Causas do zumbido no ouvido

O zumbido nos ouvidos é uma sensação de zunido que podemos sentir mesmo na ausência de ruído.

ÍNDICE


Existe um tipo específico de zumbido caracterizado por um som intermitente, como um ruído que ribomba aos ouvidos.

Muitas vezes esse som é rítmico e pode ser ouvido continuamente ou em intervalos regulares.
Geralmente é o som do fluxo sanguíneo que é amplificado por algumas razões.
As orelhas se tornam muito sensíveis e podem sentir o sangue que flui.

Em outras palavras, sentem as pulsações.
Daqui o nome de zumbido “pulsátil“.
O zumbido afeta principalmente os adultos e os idosos, é muito raro em crianças.
O médico especialista que cuida do zumbido é o otorrinolaringologista.

 


Tipos de zumbido

Você pode sentir o zunido em um ou ambos os ouvidos.
O zumbido pode ser:

  • Subjetivo,
  • Objetivo.

No caso de zumbido objetivo, o paciente sente claramente o zunido.
As pessoas que estão perto de uma pessoa afetada podem ouvir o som que vem das orelhas.

O zumbido objetivo pode ter uma origem:

  • Vascular (ao nível dos vasos sanguíneos),
  • Mecânica (problema musculoesquelético).

O zumbido objetivo de origem vascular pode ser causado por uma estenose (estreitamento) das artérias:

  • Carótidas,
  • Vertebrais.

O zumbido objetivo de origem mecânica é causado por uma contração muscular anormal do nasofaringe ou da orelha média, como no caso de mioclonia palatal, ou seja, uma contração rítmica de pelo menos um lado do palato macio (véu ou palato muscular).

Se o zumbido é subjetivo, somente a pessoa afetada pode ouvir estes sons.
Nesse caso, está ligado aos movimentos das paredes da cóclea e dos líquidos dentro dessa estrutura.

O zumbido pulsátil pode se manifestar como uma maior consciência do fluxo de sangue na orelha.
Na verdade, a causa da síndrome de zumbido pulsátil pode ser:

  1. A ativação das vias auditivas somatossensoriais sincronizadas com o coração ao nível do cérebro,
  2. A incapacidade do sistema nervoso central somatossensorial-auditivo de interagir para ignorar os sons cardíacos.

O zumbido pulsátil sobreposto ao tinido agudo pode ser causado pela pulsação do fluxo do capilar no canal espiral da membrana basilar.

 


Causas mais frequentes de zumbido

Pressão arterial alta
A hipertensão ou pressão arterial alta é uma causa comum de zumbido pulsátil.
Quando uma pessoa tem a pressão arterial alta, a força com que o sangue flui através dos vasos sanguíneos é alta.
Portanto o som que o sangue faz enquanto flui através do corpo (combinado com outros motivos) pode causar zumbido na orelha de uma pessoa.
Por causa do aumento do fluxo sanguíneo, as mulheres grávidas são predispostas ao zumbido no ouvido.

Compressão das artérias
Às vezes, as artérias no interior do corpo podem estar esmagadas.
Se isso ocorre nas artérias que estão localizadas na área perto das orelhas, do pescoço e da cabeça, o sangue que flui através destas artérias começa a fluir formando vórtices.
Este problema provoca um ruído intermitente (flutuante) ou contínuo na orelha.

A artrose cervical pode causar a formação de osteófitos (esporões ósseos) que podem comprimir as artérias vertebrais, reduzindo o fluxo de sangue que atinge o cérebro.
Entre as consequências estão:

 

hérnia,cervical,artrose

Inflamação do ouvido médio
No ouvido, a parte central deveria permanecer cheia de ar.
Se por algum motivo (como uma inflamação, infecção ou disfunção da trompa de Eustáquio) se acumula líquido no interno do ouvido médio (hidropisia), isso poderá provocar um zumbido.
Juntamente com o som ritmado, também se pode sofrer por:

  1. Dor,
  2. Redução da capacidade auditiva.

Espasmos musculares
Os espasmos musculares dentro da orelha também podem causar um tique-taque regular na orelha.
Existem músculos muito pequenos na orelha que podem causar esse ruído.
Se ocorre um espasmo nesses músculos, o zumbido é intermitente e não é acompanhado por uma perda auditiva.

Sopro venoso
A veia jugular é a maior veia do pescoço.
Esta veia passa ao lado do ouvido médio.
Em pessoas que sofrem de problemas da tiroide, anemia ou mesmo em algumas mulheres grávidas, pode aumentar o fluxo de sangue através da veia jugular.
Quando existe um fluxo forte de sangue através da veia jugular, isso poderia causar um zumbido pulsátil.

 

 veias,e,artérias,cervicais

Sinusite e inflamação dos seios paranasais
Os distúrbios dos seios nasais e paranasais são outra causa de zumbido no ouvido.
A sinusite é uma inflamação dos seios paranasais.

Entre as consequências está o bloqueio (obstrução) da trompa de Eustáquio que liga a faringe à orelha média.
Esse canal serve para manter a pressão do ar na orelha média igual à do ambiente externo.
No caso de obstrução da trompa, a pressão no ouvido médio é menor e o tímpano é empurrado para o interno
O zumbido pode ser a consequência disso.



Acumulação de cera
Se a cera não for removida corretamente, pode reduzir as vibrações sonoras que atingem o nervo acústico.
Os nervos que recebem os estímulos auditivos se tornam facilmente excitáveis para compensar a diminuição auditiva. A consequência é um zunido contínuo.

O zumbido também pode ser um efeito indesejado do tratamento para remover a tampa de cera.
Ao remover a tampa, o zunido pode ser a consequência do aumento das vibrações sonoras que chegam ao tímpano.
Neste caso, trata-se de um sintoma temporário.

