Síndrome da banda iliotibial

Partimos das causas da síndrome da banda iliotibial para encontrar o tratamento mais adequado e os exercícios mais eficazes e simples.

INDICE

 

A banda iliotibial é uma faixa de tecido fibroso (conectivo) localizada ao longo de toda a parte externa da coxa.

Existem várias teorias sobre o desenvolvimento deste distúrbio, alguns autores dizem que é a consequência do atrito entre a banda e o joelho.
Quando o joelho se dobra, esta banda se move para trás do epicôndilo (uma proeminência do fêmur), enquanto que quando o joelho se estende, a banda vai na frente do epicôndilo.

De acordo com outros autores, a síndrome é causada pela compressão da banda contra uma camada de gordura com muitos vasos sangüíneos e nervos.
A presença de muitos vasos sangüíneos pode explicar o inchaço localizado, que é frequentemente observado em pacientes diagnosticados com a síndrome da banda iliotibial.
Este tecido está localizado entre a fáscia e o epicôndilo.

 

Causas da síndrome da banda iliotibial

Nos cadáveres examinados, foi visto que a largura da banda iliotibial era maior em pessoas que sofriam da síndrome de atrito da banda iliotibial.
Essa variação pode afetar a suscetibilidade individual a essa síndrome.

 

Fatores de Risco da síndrome da banda iliotibial

Os fatores que aumentam a probabilidade de tendinites são:

  • Um desequilíbrio muscular, como a fraqueza do músculo glúteo médio ou dos flexores do joelho (posteriores) em relação ao quadríceps.
  • O esporte praticado,
  • Muitos quilômetros de corrida (Fredericson – 2005),
  • As anormalidades de alinhamento da perna, por exemplo, hiperextensão ou rotação interna do joelho.
  • Pronação do pé, embora nem todos os autores concordem.

No meu ambulatório, eu vejo muitos ciclistas e corredores com essa inflamação.

A corrida na descida  promove a síndrome de atrito da banda iliotibial porque o ângulo de flexão do joelho durante o apoio do pé é reduzido.
Isso causa:

  • Maior fricção,
  • Um aumento na pressão da fascia fibrosa contra os tecidos moles do joelho.

Embora para muitos seja perigoso, na realidade, tiros e a corrida rápida em terreno plano são menos propensos a causar ou agravar a síndrome de atrito da banda iliotibial.
Isso acontece porque quando o pé repousa no chão, o ângulo de flexão do joelho é maior e o atrito não se desenvolve (Orchard – 1996).

Estudos mostraram que a fraqueza ou inibição dos músculos glúteo médio e pequeno é um fator de risco da síndrome.
Quando esses músculos não se ativam adequadamente durante a fase de apoio do pé na corrida, a estabilização da pelve é reduzida.
Além disso, o controle do movimento de abdução (para fora) do fêmur não é bem controlado.

Portanto, outros músculos têm que compensar essa fraqueza, a conseqüência é uma tensão excessiva de outros tecidos da coxa e o encurtamento das faixas conectivas.

Fredericson et al. analisaram um grupo de 24 corredores com a síndrome iliotibial e descobriram que a força dos abdutores (músculos externos) era menor no lado afetado.
Seria lógico associar a fraqueza dos músculos externos do quadril a esse distúrbio, pois os abdutores fracos podem causar maior adução do quadril (movimento para dentro do joelho) durante a marcha.
As conseqüências são:

  • O aumento da tensão da banda iliotibial,
  • Maior pressão nos tecidos subjacentes.

Também os estúdios de MacMahon e Noehren confirmaram esta versão (Lavine – 2010).

Sintomas da síndrome da banda iliotibial

Os sintomas incluem :

 

Diagnóstico da síndrome da banda iliotibial

O médico realiza um exame físico para conhecer a localização da dor.
O médico pode pedir uma radiografia e uma ressonância magnética.

A ressonância magnética mostra uma banda iliotibial mais espessa no joelho afetado do que o outro.
Além disso, o fluido frequentemente se acumula entre a fáscia fibrosa e o joelho (Ekman – 1994).

O teste físico específico para esse transtorno é o teste de Ober.

  • O paciente deve estar deitado no lado saudável,
  • O examinador está em pé atrás do paciente e estabiliza a pélvis com uma mão,
  • Com a outra mão ele deve dobrar o joelho e mover a coxa posteriormente,
  • Então ele a deixa cair.
  • A posição final é com a coxa em extensão (costas) e adução máxima (para dentro).

O teste é positivo se a perna não cair.

No entanto, em um estudo realizado por Devan et al, um teste Ober positivo não corresponde a essa síndrome em atletas universitários do sexo feminino.

Tratamento para síndrome da banda iliotibial

O tratamento convencional consiste em:

  • Evitar o movimento que causou a inflamação do tendão para permitir que o corpo se cure.
  • Gelo após a atividade,
  • Órtese para problemas de alinhamento dos pés, são muito eficazes em pacientes com pronação do pé (Dodelin et al – 2018)
  • Fortalecimento muscular do quadril
  • Terapia manual para reduzir o tônus (contração) de alguns músculos, por exemplo, o psoas, o gastrocnêmio e o piriforme, além de desbloquear a articulação do joelho (Shamus – 2015).
  • Anti-inflamatórios (como o ibuprofeno), mesmo que o efeito seja temporário.
  • Algumas terapias instrumentais podem ser úteis para o tratamento da tendinite da banda iliotibial, em particular o tratamento com laser. No caso de tendinite com calcificação, as ondas de choque podem ser úteis.

