Fratura da pelve


O que é uma fratura da pelve?

A fratura da pelve é um acidente particularmente grave porque pode causar a morte do indivíduo, na maioria dos casos, o trauma causa lesões em outras estruturas corporais, especialmente o sistema nervoso e os órgãos internos.

ÍNDICE

Geralmente as fraturas da bacia ocorrem como resultado de acidentes de trânsito, em menor medida para quedas em altura ou por esmagamento.

Modelo anatômico, pelve, osso ilíaco, medicina, ísquio, público, acetábulo, quadril, sacro, articulação sacroilíaca, músculos, nervos, suturas, movimentos, raízes nervosas, sínfise , cóccix.

Pélvis visto de frente – © Massimo Defilippo

Cerca de 3% das fraturas corporais são localizadas ao nível da bacia, a incidência aumenta para 25% em pacientes com politraumatismo.

Esta lesão afeta particularmente os jovens e adultos com menos de 50 anos, raramente afeta os idosos, é importante entender quais as consequências de tipo social e econômico que envolve.
A mortalidade após uma fratura pélvica é bastante alta e aqueles que sobrevivem podem recuperar apenas parcialmente, em 20-30% dos casos permanece uma deficiência residual.
As consequências que podem resultar em uma lesão da bacia podem ser: dor, incontinência urinária, problemas sexuais como impotência ou déficits neurológicos (parestesia, formigamento, perda de reflexos, etc.).

O adequado cuidado com o paciente que sofre esta lesão exige trabalho em equipe e colaboração entre cirurgião, radiologista, ortopedista, urologista, neurocirurgião e internista porque geralmente o trauma afeta mais partes do corpo.
A morte após uma lesão pélvica pode ocorrer devido a:

Hemorragia (perda de sangue);
• Lesões do sistema nervoso central;
• Sepse (infecção sistêmica).

A fratura pélvica afeta mais os homens do que as mulheres, porque eles são mais facilmente afetados pelo trauma.

 

O que é a pelve?

Avaliação do nível do quadril , a crista ilíaca, grande trocânter, espinha ilíaca, fratura, lesão óssea, deslizamento, rotação, dor, mágoa, sintomas, causas, limitação funcional, inflamação, in pé, pós-fratura, pós-operatório, reabilitação fisioterapia .

Avaliação do quadril em pé – © Massimo Defilippo

A pelve é uma estrutura anatômica composta por três ossos: ílio, ísquio e púbis, que estão conectados.
O osso ílio é aquele localizado mais acima, a crista ilíaca se pode palpar a cerca de 10 cm abaixo das costelas.

O ísquio é o mais inferior, pressionando sobre a nádega o único tecido ósseo duro que se sente é a tuberosidade isquiática enquanto o púbis é anterior e pode ser palpado entre as pernas na frente dos órgãos sexuais.
A bacia tem uma posição crucial porque conecta o fêmur à coluna vertebral, especificamente se articula com o osso sacro.
A forma desses ossos recorda uma copa com a abertura para o abdômen, visto de cima é como um oval.
No corpo humano é usado para conter os órgãos sexuais, gastrointestinais e do trato urinário, bem como vasculares e estruturas nervosas de fundamental importância.

Os três ossos se encontram na parte inferior formando uma cavidade chamada acetábulo onde se encaixa a cabeça do fêmur, todos juntos formam a articulação do quadril.
Posteriormente, os dois ossos pélvicos são ligados através do osso sacro formando a articulação sacro ilíaca, enquanto anteriormente se articulam através da sínfise púbica.
A estabilidade do osso é permitida porque as articulações são pouco móveis e perfeitamente alinhadas, além de existirem fortes ligamentos conectando com o sacro (ligamento sacrotuberoso) e as vértebras lombares (ligamentos íleo-lombares).

 


 

Como ocorre a fratura da bacia?

O mecanismo de lesão mais frequente é o acidente de carro – o condutor e o passageiro no banco da frente podem sofrer uma luxação da articulação do quadril e fratura do acetábulo.
Uma colisão traseira muito violenta, uma colisão frontal ou a parada do carro muito rápida podem causar um golpe muito forte contra o painel do veículo.
O choque no joelho provoca um impulso violento e indireto da epífise femoral contra o acetábulo que pode causar a fratura acetabular e a luxação do quadril.
Para causar danos semelhantes é necessário que o incidente seja muito grave porque a cabeça do fêmur está bem inserida no acetábulo e porque a cápsula articular que une os dois ossos é muito espessa e resistente.
Para causar uma lesão, a articulação do quadril deve estar em flexão. Se o quadril estiver em adução, a força do impacto provoca só uma fratura posterior do acetábulo, se o quadril estiver em abdução o choque pode causar uma luxação.
Se o acidente empurrar a cabeça do fêmur contra o fundo do acetábulo com uma força que o quebra, pode causar danos internos. Em casos menos graves a fratura é sem desvio (parcial), ou seja não existe um deslocamento dos fragmentos entre eles.
A luxação do quadril pode ocorrer algum tempo depois do trauma que causou a fratura do osso da pélvis por falta de apoio ósseo.

