Sintomas da desidratação

ÍNDICE

A desidratação ocorre quando o corpo perde muito líquido.
Isso pode acontecer quando o indivíduo não bebe água o suficiente ou perde grandes quantidades de líquido através de diarreia, vômitos, transpiração ou exercício físico.
Se não beber os líquido perdidos, pode se desidratar.
Dado que aproximadamente 75% do peso corporal é composto por água encontrada no interior das células, dentro dos vasos sanguíneos e entre as células, para sobreviver é necessário ter muito líquido no corpo.

Classificação e tipos de desidratação

Existem três tipos de desidratação:
1. A desidratação isotônica (ou isosmótica) ocorre quando a pessoa perde água e sais minerais na mesma proporção.
Nas células deve haver um equilíbrio entre a água e os sais minerais.
Geralmente este tipo de desidratação é causada por diarreia.

2. A desidratação hipertônica geralmente afeta bebês ou crianças.
Hipertônica significa altos níveis de sal no sangue; portanto, este tipo de desidratação ocorre quando uma criança perde mais água do que o sal.
Por exemplo, quando o recém-nascido tem uma diarreia aquosa ou vomita excessivamente.

3. A desidratação hipotônica ocorre quando a perda de eletrólitos, em especial o sódio, é superior à perda de água.

Quais são as causas da desidratação?

Às vezes não é possível consumir a quantidade necessária de líquidos, por exemplo por muitos compromissos, porque faltam as estruturas ou porque a pessoa vive em uma área sem água potável (por exemplo, ao praticar trekking ou em um acampamento).

Causas adicionais de desidratação são:

  • Diarreia – a causa mais comum de desidratação e mortes relacionadas com ela. O intestino grosso absorve a água dos alimentos digeridos; a diarreia impede esta função e causa a desidratação.
  • Vômitos – provoca a perda de líquido e dificuldade para beber.
  • Transpiração – quando a temperatura do corpo sobe, o corpo libera uma quantidade significativa de água em forma de suor. O clima quente e úmido, juntamente com atividade física intensa, pode aumentar ainda mais a perda de líquidos com a transpiração.
  • Diabetes – o nível alto de açúcar no sangue causa um aumento da micção e uma perda de líquidos.
  • Micção frequente – geralmente é causada por diabetes não controlada, mas também pode ser causada por álcool e remédios diuréticos, anti-histamínicos, medicamentos para pressão arterial alta e antipsicóticos.
  • Queimadura – a água infiltra-se na pele danificada e o corpo perde líquidos.
  • Incapacidade de beber líquidos – a incapacidade de beber corretamente é outra causa potencial de desidratação, por exemplo nos seguintes casos:
    • Falta de disponibilidade de água,
    • Náusea intensa com ou sem vômitos,
    • Falta de força para beber.

Doenças
As doenças que causam vômitos contínuos ou diarreia podem causar desidratação.
Isso ocorre porque os vômitos e diarreia podem causar muita perda de água do corpo.
Os eletrólitos são substâncias essenciais para o funcionamento da atividade celular e são perdidos junto com a água.
Os eletrólitos são encontrados no sangue, urina e outros fluidos corporais.
Vômitos ou diarreia podem alterar essas funções e causar sérias complicações como acidente vascular cerebral e coma.

Febre
Em caso de febre, o corpo perde líquidos porque transpira muito na tentativa de abaixar a temperatura do corpo.
Muitas vezes, a febre pode causar muito suor. Se a pessoa não beber para recuperar os líquidos, pode se desidratar.

Outras causas
Os idosos têm uma chance maior de se tornar desidratados pelas seguintes razões:

  • Não bebem água porque não sentem sede como as pessoas mais jovens.
  • Os rins não funcionam bem.
  • Optam por não beber por causa da incapacidade de controlar a bexiga (incontinência).
  • Tomam medicamentos que aumentam a produção de urina.
  • Não têm dinheiro suficiente para se alimentar corretamente.
  • Têm problemas físicos ou uma doença que provoca:
    • Dificuldade para beber ou para segurar um copo.
    • Dor ao se levantar da cadeira.
    • Dor ou fadiga quando vão ao banheiro.
    • Dificuldade de falar ou se comunicar com alguém sobre os sintomas.

Desidratação em bebês e crianças pequenas

Bebês e crianças pequenas têm uma chance maior de se tornar desidratados porque:

  • Uma porcentagem mais elevada dos tecidos do corpo é composta por água.
  • As crianças têm uma alta taxa metabólica e, portanto, o corpo usa mais água.
  • Os rins de uma criança não retêm a água como os rins de um adulto.
  • O sistema imunológico de uma criança não está totalmente desenvolvido e isso aumenta a probabilidade de ter uma doença que causa vômitos e diarreia.
  • As crianças muitas vezes não comem nem bebem quando não se sentem bem.
  • Os recém-nascidos dependem da sua mãe para a ingestão de alimentos e líquidos.

 

Quem corre o risco de desidratação?

