Tontura – diagnóstico, drogas e rimedios naturais

O tratamento para tontura depende do diagnóstico e por isso é importante entender a origem desse sintoma para escolher o tratamento mais adequado.

ÍNDICE

 


Diagnóstico de vertigem ou tontura

O médico especialista mais indicado para tratar a tontura é o otorrinolaringologista ou o neurologista, que pode fazer o diagnóstico com base:

  • No histórico médico,
  • No exame físico,
  • Nos testes vestibulares e auditivos,
  • Na ressonância magnética do cérebro,
  • Na ultrassonografia com doppler colorido das artérias carótidas (no pescoço).

É necessário excluir as doenças cardiovasculares (que são predominantes no paciente diabético).

veias e artérias,cervicais

Testes físicos para avaliar a funcionalidade do vestíbulo

Teste de Romberg
Em pé, com os pés juntos, braços ao lado do corpo e os olhos fechados.

O teste de Romberg positivo pode significar:

  1. Dano vestibular: com um leve atraso, o paciente inclina-se e depois cai para o lado do vestíbulo que não funciona corretamente.
  2. Ataxia sensorial: com os olhos fechados o paciente oscila em todas as direções e pode cair para a frente, para trás ou para os lados.
  3. O paciente não consegue ficar em pé com a base de apoio pequena; diz-se que o indivíduo não consegue manter a posição de Romberg e a causa é um problema no cerebelo.

Se o paciente for estável, é necessário fazer o teste de Unterberger.

 

Teste do indicador
Posição do paciente: sentado com os olhos fechados, os braços estendidos para a frente e os dedos que apontam para o médico, em frente.
Se houver um problema no labirinto, os indicadores movem-se nas direções horizontal ou vertical.

Teste de Unterberger, tontura
Teste de Unterberger

Teste de Unterberger
Pés juntos e braços esticados para a frente com os olhos fechados.
O teste consiste em andar, elevando os joelhos aproximadamente 45°, porém sem se deslocar.
As pessoas saudáveis permanecem na mesma posição, enquanto aquelas que têm um distúrbio avançam mais de 1 metro ou fazem uma rotação de pelo menos 30° para o lado doente.

Teste de Dix-Hallpike
Neste teste, uma pessoa se move da posição sentada para deitada de barriga para cima, com a cabeça rodada de 45 graus para um lado (por exemplo, para a esquerda) e estendida cerca de 20 graus para trás.
Nesta posição é possível observar os olhos do paciente: o teste é positivo se o paciente tiver nistagmo (vibração do olho) e tontura.
Caso contrário, o teste é repetido para o lado direito.

Útil é o estudo do nistagmo que pode ser observado:

  • A olho nu,
  • Com os óculos de Frenzel, ou seja, uma máscara com lentes que causam miopia para +20 dioptrias.
    Desta forma, o paciente não pode fixar; caso contrário, o risco é não notar um nistagmo periférico.
    O paciente vê apenas alguns contornos borrados.

Um método mais moderno para investigar o nistagmo é uma máscara com duas câmeras infravermelhas que reproduzem a imagem ampliada dos olhos em um vídeo.

Para o diagnóstico diferencial entre nistagmo central e periférico, é necessário compreender a direção.

Se o paciente estiver sentado ou em pé e olhar para a frente, o neurologista deve ser consultado se o nistagmo bater:

  • Para cima,
  • Para baixo.

Geralmente, o nistagmo que se origina no labirinto bate para o lado oposto à orelha comprometida, dependendo do canal envolvido. Se a patologia afetar o canal semicircular:

  • Posterior ou lateral, o nistagmo é horizontal ou horizontal e rotatório,
  • Anterior, o nistagmo é vertical (ocorrência muito rara).

Somente na doença de Ménière o nistagmo bate para o lado afetado, mas isso é uma exceção.
Na posição ereta, não se consegue ver o nistagmo posicional e por isso é necessário fazer manobras específicas para identificá-lo.
Com alguns movimentos, os otólitos vão para os cílios dos canais semicirculares e provocam o nistagmo.

A vertigem raramente está presente como único sintoma; por isso, para o diagnóstico os outros problemas de saúde também devem ser avaliados.

