Doença de Graves

 

INDICE

A doença de Basedow-Graves (ou Bócio Difuso Tóxico) é uma doença auto-imune que provoca a superprodução de hormônios da tireóide (hipertireoidismo) e no sangue os valores do hormônio estimulante da tireóide (TSH) tornam-se baixos.
Também conhecida como doença de Basedow, ocorre mais comumente em mulheres (8:1 em relação aos homens) de meia-idade.
Os sintomas são fadiga, perda de peso e batimento cardíaco rápido.
Dado que os anticorpos que atacam a glândula tireóide também afetam os olhos, são frequentemente relatados irritação de olhos e visão turva.

O início ocorre mais frequentemente entre 30 e 50 anos.
A forma grave da exoftalmia ocorre apenas em uma minoria dos pacientes com a doença, também é conhecida como oftalmopatia de Graves ou oftalmopatia infiltrativa.
A doença de Basedow não causa nódulos da tireóide ou câncer de tireóide, nem é um fator de risco.

 

Quais são as causas da doença de Basedow?

Doença de Basedow é causada por uma disfunção do sistema imunológico que luta contra as células do corpo.
Uma resposta do sistema imunológico normal é a produção de anticorpos projetados para erradicar um vírus, bactérias ou outras substâncias estranhas.
Na doença de Basedow, por razões que não são claras, o corpo produz um anticorpo que se liga a uma determinada proteína na membrana celular da tireóide.
O fumo é considerado um fator de risco para esta doença, bem como certos medicamentos (por exemplo, amiodarona).

Normalmente, a função da tireóide é regulada por um hormônio liberado por uma pequena glândula na base do cérebro (pituitária).
Os anticorpos associados à doença de Basedow podem se comportar como o hormônio produzido pela glândula pituitária. Portanto, o anticorpo cancela a regulação normal da tireóide e o resultado é uma superprodução de hormônios da tireóide (hipertireoidismo).

 

Consequências do hipertireoidismo

Os hormônios da tireóide afetam várias funções corporais, incluindo:

  • Metabolismo, transformação dos nutrientes em energia para as células.
  • Função do coração e sistema nervoso;
  • Temperatura do corpo;
  • Força muscular;
  • Ciclo menstrual.

Como conseqüência, o impacto da doença de Basedow não tratada pode se espalhar e pode causar uma diminuição da qualidade de vida.

Em casos graves, os pacientes com hipertireoidismo podem haver uma crise tireotóxica que pode causar a morte por insuficiência cardíaca.

 

Sintomas da doença de Basedow

Os primeiros sintomas da doença de Basedow-Graves podem ser confundidos com outras doenças e não é fácil fazer um diagnóstico correto.
Os sintomas mais comuns são:

  • Perda de peso — apesar do aumento do apetite, o paciente pode engordar porque come demais
  • Ansiedade, agitação, tremor, irritabilidade, insônia
  • Intolerância ao calor
  • Transpiração excessiva
  • Perda de cabelo que se tornam secos e quebradiços
  • Aumento da frequência de evacuação (com ou sem diarréia)
  • Ciclos menstruais irregulares e mais leves
  • Fraqueza muscular
  • Dificuldade em controlar o diabete
  • Redução da fertilidade
  • Bócio
  • Olhos proeminentes, inchados
  • Problemas de visão (tais como a visão dupla que ocorre quando os eixos visuais dos olhos não estão alinhados). A causa pode ser fibrose e retração de um músculo do olho (geralmente parte o recto inferior). A origem da contratura e fibrose é o edema ou inflamação destes músculos.

 


Sinais físicos

Se não for tratada, a doença de Basedow, pode causar sinais e sintomas físicos.

Bócio
O bócio nodular é um aumento da glândula tireóide. Um bócio associado com doença de Basedow é um bócio tóxico difuso.
Quando a glândula tireóide torna-se maior, o pescoço do paciente pode parecer cheio ou inchado.
Um bócio torna às vezes difícil a deglutição, provoca tosse e pode perturbar o sono.

Problemas nos olhos
Os problemas de olho ligados à doença de Basedow podem ser de muito leves a muito graves.
Menos grave — mas ainda irritante — os sintomas oculares incluem os olhos vermelhos, lacrimejamento, sensação de areia ou poeira nos olhos e sensibilidade excessiva à luz (fotofobia).

Em casos graves, ambos os olhos podem sobressair das órbitas.

A doença de Basedow causa uma resposta inflamatória dos músculos do olho, os músculos e tecidos incham.
Dado que na parte posterior das órbitas há osso, os olhos são empurados para frente e se projetam para fora.
O resultado é que os olhos são salientes e os movimentos do olho são limitados.
O termo médico para este fenómeno é exoftalmia e pode fazer parecer como se os olhos estão olhando fixo.

