Luxação acromioclavicular

Vamos descobrir o que é a luxação da articulação acrômio-clavicular e como reconhecê-la e, no final, tentamos entender se a cirurgia é necessária.

ÍNDICE

A separação da clavícula do acromion também é chamada de luxação Acrômio-clavicular.
Entre os atletas que praticam esporte de contato, metade das lesões no ombro afetam essa articulação (Kaplan – 2005).
Geralmente, esta doença é causada por uma queda sobre o ombro, mas é muito diferente de uma luxação do ombro.
O trauma lesiona os ligamentos que rodeiam e estabilizam a articulação entre a clavícula e a escápula.

A fratura do ombro é uma lesão que ocorre na junção entre a clavícula e o ombro.
Em caso de separação mais graves, mesmo o ligamento coracoclavicular (entre a clavícula e o processo coracóide da escápula) é roto.

Classificação baseada na gravidade

Grau Tipo de lesão
I
  • Ligamentos alongados,
  • Junta normal.
II
  • Ruptura completa do ligamento AC *
  • Alongamento do ligamento CC **
  • Deslocamento da clavícula leve
    (menos que a profundidade da articulação)
III
  • Ruptura completa dos ligamentos AC e CC
  • Deslocamento da clavícula
    (maior que a profundidade da articulação)
IV
  • Como grau III
  • A clavícula recua em relação ao trapézio
V
  • Importante deslocamento da clavícula
  • Desprendimento do deltoide e trapézio
VI
  • A clavícula fica sob o processo coracoide

Fonte: Pubmed (Michele Boffano – 2017)
* AC = Acromioclavicular
** CC = Coracoclavicular

Luxação Acrômio-clavicular, deslocamento, separação, acrômio, clavícula, ombroCausas da luxação acromioclavicular

As causas mais frequentes são:

  • Lesões esportivas,
  • Acidentes de carro,
  • Caer de lado.

Sintomas da luxação acromioclavicular

  1. Dor no ombro
  2. Fraqueza do braço
  3. Ombro inchado
  4. Restrição de movimento
  5. Uma protuberância no ombro
  6. Assimetria da articulação AC em relação ao lado normal (Babhulkar – 2014)
  7. Dor com a pressão na articulação AC.

 

Complicações da luxação acromioclavicular

  1. Instabilidade crônica do ombro,
  2. Desenvolvimento de artrose.

Essas complicações ocorrem em 50% dos casos de luxação de grau I e II.

Diagnóstico da luxação acromioclavicular

Essas lesões são facilmente diagnosticadas por inspeção e palpação.
Também é importante avaliar os nervos e vasos sanguíneos, em particular o plexo braquial e a artéria subclávia localizados abaixo do centro da clavícula.
Também devemos excluir:

  • Lesão da articulação,
  • Lesões pulmonares, como pneumotórax (Ebraheim et al. – 1988).

Geralmente, o paciente chega ao hospital com o braço suportado pela outra mão.

Faça os testes da articulação acromioclavicular

Tente os testes físicos para ver se você pode ter a luxação acromioclavicular.
Neste caso, você deve ir ao médico para o diagnóstico e o tratamento.

Adução horizontal do braço

  • Sente-se,
  • Esticar o braço do lado dolorido,
  • Mova o cotovelo para o ombro oposto (saudável),
  • No caso de dor na articulação AC, o teste é positivo.

Scarf test

  1. Coloque a mão do braço afetado no ombro oposto.
  2. Coloque a mão do braço saudável sob o cotovelo,
  3. Empurre o cotovelo para cima.
  4. O teste é positivo se o paciente sente dor na articulação AC.

Pull test

  1. Levante os cotovelos até a altura do ombro
  2. Junte as mãos (com0 um gancho).
  3. Cada ombro puxa para fora,
  4. O teste é positivo em caso de dor na articulação AC.

Se todos os testes forem positivos, você quase certamente tem uma luxação.
Se apenas um ou dois são positivos, é possível ter uma luxação acromioclavicular.