É necessário avaliar:

  • A função dos nervos cranianos,
  • Possíveis problemas de movimento,
  • Disdiadococinesia,
  • Outros sintomas neurológicos.

Dependendo da desordem, os tempos de cura são muito diferentes.
Um problema periférico do labirinto melhora em tempos variáveis, mas muitas vezes o corpo é capaz de compensar o mau funcionamento do aparelho vestibular, de modo que a melhora é suficientemente rápida (exceto no caso de síndrome de Ménière).

Há terminações nervosas que:

  • Podem substituir o labirinto,
  • Permitem que o corpo mantenha o equilíbrio.

No caso de danos a um nervo com redução dos sinais para o núcleo vestibular no cérebro, o cerebelo pode inibir os sinais provenientes desse nervo para manter o sistema em equilíbrio.

Na ausência de sinais do labirinto, o reflexo cervico-oculomotor consegue substituir a função do labirinto afetado.
No entanto, em alguns casos, por exemplo no caso de problemas músculo-esqueléticos do pescoço, pode não funcionar adequadamente.

Outro sistema que pode interferir no reflexo cervical está no sistema mastigatório:

  • Articulação temporomandibular,
  • Arcada dentária,
  • Alvéolos dentários,
  • Gengivas.

Aqui há muitos receptores nervosos que podem fornecer muitas informações proprioceptivas (sobre a posição do corpo no espaço) ao cérebro.
Muitas pessoas com um transtorno do labirinto não conseguem recuperar o equilíbrio devido a um sistema mastigatório que não funciona corretamente, como no caso do bruxismo.

Existe uma correlação importante porque o sinal que se origina no sistema mastigatório viaja através da raiz ascendente do nervo trigêmeo e chega ao núcleo vestibular de Deiters (de onde parte o feixe vestíbulo-espinhal).



Pode haver interferências entre o sistema vestibular e a mente.
Em muitos estudos científicos, há a hipótese de que o labirinto afetado não seja substituído por outras terminações nervosas ou reflexos porque o sistema nervoso está em um estado de hiperexcitação.
A causa é a ligação indireta entre a amígdala (parte do cérebro que gerencia as emoções) e os núcleos vestibulares:

  • Medial,
  • Lateral.

Esta conexão passa através do tronco cerebral e do núcleo parabraquial.
Portanto, em pacientes ansiosos, a compensação pode ser dificultada.

 

Esquema do diagnóstico

A primeira coisa a fazer é identificar a área da lesão.
Depois, é necessário entender se existem fatores extravestibulares que podem influenciar a compensação.
Finalmente, é necessária uma avaliação geral do paciente, em colaboração com outros especialistas:

  1. Dentista,
  2. Ortopedista,
  3. Fisiatra,
  4. Psiquiatra.

Medicamentos para tontura

Em caso de tontura muito forte, existem medicamentos que podem reduzir o sintoma rapidamente:

  • Os anti-histamínicos como a prometazina (Fenergan), mesmo que seja causada pela síndrome de Ménière.
  • Como alternativa, o médico pode administrar 500 cc de solução fisiológica com a adição de levosulpiride.

Na fase pós-aguda, quando os sintomas forem menos intensos, mas não tiverem passado completamente, o médico pode prescrever medicamentos colinérgicos para favorecer os mecanismos de compensação do sistema vestibular.

Os fármacos histaminérgicos, como a beta-histina (Labirin), são indicados apenas para a síndrome de Ménière.

Medicamentos com efeito antiemético

Fármaco Indicação
Ciclizina Doença de movimento ou cinetose, tem um bom efeito e causa menos sonolência que os anti-histamínicos genéricos.
Cinarizina Doença de movimento, distúrbios vestibulares (por exemplo, doença de Ménière)
Prometazina (Fenergan) Enjoo matinal grave na gravidez. Hoje é menos prescrito porque causa muita sonolência.

 

Dieta e alimentação para tontura

A vertigem também pode ser causada por uma má alimentação.
De acordo com a teoria da dieta do tipo sanguíneo, a tontura pode ser causada por alimentos que não são compatíveis com o sistema imunológico.
Dependendo do tipo de sangue de uma pessoa, alguns alimentos podem ser tolerados, enquanto outros podem causar sintomas e doenças.
No entanto, todos podem ter vertigem se comerem:

  • Cereais com glúten,
  • Leite e produtos lácteos.

