Hipertensão arterial sistêmica | sintomas, causas e fisiopatologia

A hipertensão arterial sistêmica é uma doença caracterizada por pressão excessiva do sangue nas artérias.

 

INDICE

Fisiologia da pressão arterial

Esses informações nos permitem compreender as escolhas diagnósticas e terapêuticas para o tratamento da hipertensão arterial.
A pressão é determinada pela razão de dois fatores: fluxo e resistência.
Os valores da pressão arterial são obtidos com a fórmula: P = F x R

P = pressão
F = fluxo
R = resistência

O fluxo depende do débito cardíaco:

  1. Pré-carga -> é o retorno venoso na fase diastólica, depende de vários fatores, mas em particular do volume de sangue,
  2. Atividade cardíaca (eficiência da bomba);

A resistência R é dada pela fórmula:

hipertensão arterial, resistência, artéria

η = viscosidade do sangue, L = comprimento do tubo, r é o raio médio arteriolar está elevado à quarta, tem um papel muito importante na fisiopatologia.

Os fatores que influenciam a pressão arterial são:

  • O volume de sangue,
  • Atividade cardíaca,
  • A viscosidade do sangue,
  • O raio arteriolar médio.

 

Volume de sangue circulante

O componente fluido está relacionado à concentração de sódio.
Se a quantidade de sódio aumentar:

  1. Mais água se acumula no espaço extracelular e no plasma sanguíneo,
  2. Aumenta a massa de sangue circulante, logo também a pressão.

No caso de aumento da concentração de sódio, as arteríolas tornam-se mais sensíveis aos estímulos vasoconstritores.
A regulação e a concentração do sódio dependem de:

  1. Mecanismo de sede -> o estimulo da sede é influenciado pela concentração relativa de sódio,
  2. Secreção de HAD (em inglês ADH) ou hormônio antidiurético que atua ao nível dos dutos coletores renais e causa retenção de água.

Sistema cardiovascular
A vasopressina aumenta a resistência periférica, logo provoca o aumento da pressão arterial.
A variação relativa da volemia (volume sanguíneo total) também pode ocorrer devido a:

  • Acúmulo de massa sanguínea em algumas áreas,
  • Aumento do tom das vénulas pós-capilares que influenciam o retorno venoso do sangue ao coração.

As veias são o principal sistema de depósito do sistema circulatório: contêm mais de 50% do sangue.
Se o tônus ​​muscular das veias aumentar, o sangue que podem conter é reduzido.
A conseqüência é um maior enchimento diastólico dos ventrículos.

 

Atividade cardíaca

A musculatura lisa do coração é controlada pelo sistema vegetativo autônomo através de:

  1. O nervo vago,
  2. O sistema nervoso simpático (que tem o efeito oposto).

A atividade do simpático consiste na liberação de substâncias neuro-hormonais: adrenalina e noradrenalina.
Essas causam:

  1. Vasoconstrição,
  2. O aumento dos batimentos cardíacos,
  3. Uma maior força de contração do coração.

A conseqüência é o aumento do débito cardíaco e, portanto, da pressão.
O nervo vago (sistema parassimpático) tem o efeito oposto porque tem uma ação vasodilatadora.

 

Raio da artéria

É o fator mais importante (está elevado à quarta potência). Qualquer coisa que afeta o diâmetro das artérias pequenas tem um efeito dramático sobre a pressão.
Existem três fatores fundamentais que influenciam o raio médio das artérias:

  • Influências neurovegetativas,
  • Angiotensina II,
  • Substâncias que atuam localmente.

Influência neurovegetativa
No nível periférico, as substâncias que têm um efeito vasoconstritor e causam um aumento na pressão são:

  • Endotelinas,
  • Tromboxanos.

As substâncias que reduzem esse efeito são:

  • Óxido nítrico,
  • Prostaglandinas.

 

Viscosidade do sangue

A viscosidade do sangue tem um papel pouco importante na fórmula.
A viscosidade aumenta em caso de:

  1. Aumento da concentração de células sanguíneas (por exemplo, na policitemia ou no mieloma múltiplo),
  2. Aumento das proteínas plasmáticas.

 


Classificação da hipertensão arterial

A pressão arterial alta pode ser:

1. Essencial ou primária se não existe uma causa certa, mas existem muitos fatores de risco. Este tipo afeta 95% das pessoas que sofrem de hipertensão.

2. Secundária se é causada por uma doença de um órgão, por exemplo, rins, glândulas supra-renais ou o coração. Afeta apenas 5% das pessoas com hipertensão.

3. Maligna não é causada por um tumor, mas ocorre quando a pressão é muito alta e provoca danos aos órgãos. Por exemplo, ao nível dos olhos pode causar um inchaço chamado de edema papilar, também pode causar insuficiência renal e doença cardíaca.

