Fármacos anti-histamínicos para alergia

Os anti-histamínicos são uma classe de fármacos utilizados principalmente no tratamento de reacções de hipersensibilidade, tais como:

ÍNDICE

 

Também podem ser usados para ajudar a reduzir a náusea e vômito, em adição ao tratamento de emergência de anafilaxia ou em caso de reação alérgica grave.

Os efeitos colaterais do uso dessas drogas são geralmente ligeiros.

 

Quais são os anti-histamínicos?

Os anti-histamínicos são uma classe de fármacos utilizados no tratamento de doenças alérgicas.

Eles incluem:

  • Fumarato Acido de Clemastina (Agasten)
  • Cloridrato de Tripelenamina e Maleato de Mepiramina (Alergitrat)
  • Cetotifeno (Asdron, Asmalergin, Asmax)
  • Maleato de Azatadina e Sulfato de Pseudoefedrina (Cedrin)
  • Fenilefrina e Bromofeniramina (Bialerge)
  • Cetirizina (Cetrizin)
  • Astemizol (Hisnot)
  • Loratadina micronizada (Claritin)
  • Sulfato de Pseudoefedrina (Claritin-d)
  • Loratadina (Clistin)

Podem ser tomados na forma de comprimidos, xaropes, sprays nasais e gotas oculares.
Os anti-histamínicos são comumente utilizados:

  • Para aliviar os sintomas da rinite alérgica que podem incluir:
    1. Rinite e conjuntivite (inflamação respectivamente, do nariz e conjuntiva dos olhos),
    2. Espirros,
    3. Coceira nos olhos, nariz, garganta,
    4. Rinorreia (corrimento nasal).
  • Para reduzir a gravidade da coceira associado a erupções da pele, tais como urticária.
  • Para evitar enjôo e outras causas de náuseas.
  • No cuidado dos doentes terminais, pelo efeito sedativo e antiemético.
  • No tratamento de emergência de reações alérgicas graves.

 

Como funcionam os anti-histamínicos?

A histamina é uma substância química naturalmente produzida por várias células do corpo. Algumas células chamadas de mastócitos produzem grandes quantidades de histamina, são encontradas principalmente em áreas mais expostas a possíveis lesões teciduais:

  • Nariz,
  • Boca,
  • Pés.

Se a pele é lesionada e o sistema imune detecta uma substância estranha, os mastócitos liberam histamina que se liga a receptores em outras células.
Isso provoca uma reação em cadeia que causa um aumento da permeabilidade dos vasos sanguíneos na área.
Desta forma, as células especializadas e os produtos químicos que servem para defender o organismo podem aceder aquela área.

Esta resposta provoca:

As reações alérgicas, tais como a rinite alérgica, são causadas pela hipersensibilidade ou uma reação excessiva do sistema imunitário a um alérgeno particular.
Um alérgeno é uma substância estranha ao organismo que pode causar uma reação alérgica.
Os alérgenos podem ser de vários tipos:

  • Alimentos,
  • Venenos de insectos,
  • Substâncias inaladas ou absorvidas,
  • Drogas.

Na maior parte das pessoas, a reacção imune a essas substâncias estranhas é normal enquanto em pessoas alérgicas a resposta é excessiva.
Por exemplo, em pessoas que sofrem de febre dos fenos, quando elas estão em contacto com o pólen ao nível do nariz, garganta e olhos têm uma liberação de histamina dos mastócitos muito mais elevada do que o normal, produzindo sintomas tais como:

  • Comichão,
  • Inchaço,
  • Corrimento nasal.

Os anti-histamínicos funcionam bloqueando os receptores de histamina.
Isso diminui a reação do organismo a substâncias estranhas (alérgenos) e, portanto, ajuda a reduzir os sintomas desagradáveis associados com a alergia.
Os anti-histamínicos também são utilizados no tratamento de náusea e vômitos.
A forma exata em que se aliviam estes sintomas não é totalmente compreendida.
Acredita-se que bloqueiam os receptores de histamina no cérebro (chamada de “centro do vômito”) que causa náusea em resposta a determinadas substâncias químicas no corpo.

Alguns anti-histamínicos são pouco específicos e caracterizados por uma baixa seletividade para os receptores de histamina.
No entanto, têm um ação anti-muscarinica significativa (isto é, bloquear o receptor de acetilcolina muscarínico, outro importante neurotransmissor) ao nível do sistema nervoso central, causando alguns efeitos secundários tais como:

Estes efeitos são principalmente causados pelos anti-histamínicos da primeira geração descritos abaixo.
Nota: os anti-histamínicos não devem ser confundidos com os bloqueadores de H2, que reduzem a produção de ácido no estômago.
Ambos os tipos de drogas bloqueiem a ação da histamina, trabalhando em diferentes receptores nos diferentes sistemas do corpo.

