Sintomas da diabetes


Quais são os sintomas da diabetes mellitus?

Essa não é uma única doença, mas um conjunto de doenças que afetam o metabolismo.

ÍNDICE

Todas estas doenças têm um número de elementos comuns que podem ser sintetizados nos seguintes distúrbios:
Secreção insuficiente da insulina ou eficácia reduzida, isto é, o hormônio produzido pelo pâncreas que ajuda a glicose penetrar nas células do corpo humano.

diabetes, glicose, açúcar

Médico que cura o diabetes

Hiperglicemia ou seja, a concentração de valores de glicemia no sangue a jejum mais alto do que o normal, portanto acima dos 126 miligramas por decilitro.
Isto é conhecido como o diabetes melito não insulino-dependente.

Sintomas iniciais da diabetes mellitus tipo 1.

A diabetes mellitus tipo 1 ocorre de repente e também é conhecida como diabetes insulino-dependente ou diabetes infantil (aparece nos primeiros anos de vida e desaparece na idade de 20 anos). É caracterizada pela destruição (auto-imune) de mais de 90% das células do pâncreas que produzem insulina.

Existem dois estágios de diabetes tipo 1, caracterizados por sintomas diferentes. Uma primeira fase em que ocorrem os sintomas precoces e aquela a longo prazo que provoca complicações a longo prazo da doença.

Os primeiros sintomas da diabetes tipo 1.

  • Hiperglicemia é vista com exames de sangue e consiste em um aumento dos valores de glicemia acima do normal.
  • Glicosúria ou seja a presença de glicose na urina, é encontrada com um exame de urina. Se a concentração de glicose no sangue excede os valores de 160-180 mg/dL, o rim já não pode filtrar e começa a passar urina onde podemos ver alguns traços.
    Estão à venda nas farmácias tiras especiais que contêm uma substância que reage ao contato com a urina e muda de cor se houver açúcar.
  • Poliúria ou seja a produção diária de urina superior a 2,5 litros por dia (produção fisiológica é 2L/dia). O aumento da concentração de glicose na urina obriga os rins a eliminar mais água para diluir.
  • Polidipsia, consiste em sede excessiva. A produção excessiva de urina provoca uma sede anormal no diabético que o leva a beber grandes quantidades de líquidos.
  • Perda de peso. A perda de calorias na urina leva a uma perda injustificada, em comparação com a quantidade de calorias consumidas.
  • Polifagia. O corpo do paciente reage à perda de peso, aumentando o estímulo da fome. A consequência é um maior consumo de alimentos que não causa ganho de peso.
  • Fraqueza: falta de força também em estado de descanso ou após esforços leves.
  • Náusea.
  • Visão turva. Níveis elevados de açúcar no sangue causam um inchaço do cristalino que é responsável por esse sintoma.
  • Zumbido. Ruído sentido em um ou ambos os ouvidos causado por problemas induzidos pela hiperglicemia de pequenos vasos da orelha interna.
  • Hipoglicemia. O tratamento da doença com insulina pode reduzir os valores de glicemia abaixo de 50 mg/dL. Este nível anormal chama-se hipoglicemia. A hipoglicemia provoca: tremores, transpiração, sono e coma.
  • A cetoacidose é um sintoma típico da diabetes mellitus tipo 1 que se caracteriza pela deficiência de insulina.
    Sob estas condições, as células não podem usar açúcar para produzir a energia necessária para sobreviver portanto usam os ácidos graxos das células de gordura. As reações metabólicas que são ativadas para esta finalidade produzem resíduos conhecidos como corpos cetônicos que causam a acidez excessiva do sangue: a cetoacidose. Esta doença é particularmente grave em crianças e sem tratamento pode causar a morte rapidamente. Os primeiros sinais da cetoacidose incluem náuseas, vômitos, dores de barriga, hiperventilação (aumento da frequência e da profundidade da respiração para elevar o pH do sangue), hálito com cheiro de acetona que está presente no sangue e é eliminada com a respiração.

Sintomas da diabetesOs primeiros sintomas de diabetes mellitus tipo 2.

A diabetes mellitus tipo 2 começa lentamente e é conhecida como diabetes não-insulino-dependente ou diabetes do adulto ou alimentar. Nesse tipo de diabetes, as células pancreáticas produzem insulina em quantidades normais mas o organismo desenvolve uma resistência por isso a produção não é suficiente.

