Perda auditiva ou hipoacusia

 

ÍNDICE


A perda auditiva (ou hipoacusia) significa redução da capacidade auditiva: ocorre quando um componente do sistema auditivo ou da orelha não funciona da maneira correta.

 

Tipos de perda auditiva (ou hipoacusia)

1) Hipoacusia de transmissão – Cada problema do ouvido externo ou da orelha média que impede a condução adequada do som é conhecido como “perda da capacidade auditiva de transmissão “.

São geralmente leves ou moderadas, entre os 25 e os 65 decibéis, e também podem ser temporárias.

2) Hipoacusia neurossensorial – Nasce de:

  • Uma perda ou uma lesão das células sensoriais ciliadas da cóclea,
  • Uma lesão do nervo acústico.

Normalmente é profunda e permanente.

O som chega de forma normal para o ouvido interno, mas aqui os problemas mencionados anteriormente não permitem enviar corretamente as informações acústicas aos centros nervosos superiores.
Também é conhecida como “surdez neurossensorial “, e pode ser:

  • Leve,
  • Moderada,
  • Grave,
  • Profunda.

Muitas vezes estes pacientes usam aparelhos ou sistemas auditivos implantáveis para o ouvido médio.

3) A hipoacusia perceptiva ocorre quando existe um defeito no aparelho que recebe e processa os sinais nervosos no cérebro.

4) Surdez mista – A perda de capacidade auditiva mista é simultaneamente condutiva e neurossensorial.

 


Classificação da perda auditiva

A hipoacusia também pode ser classificada em graus:

  • Hipoacusia leve (perda auditiva incluída entre os 20 e os 40 decibéis) – O paciente com uma deficiência auditiva leve percebe a maioria dos discursos, mas os sons suaves e leves são difíceis de ouvir.
  • Hipoacusia moderada (40-70 db) – O paciente com uma perda auditiva moderada tem grande dificuldade em compreender uma pessoa que está falando com um tom normal de voz.
  • Hipoacusia grave (70-90 db) – Estes pacientes não entendem o que diz uma pessoa com um nível de voz normal, ouvem só alguns sons altos.
  • Hipoacusia profunda (> 90 db) – O paciente com uma perda auditiva profunda não percebe nenhum discurso, mas apenas alguns sons muito fortes.

A perda auditiva pode ser:

  • Unilateral ou bilateral
    A hipoacusia é unilateral quando ocorre somente no ouvido esquerdo ou só no direito.
    A hipoacusia é bilateral quando afeta ambos os ouvidos.
  • Pré-lingual ou pós-lingual
    A hipoacusia é chamada de pré-lingual se for diagnosticada antes que uma pessoa tenha aprendido a falar ou é chamada de pós-lingual se aparece depois.
  • Simétrica ou assimétrica
    A perda auditiva é idêntica em ambas as orelhas ou é diferente em cada orelha: falamos respectivamente de hipoacusia simétrica e de hipoacusia assimétrica.
  • Progressiva ou súbita
    A hipoacusia se agrava ao longo do tempo de forma gradual ou ocorre rapidamente, de repente.
  • Flutuante ou estável
    A hipoacusia tem melhorias e pioramentos ao longo do tempo, ou sempre permanece estável.
  • Com origem congênita ou adquirida
    A perda da audição está presente ao nascimento ou aparece mais tarde na vida do paciente.

 

Causas da perda do ouvido

Perda auditiva ou hipoacusia

A idade avançada e os barulhos fortes são as causas mais comuns de perda auditiva.

A idade é a maior causa da perda auditiva: a hipoacusia aumenta à medida que se envelhece, com a idade de 80 anos a maioria das pessoas tem problemas de audição significativos.
A hipoacusia em idosos ocorre quando as células ciliadas dentro da cóclea gradualmente morrem ou se lesionam uma vez mais: este tipo de perda da capacidade auditiva é conhecido como hipoacusia neurossensorial.
Os primeiros sons que estes pacientes não percebem mais são aqueles em altas frequências (agudos), como as vozes das mulheres ou das crianças, mas também é mais difícil ouvir as consoantes.
Os sons de baixa frequência são captados mais facilmente.

Uma outra causa frequente de perda auditiva é a lesão do ouvido causada por uma exposição repetida a fortes ruídos ao longo do tempo: as células ciliadas dentro da cóclea são prejudicadas, é uma hipoacusia do tipo neurossensorial.
Pode ocorrer

  • Em pessoas que exercem o trabalho com ferramentas barulhentas (doença profissional).
  • Após muitas noites na discoteca.