Espessamento da pele
Alguns pacientes com doença de Graves podem desenvolver o espessamento da pele na parte anterior e lateral da perna abaixo do joelho. O distúrbio provoca lesões cutâneas que são irregulares, rosa e a pele torna-se inchada tipo a celulite.
Raramente, outras áreas da pele são afetadas. Este problema de pele também é chamado de mixedema pré-tibial.

 

Diagnóstico da doença de Basedow Graves

No exame clínico, o médico olha para um bócio (glândula de tireóide aumentada), pulso rápido (freqüência cardíaca), tremor e qualquer outra prova da doença de Basedow.
Os exames de sangue são feitos para valutar a função da tireóide.
O médico também pode pedir uma cintilografia de tireóide e um teste de absorção de iodo radioativo.
Estes exames podem ajudar a determinar se a inteira tireóide é hiperativa ou se apenas uma parte da glândula funciona muito.


Doença de GravesAbsorção de iodo radioativo

O corpo precisa de iodo para produzir hormônios da tireóide.
O médico administra um medicamento com uma quantidade pequena de iodo 131 radioativo e então se mede a quantidade de iodo que entra na tireóide com uma cintigrafia.
Desta forma, o médico pode determinar a taxa na qual a glândula tireóide absorve o iodo.
Uma alta absorção de iodo radioativo indica que a glândula tireóide está produzindo muitos hormônios.

A câmara gama da cintigrafia é um dispositivo que permite determinar a origem da radiação.
Desta forma, você pode descobrir quais áreas da tireóide produzem e liberam mais hormônios, geralmente em pacientes com doença de Graves a hiperatividade é generalizada.

Exames de imagem
Se o diagnóstico da oftalmopatia de Basedow não é claro após a avaliação clínica, o médico poderá prescrever um exame instrumental como a tomografia computadorizada (TC), ou seja uma tecnologia de raio x que mostra imagens da seção transversal do corpo.
O médico também pode prescrever a ressonância magnética (MRI) uma tecnologia que usa campos magnéticos e ondas de rádio para criar imagens tridimensionais ou transversais das órbitas para avaliar os músculos do olho e uma possível compressão do nervo óptico.
A ultrassonografia é utilizada para excluir outros problemas, por exemplo, um nódulo.

Lista de diagnóstico alternativo para a doença de Basedow:
Para o diagnóstico da doença de Basedow, o médico deve excluir:

  • Tireoidite pós-parto – para as mães que acabaram de dar á luz
  • Câncer de tireóide
  • Ansiedade
  • Ataques de pânico
  • Câncer
  • Feocromocitoma
  • Exoftalmia
  • Fibrilação atrial
  • Transtornos psiquiátricos agudos
  • Valores dos homônios estrogênio alto.

 

Tratamento para a doença de Basedow

Em poucos casos cura-se com o tempo, mas quase todos os pacientes necessitam de tratamento para controlar os sintomas.

 

Dieta e alimentação para a doença de Basedow

Existem três tipos de alimentação recomendadas:
1) A dieta do grupo sanguineo do Dr. Mozzi (Italian) que baseia-se na eliminação dos hidratos de carbono e açúcar.
2) A dieta vegan de que se fala em medicina natural e higienismo de M. Lazaeta e H. Shelton
3) A alimentação tradicional, que é baseada na redução do consumo de iodo, no entanto, dificilmente pode resolver o problema

A dieta do Dr. Mozzi prevê a eliminação de todos os grãos (especialmente aqueles com glúten), amido (batatas, alcachofras de Jerusalém, etc.), quase todas as frutas e doces.
Você pode comer os pseudocereais (quinoa e amaranto), feijão, frutos de casca (nozes), sementes, legumes, carne (com excepção da carne de porco), peixe e ovos.
Entre as frutas permitidas sob a dieta do tipo sanguíneo estão o limão (para todos), ameixas, figos e kiwi, mas apenas em pequenas quantidades e na manhã, a ser evitado após as 17. Pessoas do grupo “0” não devem comê-la. No inverno, não recomenda qualquer tipo de fruta.

De acordo com a dieta vegan / crudista de M. Lazaeta, você tem que comer sopa de legumes, frutas e vegetais frescos, trigo, cevada e aveia, queijo, gema de ovo, frutos de casca (nozes e amêndoas).
Para evitar: café, chá, chocolate, tabaco, carne e todas as gorduras animais.
Só beber quando você sente sede.
E’ essencial o exercício ao ar livre, por exemplo, uma caminhada nas montanhas.
Entre os remédios naturais, de acordo com a medicina natural e higienismo de Lazaeta também há cataplasma de lama na barriga e no pescoço na noite e lavagens genitais de 15/30 minutos.