As dietas naturais podem reduzir os sintomas porque:

De acordo com o higienismo, a saúde do corpo depende da dieta e do estilo de vida.
Uma dieta incorreta causa o acúmulo de toxinas no sangue e a consequência é o desenvolvimento de sintomas e doenças.
A medicina natural considera a pessoa na sua globalidade, de modo que um distúrbio em um órgão não pode ser considerado isoladamente.
A dieta recomendada pelos higienistas é a vegana com a maioria dos alimentos crus e é necessário evitar:

  1. Leite e produtos lácteos,
  2. Carne,
  3. Peixe,
  4. Ovos,
  5. Doces e produtos transformados,
  6. Bebidas açucaradas, gasosas ou estimulantes.

Remédios naturais para tontura

Para a vertigem posicional paroxística benigna há várias manobras liberatórias eficazes. Nos outros casos, os remédios indicados a seguir podem reduzir os sintomas.

 

Groselha indiana (Amla)

A groselha indiana é um remédio ayurvédico popular para a tontura.
Este remédio é uma fonte rica em vitaminas A e C que:

  • Fortalecem o sistema imunológico,
  • Melhoram a circulação sanguínea,
  • Ajudam a tratar e prevenir a tontura.

Modo de preparo:

  1. Moa 2 frutos de groselha indiana (sem sementes),
  2. Misture com 2 colheres de chá de sementes de coentro e um copo de água,
  3. Deixe descansar por uma noite,
  4. Na manhã seguinte, filtre e beba a água,
  5. Repita diariamente por alguns dias.

 

Respiração profunda

A respiração profunda é uma das melhores maneiras de combater a tontura.
De acordo com Top10remedies.com, permite trazer oxigênio suficiente para o cérebro e, portanto:

  • Relaxa o sistema nervoso,
  • Reduz a vertigem.

Como fazer a respiração profunda?

  1. Sente-se ou deite-se numa posição confortável.
  2. Coloque uma mão no abdômen.
  3. Coloque o polegar da outra mão contra uma narina e feche a boca.
  4. Inale lentamente através da narina aberta, até os pulmões ficarem cheios de ar.
  5. Prenda a respiração, feche ambas as narinas e aperte os lábios.
  6. Após 2 ou 3 segundos, expire lentamente e tente extrair o ar do estômago.
  7. Repita essas etapas 10 vezes.
  8. Em seguida, sente-se tranquilamente por 5 minutos e respire normalmente para evitar tontura novamente.

 

Ginkgo biloba

A ginkgo biloba é um outro tratamento caseiro eficaz para a tontura.
Ajuda a melhorar o fluxo de sangue para o cérebro para parar ou prevenir a tontura.
Além disso, esta erva ajuda a tratar o zumbido que pode ocorrer junto com a vertigem.
Esta erva está disponível sob a forma de:

  • Comprimidos,
  • Extrato líquido,
  • Folha seca.

A dosagem padrão é de 120-150 mg de extrato de ginkgo biloba, em 3 doses por dia durante alguns meses.
Nota: a ginkgo biloba pode interagir com alguns medicamentos.
Consulte um médico antes de tomar este suplemento.

 

Gengibre

O gengibre é um remédio testado ao longo do tempo para tontura e enjoo.
Estimula o fluxo de sangue para o cérebro e outras partes do corpo, ajudando assim a reduzir a intensidade da vertigem.

  1. Mastigue uma pequena fatia de raiz de gengibre fresca ou chupe uma bala de gengibre para fazer a tontura passar.
  2. Beber uma infusão de gengibre algumas vezes ao dia ajuda a evitar tonturas.

Dicas para evitar a tontura

  • Sente-se ou deite-se imediatamente se sentir tontura.
  • Em caso de perda de equilíbrio e tontura, deite-se e concentre-se nos objetos imóveis ao seu redor. Isso distrai a mente da vertigem.
  • Insira uma série de exercícios físicos na vida diária para melhorar a circulação sanguínea em todo o corpo e evitar a tontura.
  • Evite levantar da cama rapidamente.
  • Evite o consumo de cafeína, álcool e tabaco, pois essas substâncias podem piorar as doenças que causam tontura.