Hipertensão arterial: tratamento, diretrizes e remédios

A pressão arterial elevada ou hipertensão significa que a pressão do sangue nas artérias é alta.

INDICE


As artérias são os vasos sanguíneos que transportam sangue do coração para o resto do corpo.
Em caso de pressão arterial alta, o coração e os vasos sanguíneos têm uma sobrecarga de trabalho.
Ao longo do tempo, aumenta o risco de:

Quando se preocupar?

Tabela com os valores de pressão

Categoria Diastólica Sistólica
Normal < 80 < 120
Preipertensão 80/89 120/139
Hipertensão Grau I 90/99 140/159
Hipertensão Grau II > 100 > 160

Fonte: Pubmed

Diagnóstico de hipertensão arterial

É essencial confirmar a existência de hipertensão, uma única medida não é suficiente, mas é necessário repetir este teste pelo menos três vezes.
A medição deve ser realizada:

  • Com o paciente em posição supina durante pelo menos dez minutos,
  • Nas condições de maior tranquilidade possível.

O médico verifica o histórico clínico, sobretudo para as formas essenciais e genéticas.

A hipertensão secundária é mais provável:

  • Se o paciente é jovem, antes dos 30 anos de idade,
  • Em caso de valores muito elevados de pressão, diastólica> 120 mmHg;
  • Em caso de dano de órgão se a hipertensão aparecer recentemente;
  • Se o paciente também tem sintomas e sinais típicos da hipertensão de origem endócrina: hipocalemia, palpitações e transpiração profusa.

A medida do pulso (braquial e femoral) permite diagnosticar a coarctação aórtica: é necessário sempre realizar uma detecção nos membros superiores e inferiores.
O teste é positivo se houver diferença na pressão entre os membros:

  • Superiores (hipertensão),
  • Inferiores (pulsos femorais ausentes devido à falta de fluxo sanguíneo).

Hipertensão da origem renal: ausência de sintomas ou infecções recorrentes do trato urinário. Durante a auscultação (o médico escuta os barulhos provenientes do abdômen usando um estetoscópio) pode-se ouvir um sopro abdominal que pode ser causado pela estenose de uma artéria renal.

É essencial perguntar ao paciente quais medicamentos toma porque podem causar a hipertensão.

Em seguida, o médico prossegue com os exames de diagnóstico.

Exames instrumentais

São feitos para:

  • Excluir a hipertensão secundária,
  • Avaliar os danos nos órgãos.

Os exames de primeiro nível (rotina) são:

Eletrocardiograma (pode apresentar lesões típicas da hipertrofia do ventrículo esquerdo ou uma lesão causada por um infarto) e ecocardiograma;

Estudo da função renal:

Exame do fundo do olho
Este tipo de exame é fundamental para entender o estágio da doença.
No caso de um novo diagnóstico de hipertensão, sempre é indicado.
É a única parte do corpo onde:

  • É possível ver as arteriolas,
  • O grau de arteriosclerose pode ser entendido.

Com base na aparência das arteriolas, é possível distinguir diferentes graus de hipertensão, das formas leves (com fundo ocular normal) até formas graves com:

  1. Cruzamentos arteriolovenulares,
  2. Micro-infartos,
  3. Exsudado (líquido inflamatório),
  4. Hemorragias em “chama de vela”,
  5. Na forma mais grave de retinopatia hipertensiva, o edema da papila é visto.

Exames de segundo nível (se não houver dados suficientes para o diagnóstico):

  1. Cintilografia do coração e eco-stress (ecocardiograma de estresse);
  2. Tomografia computadorizada ou ressonância magnética cerebral;
  3. Eco-doppler do rim e dos troncos supraorticais (TSA), ou seja, os vasos sanguíneos que nutrem a cabeça.

