Histerectomia total

INDICE

A histerectomia total é uma cirurgia que serve para remover o útero de uma mulher.
O útero é o órgão onde um bebê cresce quando uma mulher está grávida. Às vezes também são removidos os ovários e as trompas de Falópio.
Uma histerectomia é uma operação importante para uma mulher que é recomendada somente quando outras opções de tratamento não resolvem o problema.


Quando é necessaria a histerectomia?

As razões mais freqüentes para cirugia de histerectomia incluem:

 

Menstruação abudante

Muitas mulheres perdem uma grande quantidade de sangue durante a fase menstrual. Se podem sentir outras sintomas, como dor e cólicas abdominais.
A menstruação abudante pode ser causada por miomas, mas em muitos casos não há nenhuma causa óbvia.
A remoção do útero pode ser a única maneira de parar o sangramento nestes casos:

  • Outras terapias tem sido ineficazes,
  • O sangramento tem um impacto significativo na qualidade da vida,
  • A mulher já não deseja ter filhos.

 

Doença inflamatória pélvica

Doença inflamatória pélvica é uma infecção bacteriana do sistema reprodutor feminino.
Se diagnosticada cedo, a infecção pode ser tratada com antibióticos. No entanto, se ela se espalha, pode resultar em danos para o útero e as trompas de Falópio, resultando em dor a longo prazo.
Uma histerectomia para remover o útero e as trompas de Falópio pode ser recomendada se uma mulher tem dor por causa da doença inflamatória pélvica e não quer ter filhos.

 

Endometriose

A endometriose é uma patologia na qual as células que revestem o útero também podem ser encontradas em outras áreas do corpo como os ovários, as trompas de Falópio, a bexiga e o reto.
Se as células que compõem o revestimento do útero são presas em outras áreas do corpo, podem causar inflamação e lesão dos tecidos ao redor. Isso pode causar dor, menstruação abudante e irregular e esterilidade (incapacidade de engravidar).
Uma histerectomia pode remover áreas de tecido endometrial que causam dor, mas vêm efetuada depois de tentar todas as terapias possíveis.

 

Prolapso uterino

Um prolapso uterino ocorre quando os tecidos e ligamentos que suportam o útero tornam-se fracos e assim o órgão genital desliza para baixo de sua posição normal.
Possíveis sintomas incluem dor nas costas, uma sensação de que algo cai da vagina, perda de urina (incontinência urinária) e dificuldade transar.
Um prolapso uterino, muitas vezes, pode ocorrer como conseqüência de um parto.
Uma histerectomia resolve os sintomas de um prolapso porque remove completamente o útero.

 

Câncer

Uma histerectomia pode ser recomendada para os seguintes câncer

  • Câncer cervical (câncer do colo do útero)
  • Câncer de ovário
  • Câncer das trompas de Falópio
  • Câncer uterino.

Se o câncer se espalhou e atingiu um estágio avançado, uma histerectomia pode ser a única opção de tratamento recomendada.

 


Quais são os tipos de histerectomia?

Dependendo da razão porque se efetua a histerectomia, o cirurgião pode optar por retirar todo ou apenas uma parte do útero.
A cirurgia pode ser realizada sob anestesia espinal ou total.

Histerectomia subtotal
Em uma operação cirúrgica de histerectomia subtotal, o cirurgião remove apenas a parte superior do útero, deixando o colo do útero.

Histerectomia total
Uma histerectomia total remove todo útero e o colo do útero.

Histerectomia radical
Durante a histerectomia radical, o cirurgião remove o útero, os tecidos que estão localizados ao lado do útero, colo do útero e a parte superior da vagina, também executa a Ooforectomia.
A histerectomia radical geralmente é executada só quando você tem um tumor.

Ooforectomia
A ooforectomia é uma operação cirúrgica onde você remove os ovários.

 

remoção,de,ovário

Histerectomia para mulheres em idade fértil

Histerectomia totalDepois que uma mulher fez uma histerectomia de qualquer tipo não pode engravidar.
Quando se removem os ovários de uma mulher em pré-menopausa, a ovulação não pode ocorrer.
Isto significa que você terá uma queda nos hormônios sexuais: estrógeno e progesterona.
Isso pode causar ressecamento vaginal, ondas de calor, transpiração e outros sintomas da menopausa.
Mulheres que se submetem a ooforectomia bilateral (remoção de ambos os ovários), geralmente fazem terapia de reposição hormonal para manter os níveis hormonais.

