Fratura da costela

ÍNDICE


O que é a fratura da costela?

As costelas são os ossos da caixa torácica, são 12 pares simétricos, originam das vértebras e têm inserção no esterno anteriormente.
A fratura da costela é uma das possíveis consequências de um trauma ao tórax.
Elas têm uma conformação muito alongada e flexível que as expõem a lesões por causa de uma queda ou durante um esmagamento.

controlar a altura das escápulas, costelas, fratura, peito, costas, clavículas, lesão, dor óssea, dor, sintomas, causas, limitação funcional, inflamação, idosos, flexão, estresse, perda, trauma, em casa, de bicicleta, inchaço, edema.
Controle da escápula

Em pacientes idosos com osteoporose, a fratura pode ocorrer por um forte abraço.
O risco de fratura das costelas é danificar os órgãos internos, especialmente os pulmões, coração, fígado, baço e as grandes artérias e veias contidas no peito.
A fratura das duas primeiras costelas é muito rara, mas é importante tratá-la corretamente porque pode danificar as estruturas internas do peito e causar a morte.
A elasticidade das primeiras costelas é menor do que as inferiores, então um trauma no nível torácico alto não causa uma fratura composta, mas uma lesão deslocada com o deslocamento dos fragmentos para dentro.

pneumotóraxÉ possível que se apresente em pronto socorro um paciente com fracturas múltiplas nas costelas, neste caso, é melhor internar o paciente durante as primeiras 24/48 horas por o risco associado com o trauma.
Se a fratura está nos níveis da nona, décima e décima primeira costela, a costela pode perfurar o baço ou o fígado causando sangramento importante.
No caso de lesões pleural e do pulmão, existe o risco de se desenvolver um pneumotórax com o esvaziamento do pulmão ou um hemotórax que provoca um choque hipovolêmico.
A fratura da costela média ou inferior pode ser composta, desviada ou uma fissura, não se vê quase nunca uma lesão cominutiva com destacamento de fragmentos.
O trauma que provoca uma fratura também pode provocar um entorse da cartilagem costal.

Como ocorre uma fratura da costela?

O mecanismo de lesão das costelas é o trauma direto ou esmagamento.
A causa pode ser um trauma direto, um acidente de carro, uma queda, um abraço, etc..

Quais são os sinais e os sintomas de uma fratura da costela?

O principal sintoma é a dor no peito, inchaço e hematoma, o sangramento pode ser externo e/ou interno.
A pontada pode ser sentida durante a respiração, a pressão, nos movimentos do peito e das costas: extensão, flexão e rotação.
Você sente muita dor também durante a tosse e o espirro.
O paciente também pode sofrer de dispneia.

fraturas,de,costelas
Se a fractura costal envolver mais de uma costela, pode provocar a mobilidade anormal das costelas lesionadas que se deslocam no sentido oposto em relação às saudavéis: “respiração paradoxal”.
O movimento das costelas fraturadas durante a respiração pode afetar a circulação de sangue do mediastino e pode causar uma diminuição na circulação venosa, assim você pode experimentar um choque cardiogênico.

Como se chega ao diagnóstico de uma fratura da costela?

Para fazer o diagnóstico de fratura das costelas, o médico verifica o histórico médico do Fratura da costelapaciente, pois de acordo com o trauma pode suspeitar de lesão do osso.

Mesmo as condições de saúde do paciente são importantes porque um paciente muito idoso com osteoporose tem mais probabilidade de obter uma fratura em comparação ao jovem.
No caso de suspeita lesão na costela, no departamento de emergência se executa uma radiografia que mostra quaisquer interrupções na continuidade do osso.
Se na radiografia o médico não vê uma fratura, é importante repetir o teste depois de pelo menos dois dias porque a primeira radiografia pode não mostrar os sinais de lesão.
A microfratura é visível apenas com uma ressonância magnética porque é possível ver qualquer edema ósseo.



Qual é o tratamento para uma fratura da costela?

Apenas ocorre o trauma, você tem que colocar gelo sobre a área afetada e permanecer em repouso.
Depois de avaliar a dor pela fratura de costela, alguns indivíduos sentem benefício com uma bandagem que lhe dá suporte e contenção; o paciente pode sentir menos dor.
A bandagem não deve dificultar a respiração, mas limita os movimentos torácicos.
O único tratamento que aumenta a velocidade de cura ou favorece o início do processo de consolidação da fractura é a terapia magnética que pode reduzir o tempo de recuperação pela metade para a formação de calo ósseo.
Entre as possíveis consequências de longa duração, existe o pneumotórax não resolvido.
Se a dor for muito forte, o paciente pode tomar medicamentos anti-inflamatórios e analgésicos que o médico prescreve, medicamentos para aliviar os sintomas temporariamente.