 


Tratamento para hipertensão arterial

Hipertensã arterial,medição

© fotolia.com

Em primeiro lugar, é necessário atuar sobre os fatores de risco:

  • Pare de fumar;
  • Exercício moderado – os médicos recomendam 30/60 minutos por dia – 4 dias por semana, mas muitas vezes não é suficiente. Recomendamos caminhar uma hora por dia, 30 minutos na manhã e 30 minutos à noite.
  • Perda de peso;
  • Dieta rica em frutas e vegetais;
  • Reduza o sódio, menos de 6g de sal de cozimento por dia;
  • Evite o álcool;

 

Medicamentos para hipertensão arterial – diretrizes

O tratamento é adaptado às características pessoais e outras doenças de que o paciente sofre.

  1. Diuréticos: (geralmente a primeira escolha). Eles atuam sobre a excreção (secreção externa) de sódio. No início, reduzem o volume de sangue circulante e o débito cardíaco, em seguida, reduzem a sensibilidade das arteriolas aos estímulos vasoconstritores. O médico pode recomendar as tiazidas e a furosemida.
  2. Inibidores da angiotensina: ACE (Angiotensin Converting Enzyme);
  3. Os bloqueadores beta-adrenérgicos ou betabloqueadores exercem várias ações:
    • No coração, reduzem o débito cardíaco,
    • Nas terminações nervosas simpáticas, bloqueiam a liberação de noradrenalina que tem um efeito vasoconstritor,
    • No aparelho iuxtaglomerular (uma estrutura do rim), reduzem a produção de renina (enzima com efeito vasoconstritor),
    • São contra-indicados em pacientes com asma brônquica ou broncopneumopatia obstrutiva porque bloqueiam os receptores β-2 no músculo liso brônquico. Desta forma, evitam a dilatação brônquica, mas existem alguns tipos de drogas com efeito principalmente cardíaco, ou seja, com ação sobre os receptores β-1.
  4. Vasodilatadores: medicamentos bloquedores dos canais de cálcio (antagonistas do cálcio) neutralizam a vasoconstrição, mas também inibem a agregação plaquetária, atuando sobre a aterosclerose e a progressão da insuficiência renal crônica;
  5. Drogas ativas no sistema nervoso central: atuam reduzindo o tom do sistema simpático (α-metildopa) ou fortalecendo os barorreflexos (clonidina).

 

Remédios naturais para hipertensão arterial

Para a pressão arterial elevada, a cura natural mais eficaz consiste em:

  • Alimentação saudável,
  • Exercício físico diário.

Alimentos recomendados para a pressão alta

Ameixas: Uma xícara de ameixas secas contêm 316,6 mg de potássio e apenas 1,7 mg de sódio.

Melões: Os melões são ricos em potássio e magnésio, esses minerais ajudam a baixar a pressão arterial.
O carotenóides presentes no melão e melancias servem para a prevenção da aterosclerose (o endurecimento e estreitamento das paredes das artérias e veias).

Abacate: O abacate é rico em potássio e ajuda a manter o equilíbrio de sódio e potássio no corpo.
Geralmente, o alimento é rico em sódio, por isso é essencial para aumentar o consumo de potássio.
O abacate tem alto teor de gorduras monoinsaturadas que ajudam:

  • A diminuir o LDL ou “colesterol ruim”,
  • A aumentar o nível de HDL ou “colesterol bom” no organismo.
hipertensão

© fotolia.com

No entanto, o abacate tem muitas calorias, portanto é necessário come-lo em pequenas quantidades.

Frutas silvestre: As frutas silvestre, tais como amoras, morangos e framboesas são ricas em vitamina C, potássio, fibras e antioxidantes.
Os Mirtilos contêm um composto conhecido como pterostilbene que ajuda a prevenir o acúmulo de placa nas artérias.

Bananas: As bananas são ricas em potássio e contém pouco sódio.
Duas bananas por dia podem reduzir a pressão arterial elevada.
Uma banana média tem 1 mg de sódio e 385 mg de potássio, por isso é uma das frutas mais recomendadas contra a hipertensão arterial.


Damascos: Os damascos são ricos em potássio e fibras alimentares.