 

Curas alternativas

A histerectomia deve ser a última a ser a ultima terapia a ser considerada, quando falharam todas as outras opções de tratamento, exceto se a mulher tem câncer.
Outros tratamentos para a doença que se resolve com a histerectomia incluem:

  • Miomas – as opções são cirurgia para removê-las (miomectomia), fármacos que temporariamente bloquearam a ação dos hormônios sexuais, congelamento, cauterização, remoção com laser (miólise periférica) ou ressecção (corte) quando se encontram no interior do útero (submucoso).
  • Hemorragia abundante – as opções são a pílula anticoncepcional para regular ciclos, outras terapias fármacologica hormonais, remoção cirúrgica do endométrio (o revestimento da mucosa do útero).
  • Prolapso uterino – opções incluem exercícios de reabilitação perineal, a inserção de um pessário na vagina para escorar o útero ou a reparação cirúrgica
  • Endometriose – as opções são medicamentos hormonais e remoção cirúrgica da endometriose.

 


Como fazer uma histerectomia?

Existem várias maneiras de realizar uma histerectomia.

Histerectomia abdominal. Este procedimento é realizado através de uma incisão de 12/16 cm (corte) na parte inferior do abdômen. O corte pode ser vertical ou horizontal logo acima da junção dos pêlos pubianos.

Histerectomia vaginal. Uma incisão é feita através da vagina. O médico realiza a histerectomia e fecha com pontos.

Histerectomia laparoscópica.
O laparoscópio é um instrumento que consiste de um tubo fino que termina com uma luz e uma câmera que permite ao médico ver os órgãos pélvicos. O médico faz três ou quatros pequenos cortes (menos de 1 cm) no abdômen para inserir um laparoscópio e outros instrumentos.
Sucessivamnte se corta o útero em pedaços pequenos e se remove através das incisões.
A duração da cirurgia laparoscópica é cerca de 45-60 minutos.

Histerectomia vaginal assistida por via laparoscopica
O médico remove o útero através da vagina. O laparoscópio é usado para guiar o procedimento.histerectomia,útero,normal

Laparoscópica robótica-assistida

O médico utiliza uma máquina especial (robô) para fazer a histerectomia através de pequenos cortes na barriga, o procedimento é semelhante a uma histerectomia laparoscópica (veja acima). Muitas vezes o cirurgião realiza esta operação quando um paciente tem um câncer ou está muito acima do peso e cirurgia vaginal não é segura.
Complicações após uma histerectomia

As possíveis complicações de uma histerectomia incluem:

  • Náusea e vômitos
  • Infecção
  • Hemorragia interna
  • Acúmulo de sangue embaixo dos pontos (hematoma)
  • Tecido de cicatriz interno
  • Reação alérgica à anestesia
  • Coágulos de sangue
  • Dificuldade para urinar
  • Diminuição de desejo sexual
  • Dor pélvica constante
  • Dor de barriga
  • Lesão do intestino, bexiga ou ureteres (tubos que transportam a urina dos rins para a bexiga) – raro
  • Fístula (furo anormal entre estruturas internas, como o intestino e a vagina) – rarafístula,reto,vaginal
  • Prolapso vaginal (quando a parede vaginal superior perde a sua forma, desce e fica saliente).

Recuperação após histerectomia e consequências

Precisa seguir o conselho do seu médico, mas as dicas gerais para as primeiras seis semanas após a cirurgia são:
Reposo máximo possível – pelo menos duas semanas de descanso. É melhor descansar na cama.
Exercícios – continuar com os exercícios ensinados no hospital. Você deve fazer uma caminhada todos os dias se seu médico não é contrário.
Em pé – evitar estar em pé por mais de alguns minutos no imediato pós- operatorio.
Evite o levantamento de peso.
Constipação – para evitar a constipação, beber muitos líquidos e comer vegetais e frutas frescas.
Medicamentos – se o seu médico receitou antibióticos, você precisa completar o tratamento, mesmo se você está bem depois de tomar alguns comprimidos.
Relação sexual – recomenda-se evitar a relação sexual vaginal até o controle pós-operatório (cerca de quatro a seis semanas após a operação) para garantir que a vagina está completamente curada.
Se a secura vaginal é um problema, você pode usar lubrificantes à base de água ou óleo de amêndoa.