Tratamento para luxação da articulação acrômio-clavicular

O tratamento não-cirúrgico é feito imobilizando o ombro com uma órtese, os blocos de gelo, e medicamentos podem ajudar a aliviar a dor.
A maioria dos pacientes recupera quase todas as funcionalidades do ombro após esta lesão, embora continue a ser uma deformidade significantiva.
Algumas pessoas sentem dor ainda  na articulação acrômio-clavicular, embora haja apenas uma leve deformidade.
O desconforto pode ser devido a:

  • Contato inadequado entre os ossos quando a articulação está em movimento
  • Artrite
  • As lesões do disco de cartilagem que está localizada entre as extremidades dos ossos da articulação (Iannotti – 1999).

 

Quando operar?

Muitas vezes é melhor esperar antes da cirurgia.
A cirurgia pode ser considerada se a dor persiste ou se a deformidade é grave.
O tratamento não cirúrgico é recomendado para lesões tipo I e II.
No entanto, de acordo com Mouhsine et al, 27% dos pacientes que realizam a terapia conservadora ainda apresentam sintomas após 26 meses.
Se os sintomas persistirem, o médico pode realizar:

  1. Injeções de cortisona,
  2. Uma cirurgia de ressecção (excisão) da parte externa da clavícula.

No caso de diástase de alto grau (IV, V e VI), o paciente sofre de dor persistente e perda da função da mão.
Então você precisa de uma cirurgia.

O ortopedista pode recomendar o corte final da clavícula para que ele não esfregue contra o acrômio.
Se não houver deformação significativa, é útil a reconstrução dos ligamentos que são inseridos na parte inferior da clavícula (Scheibel – 2011).
Este tipo de cirurgia funciona bem, mesmo que o tempo de recuperação duram alguns meses.
Independentemente se o tratamento è conservador ou cirúrgico, o ombro requer reabilitação para recuperar:

  • Movimento,
  • Força,
  • Flexibilidade.

Leia Também:

 

Bibliografia

  1. Kaplan LD, Flanigan DC, Norwig J, Jost P, Bradley J. Prevalence and variance of shoulder injuries in elite collegiate football players. Am J Sports Med. 2005 Aug; 33(8):1142-6.
  2. Larsen E, Bjerg-Nielsen A, Christensen P. Conservative or surgical treatment of acromioclavicular dislocation. A prospective, controlled, randomized study. J Bone Joint Surg Am. 1986 Apr; 68(4):552-5.
  3. Willimon SC, Gaskill TR, Millett PJ. Acromioclavicular joint injuries: anatomy, diagnosis, and treatment. Phys Sportsmed. 2011 Feb; 39(1):116-22.
  4. Scheibel M, Dröschel S, Gerhardt C, Kraus N. Arthroscopically assisted stabilization of acute high-grade acromioclavicular joint separations. Am J Sports Med. 2011 Jul; 39(7):1507-16.
  5. Iannotti JP, Williams GR. Disorders of the shoulder: Diagnosis and management. Philadelphia: Lippincott Williams & Wilkins; 1999.
  6. Ebraheim NA et Al. Scapulothoracic dissociation. J Bone Joint Surg Am. 1988 Mar; 70(3):428-32.
  7. Bontempo NA, Mazzocca AD. Biomechanics and treatment of acromioclavicular and sternoclavicular joint injuries. Br J Sports Med. 2010 Apr; 44(5):361-9.
  8. Mumford EB. Acromioclavicular dislocation: A new operative treatment. J Bone Joint Surg [Am] 1941;23-A:799-802.
  9. Bergfeld JA, Andrish JT, Clancy WG. Evaluation of the acromioclavicular joint following first- and second-degree sprains. Am J Sports Med. 1978 Jul-Aug; 6(4):153-9.
  10. Phillips AM, Smart C, Groom AF. Acromioclavicular dislocation. Conservative or surgical therapy. Clin Orthop Relat Res. 1998 Aug; (353):10-7.
  11. Ashish Babhulkar  Aditya Pawaskar. Acromioclavicular joint dislocations. Curr Rev Musculoskelet Med. 2014 Mar; 7(1): 33–39.
  12. Mouhsine E, Garofalo R, Crevoisier X, Farron A. Grade I and II acromioclavicular dislocations: results of conservative treatment. J Shoulder Elbow Surg. 2003 Nov-Dec; 12(6):599-602.

Deixe uma resposta