Os primeiros sintomas podem ser:

  • A obesidade nem sempre está presente, mas muitas vezes acompanha este tipo de diabetes.
  • Hiperglicemia. Em muitos casos contidos na fáscia chamada ” glicemia em jejum” ou “IFG” com concentração de glicose no sangue entre 100 e 125 mg/dL.
  • Glicosúria frequentemente ausente no início ou com valores muito baixos, tende a ocorrer com o aumento da idade, mas no entanto na forma leve.
    Desidratação, inicialmente leve mas tende a agravar-se ao longo dos anos.
  • Hipertrigliceridemia. Valores de concentração de triglicéridos no sangue superiores a 200 mg/dL. Sintomas nem sempre presentes mas muito prováveis.
  • Hiperuricemia. Concentração de ácido úrico no sangue acima de – 6,5 -7 mg/dL, não está sempre presente.
  • Hipertensão. Não está sempre presente.
  • Fraqueza e sonolência.
  • Problemas de visão.
  • Hipoglicemia. O tratamento pode trazer valores de glicemia abaixo de 50 mg/dL. Falamos nesses casos de hipoglicemia. A hipoglicemia provoca: tremores, sonolência excessiva patológica e coma.
  • Coma hiperglicêmico não-cetótico. É típico da diabetes tipo 2. Neste tipo de doença, se o açúcar no sangue atinge valores particularmente elevados (em alguns casos, mais de 1000 mg/dL) desenvolve-se o coma hiperglicêmico não-cetótico que ocorre com: grave desidratação, turvação, sonolência e coma.

 

Sintomas a longo prazo e complicações do diabetes mellitus tipo 1 e 2.

  • Placa aterosclerótica. Bloqueia as artérias grandes e médias aumentando a probabilidade de isquemia, infarto, acidente vascular cerebral. Reduz a circulação em pequenos vasos, criando problemas de cicatrização, impotência, etc.
  • Comprometimento das funções dos leucócitos. Aumenta a probabilidade de contrair banais infecções como a cistite e infecções da pele.
  • Úlceras e infecções. Causadas pela redução da circulação de sangue na periferia para a pele ou as mucosas. Típica é a constante inflamação da garganta.
  • Insuficiência renal.
  • Flutuações na pressão arterial.
    Causadas pela deficiência do sistema nervoso vegetativo.
  • Problemas gastrointestinais e problemas de deglutição. Causada por danos aos nervos do sistema vegetativo que controlam essas funções.
  • Comprometimento dos nervos periféricos que controlam a sensibilidade e o movimento dos membros inferiores. Entre os sintomas estão: fraqueza, redução da sensibilidade, formigamento e dormência das extremidades.
  • Retinopatia, glaucoma, cegueira. Causado por danos das paredes dos pequenos vasos sanguíneos do olho.
  • Síndrome do túnel do carpo. Compressão do nervo mediano que se estende desde o antebraço a mão na área do túnel do carpo (entre o punho e o carpo) devido ao espessamento do tecido conjuntivo induzido pela má metabolização do açúcar.

O pé diabético é caracterizado por uma úlcera na área do pé dos pacientes que sofrem de diabetes mellitus tipo 1 e tipo 2, é um dos sintomas típicos tardios.
O percentual de indivíduos com diabetes que têm estes problemas nos pés é muito alto, os pesquisadores falam de percentagens que excedem os 20%.
No ocidente, 70% das cirurgias de amputação de dedos ou membro completo são devido a úlceras causadas por diabetes.

A causa destas úlceras é que o diabetes pode causar danos nos nervos dos membros inferiores, reduzindo a sensibilidade do paciente nestas áreas do corpo. O compromisso dos nervos sensíveis do pé pode facilmente causar feridas e a funcionalidade reduzida dos glóbulos brancos promove a formação de feridas que demoram a sarar.
As infecções podem evoluir para gangrena devido a má circulação.
Acontece que a pessoa em causa não nota a presença da infecção e portanto espera muito para o tratamento.
Os estudos científicos tem demonstrado que o diagnóstico precoce da doença melhora o tratamento destas complicações.


Sintomas da diabetes gestacional

O aumento de hormônios durante a gravidez pode alterar o metabolismo dos açúcares que exigem uma quantidade maior de insulina. Também pode manifestar-se a diabetes gestacional. Geralmente desaparece após o parto, mas sua presença aumenta a probabilidade de contrair na idade avançada a diabetes mellitus tipo 2.

Os sintomas são:

  • Hiperglicemia
  • Poliúria
  • Polidipsia
  • Perda de peso apesar de um bom apetite
  • Infecções frequentes. Especialmente no trato urogenital
  • Deficiência visual.

Sintomas da diabetes descontrolada

Falamos de diabetes descontrolada quando os valores de glicemia estão fora de controle por longos períodos.
O sintoma característico desta situação consiste em valores de hemoglobina glicosilada superiores a 8%.
A hemoglobina glicosilada é um parâmetro relacionado com a vida média das células vermelhas do sangue que é de 120 dias. A medição deste nível é feita com um exame de sangue que indica os valores de índice glicêmico dos dois meses anteriores.

 


Sintomas de diabetes insípido

O diabetes insípido não é causado por uma diminuição da produção de insulina ou a resistência do corpo à sua ação, mas por uma perda excessiva de fluidos que o corpo não é capaz de segurar.
Portanto, a diabetes insipidus e melittus têm em comum a poliúria. O diabetes insípido é de 2 tipos: central e renal. Os sintomas são:

  • Poliúria
  • Polidipsia
  • Desidratação, que se é excessiva induz sofrimento cerebral que se manifesta com falta de coordenação e modificações comportamentais.

Leia também