 

Histerectomia e relação sexual

A remoção do útero não deve impedir de ter relações sexuais após a operação.
Na verdade, muitas mulheres relatam uma melhora na relação sexual após uma histerectomia.
Isso ocorre porque se elimina o distúbio por qual a mulher decidiu fazer a histerectomia (dor, sangramento intenso, etc).
No entanto, algumas mulheres notam que uma histerectomia afeta sua vida sexual.
Em particular, algumas mulheres sentem que as relações sexuais são diferentes depois de uma histerectomia ou até mesmo tem problemas para alcançá-la.
Uma histerectomia não diminui o desejo sexual (libido), a menos que você também remove os ovários.
Geralmente é possível retomar as relações sexuais cerca de seis semanas após a operação.

 

Quanto tempo é necessário para a cura?

Isso varia de pessoa para pessoa. Normalmente a recuperação é mais rápida se a incisão é feita através da vagina.
Por algumas semanas após a operação, você tem que permanecer em repouso.
A hospitalização (recuperação) leva cerca de 10 dias no caso de histerectomia abdominal e é menor do que para a histerectomia vaginal, cerca de 4 dias.
Provavelmente seu médico recomenda exercícios leves que aumentam progressivamente. Normalmente, a recuperação completa leva cerca de 6-8 semanas, mas algumas mulheres precisam de 3 meses.
Você não pode dirigir até que você não possa fazer uma freiada de emergência.
Normalmente leva cerca de seis semanas após a operação, mas é melhor falar com a seguradora.
O tempo de retorno ao trabalho depende do tipo de trabalho.

Dor lombar após histerectomia

Após qualquer cirurgia, especialmente aquelas abdominais, pode ocorrer uma forte dor na coluna.
Geralmente ocorre no primeiro mês após a operação e se você não fizer o tratamento adequado podem se tornar crônica.
A causa da dor pós-operatória é a cicatriz, embora a cirurgia é realizada em laparoscopia mais se forma uma cicatriz dentro do corpo.
A cirurgia pode ser bem-sucedida, em qualquer caso, a cicatriz é um tecido fibroso que se forma em uma área onde não deveria, então não é natural e o corpo nem sempre consegue se adaptar.
A cicatriz é de tecido fibroso como um remendo em uma roupa e cria estresse anormal aos músculos, nervos e tecido conjuntivo.
Para resolver esse problema, você deve executar:

  • A descolamento da cicatriz cirúrgica no primeiro mês após a cirurgia,
  • A manipulação da fáscia ao nível dos músculos lombares e abdominais para a liberação tecidual para aderências como conseqüência da intervenção.

 

Resultados a longo prazo após histerectomia

Após a histerectomia, não há mais necessidade de contracepção. Se os ovários foram retirados, se entra em menopausa, os primeiros sintomas começam alguns dias após a cirurgia.
É normal que com a menopausa o peso aumenta, os músculos abdominais começam a reduzir e temos a tendência de ganho de peso na barriga.
Precisa falar com seu médico sobre a terapia de reposição hormonal para prevenir os sintomas da menopausa, mas existem riscos e contra-indicações.
A histerectomia é eficaz para condições ginecológicas como miomas, endometriose e adenomiose, mas algumas doenças podem estar presentes, por exemplo, câncer em estágios avançados.
Você precisa fazer exames regulares para certificar-se de que você não tem câncer.
Seu médico pode recomendar o teste regular, neste caso as células analisadas se originam da vagina, em vez do colo do útero.

 

Precisa fazer o exame de Papanicolaou após histerectomia?

O teste de Papanicolau é usado para verificar o útero se:

  • A mulher teve câncer do colo do útero,
  • A histerectomia é parzial e não foi removido o colo do útero
  • A histerectomia foi feita para o câncer.

Leia também