lesão anatômica, o tratamento nas primeiras 24/48 horas consiste no protocolo REST (Repouso, gelo, compressão, elevação) ou seja é um tratamento que impede o agravamento de lesões e inflamações.
Este protocolo envolve: Repouso, gelo 3/4 vezes ao dia por 20 minutos, a bandagem e a elevação do membro.
Geralmente, os médicos recomendam relaxantes musculares e analgésicos, este último é preferível aos anti-inflamatórios (AINEs) porque a inflamação pós-lesão é um mecanismo fisiológico de reparação do corpo humano, portanto não deve ser prejudicado com estes medicamentos.

O atleta terá que ficar longe do campo por um tempo variável dependendo do tamanho da lesão, da uma semana até dois meses.
Em caso de distensão, o músculo repara a lesão formando um tecido fibroso cicatricial, ou seja, um tecido menos elástico do aquele muscular.
Após o primeiro dia do trauma, a massagem transversa profunda (ou cyriax) e uma cautelosa mobilização é necessária para manter a elasticidade muscular e ajuda a alinhar as fibras do tecido cicatricial.
É importante não massagear a área da lesão até que não se forme a cicatriz porque pode piora o quadro clínico, é possível fazer massagens apenas na área a montante e a jusante.

O princípio de contração excêntrica é que a lesão geralmente ocorre com este mecanismo, portanto é necessário acostumar o músculo a resistir a essas condições caracterizadas por trabalho anaeróbio.

Se o músculo for imobilizado, a cicatriz é formada por fibras que podem ir em qualquer direção, mas se continuar movendo o músculo, as fibras do tecido conjuntivo que se formam têm uma disposição de acordo com as linhas de força e são mais elásticas
Em casos de ruptura completa do músculo, é necessário consultar um cirurgião, porque pode ser necessária uma cirurgia (muito raro).

Transferência de energia capacitiva e resistiva,alongamento, lesão, músculo, hematoma, cicatriz

Transferência de energia capacitiva e resistiva para a contusão do músculo
© Massimo Defilippo

É indicada a fisioterapia instrumental com Laser, ultra-somTransferência de energia capacitiva e resistiva, apenas a lesão é cicatrizada, é necessária uma atividade para tornar o músculo mais elástico e para evitar recaídas, portanto é importante o alongamento e fortalecimento excêntrico.

 


É melhor o calor ou o frio?

Nas 24 horas após a lesão podemos colocar apenas um bloco de gelo para esfriar um pouco a área.
Depois de um dia, é aconselhável manter o saco de água quente para facilitar a absorção do hematoma e a formação de tecido fibroso que substitui o músculo.

 

Prognóstico e tempo de recuperação

É necessário evitar as corridas e treinos muito cedo, recomenda-se fazer um ultrassonografia no final do ciclo de tratamento, se a lesão não está cicatrizada não precisa parar a fisioterapia, porque corre o risco de aumentar a gravidade do problema.

O princípio de contração excêntrica é que a lesão geralmente ocorre com este mecanismo, portanto é necessário acostumar o músculo a resistir a essas condições caracterizadas por trabalho anaeróbio.
A ultrassonografia mostra o tamanho do hematoma que se forma por causa da lesão, mas o tamanho do rasgo pode ser menor e não é visto porque o sangue esconde a lesão.

O tempo de recuperação para um músculo rasgado é de cerca de 1 mm por dia, mas é necessário ler bem o relatório da ecografia.
O tratamento reduz o derramamento de sangue de 1 mm cada dia, mas não podemos ter dados precisos sobre as lesões.

 

É possível que a dor permaneça mesmo se a última ultrassonografia mostrou que a lesão está cicatrizada ?

Sim, depende do tamanho da lesão, mas com lesões de cerca de 2 cm ou superior, é normal que haja um desconforto.
Geralmente os jogadores retomam seus treinamentos competindo como antes, começam com um treinamento diferenciado e gradualmente voltam à atividade normal.
A dor ou desconforto geralmente desaparecem dentro de um ou dois meses.

Leia também

Deixe uma resposta