 

4 exercícios simples e eficazes para a síndrome da bandelletta iliotibial

De acordo com Fairclough (2007), a síndrome da banda iliotibial está relacionada à fraqueza dos músculos do quadril.
Vamos ver alguns exercícios de fortalecimento e alongamento dinâmico.
Sim, eu evitaria o alongamento estático porque não há bases científicas que o suportem.

Alongamento da bandagem ileotibial sentado

  • Sente-se em um colchonete para ginastica,
  • Cruze as pernas, o joelho saudável deve ficar abaixo,
  • Gire os ombros e coloque o cotovelo ao lado do joelho afetado
  • Empurre posteriormente com o cotovelo para alongar a fáscia iliotibial.

Alongamento banda iliotibial

 

Alongamento da bandagem iliotibial em posição deitada

  • Deite-se em um colchonete para ginastica,
  • Coloque o tornozelo da perna afetada sobre o outro joelho
  • Cruze os dedos das mãos atrás da outra coxa,
  • Puxe a coxa para o peito.

alongamento banda iliotibial, piriforme

 

Reforço dos músculos das nádegas

  • Posição inicial: de pé com as pernas esticadas e um elástico esticado sob os joelhos,
  • Faça um agachamento sem deixar cair o elástico
  • Volte para a posição inicial.

reforço-nádegas

 

Reforço do glúteo meio e máximo

Este exercício pode ser feito com a fitball ou simplesmente no colchonete.

  • Deite de bruços,
  • Dobre os joelhos,
  • Descanse os pés na bola ou no colchonete,
  • Levante a pelve,
  • Quando o corpo estiver estável, levante a perna “saudável” com o joelho estendido,
  • Volte para a posição inicial.

exercícios reforço glúteo, equilíbrio

 

Cirurgia para síndrome da banda iliotibial

Nos casos que não respondem ao tratamento, a cirurgia pode ser necessária.

Quando operar?
Martens et al. Eles recomendam esperar 9 meses fazendo tratamentos não cirúrgicos antes de considerar a cirurgia.

A operação cirúrgica típica é aberta.
Consiste na remoção de uma pequena parte da banda iliotibial posterior, localizada acima do epicôndilo femoral lateral.

Resultados da intervenção
Em 84,4% dos casos, os resultados da intervenção são bons ou excelentes (Drogset – 1999).

Leia também

 

References:

  1. Fairclough J1, Hayashi K, Toumi H, Lyons K, Bydder G, Phillips N, Best TM, Benjamin M. Is iliotibial band syndrome really a friction syndrome? J Sci Med Sport. 2007 Apr;10(2):74-6.
  2. Ekman EF1, Pope T, Martin DF, Curl WW. Magnetic resonance imaging of iliotibial band syndrome. Am J Sports Med. 1994 Nov-Dec;22(6):851-4.
  3. Orchard JW1, Fricker PA, Abud AT, Mason BR. Biomechanics of iliotibial band friction syndrome in runners. Am J Sports Med. 1996 May-Jun;24(3):375-9.
  4. John Fairclough, Koji Hayashi, Hechmi Toumi, Kathleen Lyons,Graeme Bydder, Nicola Phillips, Thomas M Best, and Mike Benjamin. The functional anatomy of the iliotibial band during flexion and extension of the knee: implications for understanding iliotibial band syndrome. J Anat. 2006 Mar; 208(3): 309–316.
  5. Surgical treatment of iliotibial band friction syndrome. A retrospective study of 45 patients. Drogset JO, Rossvoll I, Grøntvedt T. Scand J Med Sci Sports. 1999 Oct; 9(5):296-8.
  6. Fredericson M1, Wolf C. Iliotibial band syndrome in runners: innovations in treatment. Sports Med. 2005;35(5):451-9.
  7. Fredericson M, Cookingham CL, Chaudhari AM, Dowdell BC, Oestreicher N, Sahrmann SA. Hip abductor weakness in distance runners with iliotibial band syndrome. Clin J Sport Med. 2000 Jul; 10(3):169-75.
  8. Surgical treatment of the iliotibial band friction syndrome. Martens M, Libbrecht P, Burssens A. Am J Sports Med. 1989 Sep-Oct; 17(5):651-4.
  9. Drogset JO, Rossvoll I, Grøntvedt T. Surgical treatment of iliotibial band friction syndrome. A retrospective study of 45 patients. Scand J Med Sci Sports. 1999 Oct; 9(5):296-8.
  10. Ronald Lavine. Iliotibial band friction syndrome. Curr Rev Musculoskelet Med. 2010 Oct; 3(1-4): 18–22.
  11. Jennifer Shamus, DPT, PhD and Eric Shamus, DPT, PhD. THE MANAGEMENT OF ILIOTIBIAL BAND SYNDROME WITH A MULTIFACETED APPROACH: A DOUBLE CASE REPORT. Int J Sports Phys Ther. 2015 Jun; 10(3): 378–390.
  12. Reduction of Foot Overpronation to Improve Iliotibial Band Syndrome in Runners: A Case Series. Dodelin et al., Clin Res Foot Ankle 2018, 6:2

Deixe uma resposta