 

Fatores de risco cardiovasculares

  • Idade (homens> 55 anos, fêmeas> 65 anos);
  • Tabagismo;
  • Álcool;
  • Falta de atividade física,
  • Stress,
  • Dislipidemia (hiperlipidemia);
    • Colesterol total> 250 mg / dL ou
    • LDL > 155 mg / dL ou
    • HDL < 40 em homens, < 48 em mulheres.
  • História familiar da doença cardiovascular inicial
    • 55 anos em homens,
    • 65 anos em mulheres,
  • Obesidade abdominal (circunferência abdominal> 102 cm em homens e > 88 cm em mulheres).

 

Causas da hipertensão arterial

Hipertensão endócrina

 

Problemas da tireóide

A hipertensão pode ser causada por:

 

Hiperparatiroidismo

As glândulas paratireóides regulam os níveis de cálcio e fósforo no organismo.
Se a produção do hormônio paratireóideo é excessiva, a quantidade de cálcio no sangue aumenta.
A conseqüência é um aumento na pressão arterial.

 

Hiperaldosteronismo primitivo

Caracteriza-se por uma produção excessiva de aldosterona.
É um adenoma adrenal benigno que envolve:

  • Células na zona glomerular (produzindo aldosterona),
  • Em 20-25% hiperplasia nodular bilateral das células corticais (um pouco mais difícil de ver),
  • Em outros casos, se pode destacado uma massa real.

A aldosterona provoca reabsorção de sódio e excreção de potássio, por isso causa:

  • Um aumento no fluido extracelular,
  • Um volume de sangue maior.

Também aumenta a sensibilidade das células musculares lisas das paredes das artérias aos estímulos de vasoconstrição do sistema simpático.

 

Hiperaldosteronismo secundário

A redução do fluxo sanguíneo para o rim é sentida pelo sistema renina-angiotensina-aldosterona e provoca um aumento da aldosterona no sangue, esta situação pode ser observada no caso de:

  • Estenose da artéria renal,
  • Edema extracelular (acumulação de líquido)
  • A redução do sódio plasmático causado por diuréticos provoca uma diminuição do volume plasmático. A conseqüência é a ativação dos mecanismos de regulação renal.

 

Feocromocitoma

É um tumor que pode ser:

  1. Na medula adrenal, em 90% dos casos
  2. Em 10% dos casos, é encontrado no nível de:
    1. Paragânglios (grupos de células neuroendócrinas),
    2. Coração,
    3. Bexiga,
    4. Próstata,
    5. Ovários (paraganglioma).

As células cromafinas secretam adrenalina e noradrenalina que causam um aumento da pressão arterial.
O médico suspeita de feocromocitoma em uma pessoa jovem que sofre de crises hipertensivas intermitentes, logo a hipertensão é paroxística..

Fisiopatologia
O aumento da pressão intra-abdominal estimula a liberação de catecolaminas.
Isso ocorre durante:

  • Inclinar-se para frente,
  • Espirro,
  • Risos fortes
  • Uma refeição abundante,
  • Esforços para a defecação ou micção;
  • A palpação profunda do abdômen.

Sintomas
Os sintomas que podem ocorrer são:

 

Síndrome de Cushing

Caracterizada por uma produção excessiva de cortisol que tem uma função semelhante à da aldosterona.

 

Síndromes adrenogenitais

Incluem um grupo de doenças congênitas caracterizadas por alterações no metabolismo dos hormônios sexuais que ocorrem no córtex adrenal:

  • Andrógenos (zona reticulada);
  • Cortisolo (área fasciculada);
  • Aldosterona (zona glomerular).

A síndrome adrenogenital é uma condição que pode ser causada pela falta de uma das 5 enzimas envolvidas na síntese de cortisol.
Neste caso, o hipotálamo e a hipófise detectam um baixo nível de cortisol (feedback negativo).
Nessa situação estimulam a produção de CRH (hormônio liberador de corticotropina) e ACTH (hormônio adrenocorticotrófico).
A conseqüência é:

  1. A hiperestimulação do córtex da glândula adrenal,
  2. Uma maior produção de substâncias que agem como a aldosterona e causam a hipertensão.

 

Acromegalia

Esta doença é caracterizada por uma produção excessiva de hormônio somatotrópico (GH), geralmente é causada por um adenoma pituitário.
Os pacientes têm um crescimento dos ossos no crânio e nas mãos.
Na idade adulta, as mudanças na estrutura do corpo também afetam os tecidos moles.
A hipertensão encontrada em 20-50% dos pacientes com acromegalia é causada por:

  • Um aumento no volume de plasma,
  • Maior sensibilidade dos vasos à angiotensina II.

 

Hipertensão renal

Hipertensão nefrovascular

O tipo mais comum de hipertensão secundária é o nefrovascular.
A estenose da artéria renal causa uma redução na pressão sanguínea no rim.
A consequência é a ativação do mecanismo renina-angiotensina-aldosterona que causa:

  1. Um aumento no volume de plasma,
  2. Retenção de sódio.

Causas:

  • Em 90% dos casos, estas são placas ateroscleróticas em indivíduos idosos, freqüentemente encontrados em ambos os rins;
  • Em 10% um espessamento da parede ocorre no trato mais distal (a parte final), falamos de displasia fibromuscular.