 

Classificação das fraturas da pelve

fratura,pelve

© alamy.com

Os ossos pélvicos são muito grandes portanto existem tantas possíveis diferentes fraturas,
algumas menos graves e estáveis, outras perigosas porque são instáveis.


Os ossos da pelve formam um anel externo no quadril, se a fratura não interrompe a continuidade deste anel, não altera a estabilidade a nível pélvico, entre estas estão as lesões da crista ilíaca, ramos púbicos, espinha ilíaca antero-superior e inferior.

Segundo o autor “Tile”, as fraturas instáveis no plano horizontal provocam uma elevação do osso púbico de um lado em relação ao outro lado.
O deslocamento é vertical ou antero-posterior e os ligamentos sacro-ilíaco e sacro espinhal se esticam ou se rasgam.

As lesões mais graves são instáveis no plano sagital e horizontal, um lado da pelve é empurrado mais para cima do que o outro.

Essas lesões podem ser acompanhadas por uma fratura por avulsão do processo transverso da vértebra lombar L5, a lesão do ligamentos ílio-lombares ou a lesão do sacro e da articulação sacro-ilíaca.sacro,ilíaca,pelve
As lesões mais perigosas são frequentemente associadas com lesões neurológicas do plexo sacral que pode envolver as raízes nervosas da L4 a S3, em particular:
• Aquelas que interrompem a continuidade do acetábulo horizontalmente
• Uma fratura do quadril unilateral

Os nervos que se originam desses níveis são o ciático, o pudendo, o nervo cutâneo posterior da coxa etc., que inervam as pernas, os genitais, os esfíncteres, etc.

 

Sintomas e sinais de fratura da pelve

Fratura da pelve

© Massimo Defilippo

Os sintomas incluem: dor na área lesada e inchaço pelo trauma sofrido.
O inchaço é associado ao hematoma que quando se situa em profundidade, pode não ser visível.

Imediatamente após a queda ou acidente, a quente, o paciente pode mover, caminhar ou andar de bicicleta nos primeiros quinze minutos, mas quando esfria, a dor torna-se insuportável.
Os sintomas podem ser localizados ao nível da virilha, cóccix ou no quadril.
Existem casos de pacientes que caíram de bicicleta a 10 km de casa e que conseguiram subir na sela com dificuldade e chegar a sua casa.

Dependendo do tipo da lesão, o paciente pode ter sintomas de tipo neurológico como parestesias, perda de força e sensibilidade, dor e formigamento. Em 1 caso em 5, uma fratura do acetábulo causa dano ao nervo ciático que pode causar a síndrome do pé caído e a paralisia do músculo tibial anterior.
Quando ocorre uma lesão nos órgãos como: intestino, bexiga, órgãos genitais ou troncos arteriais e venosos, o paciente experimentará os sintomas viscerais.

 

 

Como diagnosticar uma fratura da pelve?

Para entender se um paciente tem uma lesão óssea na bacia é importante saber qual foi o mecanismo da lesão.
Em caso de acidente de carro, muitas vezes o politraumatizado sofre uma fratura na bacia, mas também pode ocorrer em uma queda de bicicleta ou de uma escada.
A radiografia é o exame diagnóstico mais indicado para descobrir se existe uma interrupção na continuidade do osso, somente em caso de suspeitas microfraturas recomenda-se a ressonância magnética ou tomografia computadorizada que têm uma resolução melhor, mostram qualquer edema ósseo, hematoma e lesões abdominais.

Fratura acetabular,tomografia computadorizada,reconstrução em 3D

Fratura acetabular, tomografia computadorizada con restrução em 3D

 

Para avaliar melhor os danos, existem outros exames que o médico pode prescrever: uma ultrassonografia da parte inferior do abdômen, uretrografia e angiografia.
Em caso de traumatismo abdominal inferior, é importante realizar um exame clínico cuidadoso para as possíveis complicações devido a lesão.
É preciso procurar:
• Feridas
• Hematoma
• Lesões de tecidos moles
• Distúrbios retal e vaginal
• Instabilidade no plano vertical ou horizontal

O exame radiográfico se realiza em diferentes projeções: ântero-posterior e oblíqua com uma inclinação de 45° ou 135°.

 

Diagnóstico diferencial

O médico deve excluir:
Fratura do quadril
• Luxação do quadril
Dor abdominal nos idosos
• Trauma de pelve

• Choque (hemorragia)

• Uma lesão do músculo reto da coxa
• Uma lesão dos músculos flexores da coxa
Necrose da cabeça do fêmur
• Câncer

 

Leia também

Deixe uma resposta