Aipo: Um vegetal que ajuda a diminuir a pressão arterial é aipo.
O aipo contém um fitoquímico que relaxa o tecido muscular nas paredes das artérias.
A conseqüência é um aumento do fluxo de sangue que ajuda a reduzir a pressão arterial.

Pimenta: contém a capsaicina, que é um vasodilatador.

Cenouras: As cenouras tem um alto teor de beta-caroteno e potássio que ajuda a manter a pressão normal do sangue e prevenir doenças cardíacas.
É melhor comer cenouras cruas para não perder as propriedades nutricionais.
Você pode beber um copo de suco de cenoura com algumas ervas, como hortelã ou salsa.

Espargos: Os espargos são ricos em vitaminas A, C, E e K, também contêm glutationa que é um antioxidante.
As propriedades anti-inflamatórias dos espargos ajudam a prevenir doenças cardíacas. Além disso, ele contém fibras e vitaminas do complexo B que reduzem o risco de hipertensão arterial.

Ervilhas: As ervilhas são alimentos ricos em fibra dietética e têm menos calorias.
As proteínas da ervilha ajudam a reduzir a pressão arterial. Além disso, o ácido fólico e vitamina B6 promovem a saúde do coração.

Grão de bico: O ferro do grão de bico aumenta os níveis de hemoglobina no corpo e melhora o fluxo de sangue para o coração.

Feno-grego: As folhas do feno-grego são uma rica fonte de fibras e potássio.
Ambos estes nutrientes ajudam a baixar os níveis de mau colesterol no sangue.

Vegetais crucíferos: estes vegetais contêm ácido glutâmico:

  • Brócolis,
  • Couve-flor,
  • Repolho,
  • Couve,
  • Couve de Bruxelas.

Este aminoácido ajuda a reduzir a pressão arterial e o risco de AVC.

Folhas verdes: As verduras com folhas verdes como espinafre, alface, couve, couve chinês, etc. são ricos em fibras, vitaminas e minerais, mas tem menos calorias.
Estes vegetais contêm vários fitoquímicos e antioxidantes que bloqueiam o acúmulo de placas nos vasos sanguíneos.

Ovo: um estudo da Universidade de Clemson e Jilin University mostra que a albumina de ovo pode baixar a pressão arterial.


Alimentos a evitar

Alguns alimentos e bebidas aumentam a pressão, especialmente o sal.
Os alimentos processados encontrados no supermercado contêm sódio, mesmo os doces, você deve verificar os ingredientes de todos os produtos que compra.
As bebidas estimulantes e excitantes devem ser evitadas, por exemplo:

  1. Chá,
  2. Guaraná,
  3. Café,
  4. Chocolate.

 

Atividade física

De acordo com um estudo científico (Efeitos de um estudo de caminhada de 6 meses sobre pressão arterial e aptidão cardiorrespiratória nos EUA e adultos suecos: Estudo da etapa de ASUKI). Soroush A, Der Ananian C, Ainsworth BE, Belyea M, Poortvliet E, Swan PD, Walker J , Yngve A – Asian J Sports Med. 2013 Jun; 4 (2): 114-24), fazendo caminhadas todos os dias por 10.000 passos, a pressão diminui significativamente.

 

Quando intervir para hipertensão arterial?

Para o tratamento de hipertensão resistente ao tratamento pode ser realizada a cirúrgia da artéria renal.
Na hipertensão ocorre á hiperexcitação do sistema nervoso simpático.
A desnervação é uma intervenção que é usada para bloquear as conexões entre o nervo e a artéria renal para reduzir a excitação do sistema nervoso simpático.

  • O cirurgião acessa em forma percutânea (com um furo pequeno) através da artéria femoral portanto não faz uma incisão abdominal.
  • A partir daqui insere um cateter e a ablação (remoção) do nervo por rádio freqüência.

Os resultados podem ser vistos depois de alguns meses, até 2 anos.
A hospitalização é de poucos dias, dentro de uma semana é possivel retomar as atividades cotidianas.

Leia também