 

Hipertensão causada por nefropatia

Todas as nefropatias podem causar hipertensão:

  • Glomerulonefrite,
  • Pielonefrite,
  • Nefropatia diabética,
  • Nefropatia causada por analgésicos (tumores com secreção de renina).

O desenvolvimento da hipertensão pode ser a conseqüência de:

  • Mau funcionamento das arteríolas aferentes no aparelho juxtaglomerular;
  • O rim é incapaz de produzir substâncias que reduzem a pressão, tais como: prostaglandinas e bradicinina ou produzem muitas substâncias com ação hipertensiva;
  • Diminuição da capacidade de excreção de sódio.

 

Outras causas de hipertensão

  1. Hipertensão neurogênica: doenças cerebrais tais como: trauma ou neoplasia que podem causar aumento na pressão intracraniana;
  2. Policitemia: provoca um aumento da viscosidade que pode causar hipertensão.
  3. Pré-eclâmpsia: O problema que ocorre após a vigésima semana de gravidez, é acompanhado pelo sofrimento de diferentes órgãos e sistemas, incluindo o rim. Ocorre a proteinúria e formação de edemas, convulsões (no caso da eclampsia), coagulação intravascular disseminada (CID), etc..
  4. Apnéia do sono. A respiração é muitas vezes interrompida durante o sono, a conseqüência é uma redução do oxigênio que entra no corpo.
  5. Coartação aórtica: uma estenose sob o arco aórtico, a jusante das artérias que transportam o sangue para o cérebro e para os braços. No exame físico, o médico observa a ausência ou uma redução importante dos pulsos femorais;
  6. Efeito secundário de drogas ou outras substâncias:
    • Carbenoxolona,
    • Corticosteróides,
    • Inibidores da monoaminoxidase (I-MAO),
    • Vasoconstritores nasais,
    • Contraceptivos orais contendo estrogênios,
    • Abstinência abrupta de drogas para hipertensão.
    • Alcaçuz.

 


Sinais e sintomas da hipertensão arterial

A maioria das pessoas com hipertensão arterial não tem sinais ou sintomas, mesmo que os valores de pressão arterial atinjam altos níveis.
De acordo com um estudo de Di Tullio et al. – (Istituto di Richerche Farmacologiche Mario Negri, Università di Milano, Italy), o seguinte parece ser causado pela pressão alta ou de terapia de hipertensão

 

Complicações e consequências da hipertensão arterial

As complicações podem ser:

  • Vasculares,
  • Ao nível dos órgãos afetados.

Os problemas mais graves ocorrem no sistema cardiovascular:

  • Arteriosclerose – em artérias de calibre médio e grande, particularmente as artérias coronárias. O curso torna-se tortuoso e o fluxo turbulento. As conseqüências são: lesões do endotélio, dissecção aórtica, ruptura de placas ou trombo.
  • Arteriolosclerose (nas arteriolas), com micro-hemorragias, inflamação e necrose fibrinóide (degeneração com acumulação de fibrinogênio e outras proteínas plasmáticas) nos órgãos afetados.

O aumento dos níveis de pressão arterial causa mudanças orgânicas:

  • O trabalho do ventrículo esquerdo do coração aumenta. A conseqüência é a hipertrofia ventricular, dilatação e a insuficiência cardíaca. Além disso, o coração trabalha mais e consome mais O2. Dado que o fluxo sanguíneo coronário é reduzido devido à aterosclerose, ocorre a doença cardíaca isquêmica (risco de infarto do miocárdio).
  • No cérebro se desenvolvem: trombose (para aterosclerose), hemorragias (causadas pela ruptura de microaneurismas), essas mudanças podem levar ao coma. Infelizmente, na tomografia não se podem ver as lesões porque são pequenas e estão ligadas à alteração da microcirculação.
  • O rim tem um fornecimento sanguíneo reduzido devido a arteriosclerose e arteriolosclerose. Isso pode causar danos irreversíveis ao rim até insuficiência renal. Uma alteração no fluxo sanguíneo ocorre nos glomérulos devido à hipertensão nos capilares glomerulares.
  • O olho é um dos órgãos mais afetados. Ao longo do tempo, a pressão arterial elevada pode causar danos aos vasos sanguíneos da retina. Na microcirculação do olho:
    • As artérias encolhem,
    • Os cruzamentos arteriolovenulares são formadas (a veia tem tortuosidade e é perpendicular à artéria),
    • Podem ocorrer oclusão e micro-infarto, manchas brancas algodonosas (exsudatos
      duros), hemorragias retinianas superficiais em “chama de vela”,
    • No grau mais avançado, hà o edema da papila óptica com risco de trombose. Nesta fase, a retinopatia hipertensiva pode causar problemas de visão e também pode levar à cegueira.
  • Hipertensão maligna (acelerada) significa que a pressão diastólica é muito alta, maior que 120/130mmHg. Un dano direto ao endotélio vascular é observado. A conseqüência é a liberação de endotelina-1 que causa vasoconstrição. Além disso, a produção de renina não é inibida (como deveria acontecer pelo aumento da pressão arteriolar), mas aumenta.

Complicações, consequências, hipertensão arterial

Leia também