De acordo com a medicina convencional apenas reduz a ingestão de iodo.
A glândula tireóide precisa de 2 substâncias para a produção de hormônios da tireóide: iodo e tirosina.
A redução da disponibilidade desses elementos torna mais difícil produzir hormônios em excesso para a tireóide.
O iodo também pode estimular a produção de anticorpos que causam doenças autoimunes da tiróide.
A quantidade diária de iodo recomendada é de 150mcg.

As fontes mais óbvias de alimentos ricos em iodo são as plantas e os animais que vivem em água salgada, por exemplo camarões, lagosta, salmão, atum, alga marinha, nori, etc.
Outras fontes de alimentos ricos em iodo são os produtos lácteos porque são usados como um produto para lavar e permanece no leite.

O sal preferencial é aquele marino, mas temos que verificar a quantidade de conteúdo de iodo porque às vezes certos tipos são ricos em iodo.
Outras fontes ocultas de iodo incluem barras energéticas e multi-vitaminas, carne, alguns legumes como aspargos, alguns medicamentos e muitos alimentos que contêm corantes vermelhos.
O perú contém um monte de iodo e também tanta tirosina.
De acordo com os princípios da naturopatia, entre os remédios naturais está a alimentação, os alimentos que retardam a produção de hormônios da tireóide são:

  • Couve de Bruxelas,
  • Couve-flor,
  • Milho,
  • Repolho,
  • Ervilhas,
  • Soja (mesmo que as opiniões são misturadas em caso de grandes quantidades),
  • Rabanetes,
  • Nabo,
  • Mostarda,
  • Espinafre,
  • Pêssegos,
  • Pêras,
  • Amêndoas.

É melhor comer esses alimentos crus porque cozinhar pode reduzir as propriedades benéficas.
Pacientes com hipertireoidismo devem ficar longe de tudo o que estimula o corpo.
Entre estes alimentos hà cafeína, produtos com alto conteúdo de açúcar, alimentos altamente processados como cachorros-quentes, salsichas, adoçantes artificiais, aromatizantes artificiais, temperos listados como “sabores naturais”, etc.

Entre os remédios naturais para reduzir os sintomas da doença de Graves está a atividade física ao ar livre, deve ser regular (diária ou em dias alternados).

 

Curar o hipertireoidismo através da dieta? Testemunho de um paciente

Incluo todos os resultados de exames de sangue para provar que eu fui capaz de curar o hipertiroidismo com a dieta.
Em 2011 eu fui diagnosticado com doença de Graves que provoca hipertireoidismo, anexo os resultados dos exames de sangue realizados em dois hospitais diferentes.

valores da tiróide, exames de sangue

Exame de março 2011

hormonas da tiróide,tsh ,t3, t4

O endocrinologista prescreveu o Levotiroxina (Synthroid®) que eu nunca tomou.

Em 2013, eu parei de comer carne, mas em 2014 eu me tornei completamente vegano, então parei de comer carne, peixe, ovos, leite e produtos lácteos.
Desde julho 2016 parei de comer glúten.

Minha dieta consiste em frutas, verduras, nozes, sementes, legumes e cereais.
Eu não como frituras, condimentos e café.
Em novembro de 2016 eu refiz os testes para tiróide que mostram TSH, T3 e T4 dentro dos limites normais.
Aqui está o relatório médico.

valores-tireóide-TSH-T3-T4

Cuidados médicos

Dado que o hipertireoidismo de Basedow é causado por uma anormalidade genética do sistema imune, o problema é complexo e não há atualmente nenhum tratamento específico para solucionar o problema.
Desde que o resultado final deste problema é a estimulação da função da tireóide, o tratamento dos sintomas envolve bloquear a produção de hormônio tireoidiano com medicamentos anti-tireóide.
A terapia destrói as células da tireóide com iodo radioativo ou cirurgia para remover a glândula (tireoidectomia).

Iodo radioativo
Mesmo que o iodo radioativo é o tratamento mais fácil e mais conveniente, os médicos estão muito preocupados com os possíveis efeitos colaterais da radiação em pessoas jovens.
O tratamento com radioiodo tem sido usado há mais de 40 anos e não há nenhuma evidência conhecida de possíveis efeitos nocivos.
Na América do Norte, a maioria dos especialistas em tireóide recomendam o uso na maioria dos pacientes com doença de Basedow com 18 anos ou mais porque tem uma maior chance de sucesso a longo prazo (resolução do hipertireoidismo) comparada com medicamentos anti-tireóide.
A freqüência do tratamento com iodo radioativo está aumentando nós adolescentes.
No entanto, às vezes isso irrita a vista do olho e muitas vezes fazendo um tratamento preventivo com cortisona.
Geralmente, o iodo radioativo é tomado sob a forma de cápsula.
A dose é calculada de acordo com o tamanho do bócio e absorção de iodo em 24 horas, executando um teste de absorção de iodo radioativo da tireóide.