Fármacos anti-histamínicos para a alergia

 

Existem diferentes tipos de anti-histamínicos?

Geralmente, os anti-histamínicos foram classificados em dois grupos:

1) Histamínicos de primeira geração – que podem causar sonolência marcada:

  • Pela baixa seletividade para o receptor H1,
  • Pela capacidade de passar a barreira sangue-cérebro.

Estes incluem:

  • Fenergan® é indicado no tratamento sintomático de todos os distúrbios incluídos no grupo das reações anafiláticas e alérgicas
  • Zyrtec® é indicado para o tratamento de rinite alérgica, conjuntivite alérgica, urticária e outras afecções alérgicas
  • Difenidrin® é um anti-histamínico de primeira geração com atividade anticolinérgica, usado para melhorar as reações alérgicas
  • Flufenan®.

Estes fármacos podem ser utilizados para efeitos sedativos ou quando o sono é perturbado por coceiras.

2) Anti-histamínicos de segunda geração – que têm maior seletividade e causam menos sonolência.
No entanto, quem toma estes medicamentos deve estar ciente do efeito sedativo em particular em combinação com álcool.
Os anti-histamínicos de segunda geração incluem:

  • Cetirizina,
  • Desloratadina,
  • Loratadina,
  • Rupatadina,
  • Mizolastina.

 

Qual é o melhor anti-histamínico?

Todos os anti-histamínicos funcionam bem o suficiente para reduzir os sintomas da alergia.
O seu médico ou farmacêutico pode recomendar ou prescrever um anti-histamínico específico dependendo da causa exata da alergia.
No entanto, os anti-histamínicos de segunda geração tendem a ser mais usados porque causam menos sonolência.
Cetirizina e loratadina são frequentemente prescritos para a urticária.
A desloratadina pode ser mais útil na redução do sintoma de nariz entupido, um sintoma não controlado pelo uso de anti-histamínicos.
Um anti-histamínico sedativo pode ser particularmente útil para as crianças na hora de dormir se tiverem sintomas de alergia.

 

Como tomar os anti-histamínicos?

Alergia, pólen, primavera, remédios, anti-histamínicos

Michael-May-Fotolia.com

Estas drogas são vendidas sob diversas formas:

  • Comprimidos,
  • Xaropes,
  • Sprays,
  • Gotas para os olhos.

O seu médico ou farmacêutico pode aconselhar como os tomar.
Um comprimido de anti-histamínico geralmente começa a funcionar dentro de 30 minutos.
O pico de eficácia é tipicamente dentro de 1-2 horas.

Os anti-histamínicos são mais eficazes quando tomados diariamente, ao invés de conforme necessário.
Isto é especialmente verdade para as pessoas que sofrem de rinite alérgica. Durante a primavera, a concentração de pólen é geralmente maior e você pode entrar em contato frequentemente com o alérgeno.
Tomar medicação regular ajuda a manter os sintomas sob controle.
A eficácia também depende da dose tomada e da forma farmacêutica.

 


Por quanto tempo você precisa fazer o tratamento?

Isso pode variar, dependendo do tipo de alergia, por exemplo, se você sofre de rinite alérgica pode tomar a medicação por todo o período em que os pólens estão no ar.
Por vezes, a receita de anti-histamínicos pode ser de longo prazo, a terapia de base acompanha a vida diária do paciente alérgico, por vezes no lugar de cortisona.
Não existem perigos em tomar por muito tempo os anti-histamínicos, talvez uma interrupção brusca é mais arriscada.

Não é que sejam viciantes, mas o “detox” de anti-histamínicos deve ser feito gradualmente para evitar que a alergia se manifeste novamente e com maior intensidade.
Deve ser seguido pelo seu médico, é possível:

  • Reduzir as doses diárias,
  • Alternar um dia sim e outro não.

 

Quem não pode tomar anti-histamínicos?

A maioria das pessoas pode tomar anti-histamínicos com segurança.
Os anti-histamínicos não devem ser usados ou devem ser usados somente em estrita supervisão médica, em caso de:

 


Efeitos colaterais

A maioria das pessoas que tomam anti-histamínicos não têm efeitos secundários graves. Se ocorrerem, são geralmente leves.
Os mais comuns são:

 

Interações

Alguns medicamentos interagem com anti-histamínicos, como alguns antidepressivos e anti-fúngicos.
Portanto, se você está tomando outros medicamentos, antes de tomar um anti-histamínico é recomendável falar com seu médico.
Se estiver tomando um anti-histamínico deve evitar o álcool, pois isso pode agravar a sonolência.

Leia também