 

A fratura do esterno

costelas, clavículas, coluna torácica, peito, costas, c escápula, anatomia, fisioterapia e reabilitação, cartilagens costais, articulações, ossos, músculos, nervos
Peito e esterno

O esterno é um osso que se encontra na parte anterior e no centro do peito. É formado por três partes, de cima encontramos: manúbrio, corpo e processo xifoide.
A fratura do esterno é bastante rara, a frequência da lesão é menos de 0,5% de todas as fraturas do corpo.
A conformação da caixa torácica protege o esterno, no caso de traumatismo direto a onda de choque é transmitida diretamente para as costelas, que se podem quebrar com facilidade.
Os mais afetados são os homens, porque:

  • Executam trabalhos pesados
  • São mais propensos a sofrer acidentes de carro graves, como um trauma contra o volante do carro.

A idade dos pacientes na sala de emergência é pelo menos 25 anos, porque o esterno é o último osso a se ossificar completamente, isso ocorre depois dos 25 anos.

Antes dos 25 anos o esterno tem maior flexibilidade, por isso as lesões são quase impossíveis.
Durante o trauma, se o esterno é empurrado para dentro pode causar sérios danos.
O tipo mais frequente de fratura ocorre por trauma direto, mais raros são os traumas indiretos por hiperflexão ou hiperextensão da coluna vertebral.

A parte mais atingida está ao nível do ângulo de Louis, entre o manúbrio e o corpo, geralmente a rachadura é transversal, enquanto uma solução de continuidade longitudinal é muito rara.
As fraturas em acidente são frequentemente acompanhadas pela entorse da cartilagem costal, enquanto ao nível visceral podem ser danificados: traqueia, pleura, pericárdio e miocárdio.
A complicação mais frequente é nos pulmões; na verdade, o esterno pode danificar os pulmões, resultando em insuficiência respiratória.

Quais são as causas da fratura do esterno?

A causa mais frequente é o acidente de trânsito, o golpe com o cinto de segurança aplica uma pressão intensa e violenta contra a caixa torácica e, em particular, as estruturas anteriores como o esterno.
Em alguns casos, o paciente pode sofrer uma batida contra o volante ou também guiando uma moto contra a parte anterior do veículo, uma pessoa que pratica esportes violentos como boxe ou outros pode receber um soco ou um chute no esterno.
Existem outras doenças que predispõem o sujeito à fratura esternal porque enfraquecem o osso:

Quais são os exames diagnósticos mais adequados?

Para observar quaisquer lesões do esterno, o exame mais adequado é a radiografia porque mostra os ossos.
Para identificar as microfraturas, a radiografia não é suficiente, então você precisa de uma ressonância magnética que mostra uma pequena área preta do edema na parte lesada.
A tomografia computadorizada tem uma melhor visão do raio-x, mas é feita raramente porque provoca a absorção de muitas radiações.

Quais são os sinais e sintomas da fratura esternal

O sinal clássico é a posição antálgica do paciente em flexão porque não aplica tensão nos ligamentos e tendões do esterno. Na posição vertical se aplica tensão sobre o osso e a dor aumenta.
Cerca de 4/5 dias após o trauma, um hematoma aparece abaixo da fratura e você pode notar um inchaço local.
Quando se pressiona a zona lesionada, o sujeito afetado sente uma dor forte nas costas, os  sintomas aumentam durante a respiração, tosse e durante alguns movimentos, em especial a rotação.
A respiração é difícil, aumenta a frequência e diminui a profundidade, o paciente tende a respirar com a sua barriga.
As fracturas mais graves podem causar uma mudança na forma do osso, isso ocorre mais frequentemente abaixo do manúbrio, provocando uma deformação, também notamos que o tórax se move de uma maneira assimétrica.
A pessoa afetada tem dificuldade para achar uma boa posição para dormir porque sente fortes dores na área fraturada.

Diagnóstico de fratura do esterno

O paciente que sofreu um traumatismo no tórax vai para a sala de emergência, o médico examina o esterno e pede uma radiografia.
Na radiografia você vê uma imagem perfeita do osso, se você não notar nada no dia do acidente é bom repeti-lo nos próximos 2/3 dias porque nas primeiras 48 horas a fratura pode não ser visível.

Qual é o melhor tratamento para a fratura do esterno?

Geralmente o tratamento é conservador, mas se ocorrer um deslocamento dos fragmentos com instabilidade, existe a indicação de osteossíntese cirúrgica, mesmo em caso de insuficiência respiratória.

O tratamento conservador inclui a aplicação de uma bandagem elástica para suportar e para obstacular os movimentos mais amplos do tórax.
Para a dor, o médico pode prescrever medicamentos anti-inflamatórios.
O tempo necessário para a consolidação da fractura é de aproximadamente 40 dias. O prognóstico é quase sempre favorável.

 

    Leia também