Poluição sonora
A exposição ao ruído e música alta pode aumentar o risco de zumbido.

Ruídos fortes
As pessoas que estão expostas a sons ou ruídos muito altos podem sofrer de zumbido, mesmo que a exposição seja breve, por exemplo:

  • Na discoteca,
  • Em um concerto.

Isso é devido aos danos que ocorrem:

  • Na orelha média, laceração da membrana do tímpano;
  • No ouvido interno, danos às células pilosas que transmitem o som dentro da cóclea, especialmente ao nível das mitocôndrias celulares.
  • De acordo com um estudo científico de Charles Liberman e Sharon G. Kujawa, as terminações nervosas das fibras acústicas podem ser prejudicadas para sempre mesmo após uma breve exposição ao ruído com um volume muito alto.

Medicamentos
O uso de certos antibióticos, diuréticos, antidepressivos e medicamentos antitumorais poderia ser um fator de risco de apito nos ouvidos.

Lesão na cabeça/pescoço
Um traumatismo na cabeça ou no pescoço poderia influenciar a parte do cérebro ou dos nervos associados ao ouvido, deixando a pessoa com predisposição para os problemas no ouvido.

Doenças que podem causar o zumbido:

  • Síndrome de Menière
  • Otosclerose (na maioria dos casos) – é uma desordem causada pelo crescimento do tecido ósseo ao nível da janela oval (entre o ouvido médio e o ouvido interno). Esse excesso de tecido bloqueia o estribo, reduz a transmissão do som e pode provocar um zunido.
  • Distúrbios da articulação temporomandibular
  • Neurinoma acústico
  • Pressão anormal do sangue
  • Fibromialgia
  • Doenças do coração ou dos vasos sanguíneos
  • Problemas de tiroide
  • Interações anormais entre as redes neurais, etc.

Outras causas

  • O zumbido no ouvido pode também ser devido às infecções de ouvido, onde a cóclea do ouvido pode ser prejudicada.
  • O zumbido pode ser causado por um traumatismo craniano, doenças neurológicas, esclerose múltipla e qualquer lesão ou infecção dos seios nasais.
  • No caso de labirintite, acontecem ataques de tontura e zumbido repentinos.
  • Alguns estudos têm demonstrado que os distúrbios metabólicos, como problemas de tiroide ou deficiência de vitamina B12 podem causar o zumbido.
  • O zumbido pode ser devido à problemas psicológicos como depressão, ansiedade e stress.
  • Também pode ser uma consequência do envelhecimento. A capacidade auditiva é prejudicada por causa do envelhecimento natural.

 


Zumbido e tontura

Muitas vezes se sente uma sensação de vertigem juntamente com o zunido no ouvido.
Os problemas no funcionamento do labirinto vestibular (um órgão do ouvido interno) estão entre os responsáveis pela tontura.
O labirinto vestibular consiste em pequenos canais que contêm sensores e fluidos.
Com estes sensores é possível monitorar a rotação da cabeça.
O utrículo e o sáculo são órgãos do ouvido interno que contêm os otólitos, ou seja, umas “pedrinhas” constituídas de carbonato de cálcio.
Esses são ligados aos sensores que ajudam a monitorar o movimento da cabeça.
Uma doença desses órgãos causa tontura e em alguns casos o apito nos ouvidos.

Entre as causas estão:

  • Síndrome de Menière
    A síndrome de Menière é uma doença que afeta a orelha interna e pode causar alterações da pressão dos fluidos internos da orelha.
  • Labirintite
    A labirintite é uma inflamação na orelha interna ao nível dos canais semicirculares do labirinto. Estas são as estruturas de equilíbrio, de modo que a labirintite pode causar tonturas e dificuldades de equilíbrio sérias.
  • Anemia,
  • Esclerose múltipla,
  • Tumor cerebral.

 



otoscópio,exame,orelha,diagnóstico

Diagnóstico de zumbido no ouvido

De acordo com as diretrizes de: Interdisciplinary Tinnitus Center, University of Regensburg, Regensburg, Germany, o médico avalia o paciente de acordo com:

  • História clínica,
  • Avaliação da gravidade do zumbido,
  • Identificação dos fatores de risco,
  • Sintomas associados (por exemplo, tontura),
  • Outras doenças.

Entre os testes e os exames que o otorrinolaringologista faz estão:

  • Exame audiométrico,
  • Exame vascular em busca de um sopro no pescoço: o médico comprime a artéria jugular ou carótida para avaliar se essa manobra acentua o zumbido,
  • Controle do nasofaringe (parte superior da faringe, atrás da boca) para procurar massas que possam causar uma disfunção da trompa de Eustáquio e, portanto, o zumbido,
  • Para a anemia e as doenças da tiroide, o médico recomenda os exames de sangue,
  • Se o médico suspeitar um câncer, pode prescrever uma ressonância magnética.

 

Bibliografia
[1] Dobie RA. Overview: suffering from tinnitus. In: Snow JB, editor. Tinnitus: theory and management. Ontario: BC Decker Inc; 2004. pp. 1–7.
[2] Troost BT, Waller MA. Hearing loss and tinnitus without dizziness or vertigo. In: Bradley WG, Daroff RB, Fenichel GM, Marsden CD, editors. Neurology in clinical practice. 2nd ed. Newton: Butterworth-Heinemann; 1996. pp. 239–241.
[3] Levine RA, Nam EC, Melcher JTrends Amplif. 2008 Sep; 12(3):242-53.
[4] Nuttal AL, Meikle MB, Trune DR. Peripheral process involved in tinnitus. In: Snow JB, editor. Tinnitus: theory and management.Ontario: BC Decker; 2004. pp. 52–68.