O iodo entra na corrente sanguínea e é absorvido pela tiróide. Aqui produz danos à glândula, portanto, agrava a funcionalidade e reduz a produção de hormonas da tiróide.
Demora cerca de 2-3 meses para conseguir o efeito total da terapia, a melhoria é gradual, mas no início, pode haver um agravamento dos sintomas.

Dado que o iodo radioativo precisa de várias semanas para conseguir o efeito final, o médico geralmente administra os comprimidos anti-tireóide até o efeito completo.
Após o tratamento com iodo radioativo, espera-se que permanece uma parte da tireóide suficiente para haver a funcionalidade normal.
Raramente (10-20% dos pacientes), a glândula torna-se hiperativa novamente porque o anticorpo estimulante da tiroide é ainda produzido por linfócitos.
Em outros pacientes, há uma forte tendência a desenvolver hipotireoidismo-talvez 180% de todos os pacientes com doença de graves no final (1-10 anos após o tratamento com iodo radioativo) deverá repor os hormônios da tireóide para sempre (por exemplo com o medicamentos eutirox).
Isto não é considerado um problema, visto que o hipotireoidismo é detectado e tratado.
É um problema maior para pacientes que têm uma reincidência de hipertireoidismo devido a remoção insuficiente da tireóide ou se a dose de iodo administrada é muito pequena.
Na verdade, alguns especialistas sugerem de destruir a tireóide para prevenir uma recidiva do hipertireoidismo e prescrevem imediatamente os hormônios da tireóide para evitar o hipotireoidismo.

O mar não tem nenhum efeito sobre a doença de Graves.

 

Tratamento farmacológico

O tratamento para crianças e adultos sob a idade de 20 a 25 anos é feito geralmente com medicamentos antitireoidianos (como propiltiouracil e metimazol).
Pode ser tomado em qualquer idade para levar a remissão da doença de Basedow ou antes da terapia de ablação.
Existem duas grandes desvantagens para este tipo de tratamento:
1. Os pacientes precisam tomar comprimidos por muitos meses ou anos, o período de tratamento recomendado é de 12 a 18 meses;
2. Se o tratamento é interrompido, há uma chance de 50% que a doença continue como antes (recaída).
Então a maioria dos pacientes precisam de mais tratamento.
Uma porcentagem muito pequena dos pacientes sofre efeitos colaterais que raramente podem ser graves, por exemplo, problemas de fígado e leucócitos baixos no sangue (a queda de células brancas do sangue pode causar febre, dor de garganta e outras infecções).
Devido à recente evidência dos efeitos do propiltiouracil na função hepática, particularmente em crianças, a Food and Drug Administration dos EUA emitiu uma proibição de seu uso.
O propiltiouracil é ainda o tratamento de escolha durante a gravidez, já que não há evidências claras sobre os efeitos colaterais no feto no primeiro trimestre, enquanto o metimazol é prescrito apenas no segundo e terceiro trimestre.
É preferível tratar o hipertireoidismo antes de considerar uma gravidez.
Outro medicamento que pode ser administrado para tratar os sintomas do hipertireoidismo é propranolol ou outros medicamentos beta-bloqueadores.
Esta medicamento bloqueia os efeitos do excesso de hormônios tireoidianos sobre o coração, vasos sanguíneos e sistema nervoso, mas não tem um efeito direto sobre a glândula tireóide.
É contra-indicado em pacientes com asma.

 

Quando operar a tireóide? tireoidectomia

Geralmente, a cirurgia recomenda-se a 80% dos pacientes menores de 20 anos de idade que têm uma recorrência de hipertireoidismo após tomar medicamentos antitireoidianas.
A tireoidectomia também é recomendada para pacientes de qualquer idade em que o bócio é tão grande que causa a obstrução da traquéia, dificuldade para engolir ou em casos onde precisa de uma verificação rápida do hipertireoidismo (por exemplo, se há dificuldades para lidar com uma arritmia cardíaca).
Na Inglaterra e Europa, a tireoidectomia é realizada para a doença de Graves mais frequentemente do que em América, por razões de tradição e experiência.remoção,da,glândula,tiróide
A tireoidectomia prever uma hospitalização de cerca de 2 dias e a remoção da glândula.
Algumas clínicas permitem fazer a cirurgia em hospital-dia com uma técnica mini-invasiva com intrumentos que permitem a exibição da tireóide em um monitor.
Após a remoção da glândula tireóide, precisa realizar a terapia de reposição com medicamentos que contêm tiroxina para sempre.

Leia também