Embora a desidratação possa ocorrer a todos, algumas pessoas correm mais risco. As categorias com maior risco são:

  • Pessoas que vivem em altitudes elevadas;
  • Atletas, especialmente aqueles que praticam esportes de resistência como maratonas, triátlon e ciclismo. A desidratação pode piorar os desempenhos no esporte;
  • Pessoas com doenças crônicas como diabetes, doenças renais, distúrbios das glândulas adrenais, alcoolismo e fibrose cística;
  • Idosos, bebês e crianças.

Sintomas de desidratação

É importante reconhecer os sintomas de desidratação tão logo eles ocorram.
A desidratação não tratada pode causar um choque.
Os sinais e sintomas de desidratação incluem:

Como saber se a criança está desidratada?
Os sintomas que indicam se a criança está desidrat
ada ou se está se tornando desidratada são:

  • Mais de seis a oito horas sem molhar a fralda;
  • Urina que aparece mais escura na fralda e tem um cheiro mais forte do que o habitual;
  • Letargia (cansaço excessivo);
  • Boca e lábios secos e áridos;
  • Falta de lágrimas quando chora.

Sinais de que a criança pode estar gravemente desidratada:
1. Olhos fundos;
2. Mãos e pés frios, com manchas na pele;
3. Excessiva sonolência;
4. Crânio afundado.

Complicações da desidratação

desidratação,diarréia,água potável,sais mineraisA desidratação pode causar sérias complicações, incluindo:

Golpe de calor
Se não bebermos bastante líquidos enquanto estamos fazendo uma atividade física intensa e suamos muito, podemos desenvolver um golpe de calor que varia de cólicas leves a uma doença potencialmente fatal.

Edema cerebral
Às vezes, quando tomamos líquidos depois de uma desidratação, o corpo tenta armazenar muita água nas células.
Isso pode causar inchaço excessivo das células do cérebro e a ruptura.
As consequências são particularmente graves quando as células do cérebro são afetadas.

Convulsões
Os eletrólitos como potássio e o sódio ajudam a transportar os sinais nervosos de uma célula para outra.
Se os eletrólitos estão em equilíbrio, mensagens elétricas comuns podem se tornar confusas e isso pode causar contrações musculares involuntárias e, às vezes, perda de consciência.

Choque hipovolêmico
Esta é uma das complicações mais graves e por vezes perigosa da desidratação.
Ocorre quando uma redução no volume de sangue provoca uma queda da pressão arterial e da quantidade de oxigênio no corpo.

Insuficiência renal
Este problema potencialmente letal ocorre quando os rins não são mais capazes de remover o excesso de líquidos e resíduos do sangue.

Coma e morte
Se não for  tratada de forma adequada, uma desidratação grave pode ser mortal.

Diagnóstico de desidratação

Exames e testes
Um exame físico deve verificar os seguintes sinais:

  • Pressão arterial que diminui ao passar da posição deitada à posição ereta;
  • Pressão arterial baixa;
  • Tensão da pele; a pele pode não ser mais elástica como antes e depois de um beliscão volta muito lentamente à sua posição original (normalmente, a pele volta ao normal imediatamente);
  • Batimento cardíaco rápido (taquicardia);
  • Choque.

Entre os testes que são efetuados:

1. Exames de sangue (para verificar os eletrólitos, especialmente sódio, potássio e níveis de bicarbonato),
2. BUN: nitrogênio ureico no sangue elevado,
3. Hemograma completo: o valor das células do sangue são mais altos,
4. Valores da creatinina elevados,
5. Peso específico da urina.

Tratamento para desidratação e remédios naturais

Soluções de reidratação
Quando estamos desidratados, perdemos o açúcar e os sais junto com a água. Beber uma solução de reidratação permite restaurar o equilíbrio de fluidos corporais.
A solução deve conter uma mistura de sais de potássio e de sódio, bem como glicose ou amido.
Existem vários produtos para a reidratação disponíveis em farmácia com ou sem prescrição do médico, incluindo soluções adequadas a bebês e crianças.

Desidratação grave
Quem suspeita que uma pessoa está gravemente desidratada deve chamar imediatamente o pronto socorro.
Pode ser necessária uma internação para o tratamento.
Em particular, bebês, crianças e idosos precisam urgentemente de um tratamento em caso de desidratação.

Os fluidos podem ser administrados através do nariz através de uma sonda nasogástrica ou usando um soro na veia (intravenosa).
Dessa maneira, as substâncias nutrientes essenciais são assimiladas mais rapidamente se comparadas com as soluções de beber.

A melhor maneira de tratar a desidratação é reidratar o corpo com muito líquido, como água, leite semidesnatado, xarope diluído ou suco de fruta diluído.
Um bebida doce pode ajudar a repor o açúcar perdido e lanches salgados podem ajudar a ingerir o sal perdido.

Os lactentes e crianças desidratados não devem beber somente água porque ela diluiria o nível de minerais (já baixo) do corpo e poderia piorar o problema.
As crianças precisam de xarope diluído, suco de fruta ou uma solução de reidratação especial.
Se a criança tiver dificuldade para beber líquidos devido a vômitos ou diarreia, é possível tentar fazê-la tomar pequenas quantidades frequentemente.
Para dar à criança uma pequena quantidade de líquido, pode ser mais simples usar uma colher ou seringa.

Leia também