A hipoacusia neurossensorial também pode ser causada por:nervo,auditivo,canais,semicirculares

    • Surdez genética – algumas pessoas nascem ou se tornam surdas ao longo do tempo devido à anomalia genética, mesmo se nem sempre existe a familiaridade.
    • Infecção viral do ouvido interno – por exemplo o vírus da caxumba ou do sarampo.
    • Infecção do nervo auditivo – causada pelo vírus da caxumba ou pelo vírus da rubéola.
    • Surdez rino-tubária – resulta da inflamação das vias respiratórias superiores (nariz e garganta), nas crianças ocorre junto à amigdalite ou ao inchaço das adenoides.
    • Síndrome de Ménière – uma pessoa sofre de vertigem, tinnitus (zumbido nos ouvidos) e tem a sensação de haver uma orelha inchada e entupida, enquanto a hipoacusia tem uma tendência variável ao longo do tempo.
    • Síndrome de Usher – é uma desordem genética que provoca surdez, perda da visão e em alguns casos, sérios problemas de equilíbrio.
  • Neurinoma acústico – é um tumor benigno da bainha do revestimento do nervo acústico.
  • Meningite – é uma infecção das membranas protetoras em torno do cérebro e da medula espinhal.
  • Labirintite – é uma inflamação do labirinto e dos canais semicirculares do ouvido, causa vertigem, perda auditiva, zumbido, náusea e vômitos.
  • Encefalite – é uma inflamação do cérebro.
  • Esclerose múltipla – é uma doença neurológica que afeta o sistema nervoso central.
  • Acidente vascular cerebral – o fornecimento de sangue para o cérebro é interrompido, isso pode afetar as áreas sensíveis primárias da audição. A obstrução da artéria auditiva interna pode causar uma leve perda auditiva zonal ou uma isquemia do labirinto que provoca a surdez.

As causas mais frequentes de hipoacusia de transmissão são uma obstrução mecânica do canal do ouvido (por exemplo, por um excesso de cera), um acúmulo de líquido ou uma infecção no ouvido médio.

Existem outras causas mais raras de perda auditiva de transmissão:


  • Tímpano perfurado – o tímpano é prejudicado ou tem um buraco.
  • Otosclerose – é um crescimento anormal dos ossos do ouvido médio que provoca uma hipomobilidade do estribo e uma consequente menor eficácia na transmissão de sons.
  • São muito raros os danos à cadeia ossicular causados por um traumatismo craniano (por exemplo, um tapa), a ruptura da membrana timpânica ou um colesteatoma, ou seja, uma massa anormal de células epiteliais dentro do ouvido médio.
  • O uso prolongado do fone de ouvido é um problema juvenil que está aparecendo.
    Nos últimos anos ocorreu um aumento alarmante de hipoacusia entre os jovens, o problema parece ter sido agravado pelo uso crescente e contínuo de fones de ouvido para ouvir a música.

Geralmente, a hipoacusia de transmissão é temporária e é tratada com medicamentos ou com uma pequena cirurgia.


Ouvido interno, martelo, bigorna, estribo Hipoacusia temporária

Existem várias causas que provocam uma perda de audição temporária: a maioria são reversíveis após um tratamento adequado.
Algumas das mais comuns são:

Acúmulo de cera
A produção de cera no ouvido é um processo natural, mas às vezes a cera se acumula no canal auditivo e impede que as ondas sonoras alcancem o tímpano.

Infecções do ouvido médio
Ocorrem com mais probabilidade se o paciente está sofrendo de resfriado ou tem febre: nestas condições é mais fácil que o catarro se acumule e invada a trompa de Eustáquio que liga o ouvido e a garganta.
A consequência é uma otite média em que pode ocorrer até mesmo um rasgo ou uma ruptura do tímpano, o paciente sente dor e pode ter perda de sangue ou de pus do ouvido.

otite,média

Mudança de pressão
Viajando de avião, algumas pessoas sofrem de perda de audição temporária devida à diferença de pressão entre o ouvido médio e a pressão atmosférica que não é contrabalançada de forma eficaz pela trompa de Eustáquio.

Exposição a sons altos

Lesões. Por exemplo, uma lesão na cabeça ou no ouvido.

Outras causas:

  • Estreitamento do canal auditivo
  • Complicações cirúrgicas
  • Corpos estranhos ou tumores no ouvido
  • Defeitos congênitos.

 


Surdez unilateral

A perda de audição em um ouvido ou “surdez unilateral” é um distúrbio de audição em que uma pessoa é capaz de ouvir normalmente com uma orelha, mas não ouve nada com a outra orelha.
A surdez de apenas um ouvido pode ser repentina, por exemplo, uma pessoa vai dormir com uma função auditiva normal e acorda na manhã seguinte com uma perda completa da audição em um ouvido.

Não existe uma causa única para esta patologia: algumas crianças nascem com surdez unilateral, enquanto em outras é causada por complicações que ocorrem durante a gravidez.
Na adolescência, esta doença é causada por:

Em alguns casos parece uma doença hereditária, enquanto em adultos as causas mais comuns são:

  • Infecções graves,
  • Um tampão de cera no canal auditivo,
  • Um trauma.

 



A hipoacusia em criançastímpano,martelo,bigorna,estribo

A hipoacusia infantil pode ser:

  • Neurossensorial: é devida à fatores congênitos como toxoplasmose, rubéola, CMV, herpes ou sífilis, fatores genéticos, síndromes específicas, baixo peso ao nascer, ruído ou medicamentos ototóxicos.
  • Condutiva: é causada por anormalidades na formação do ouvido externo, do tímpano, da cadeia ossicular ou do ouvido médio.
  • Adquirida: é mais frequentemente causada por um excesso de cera no canal auditivo, um objeto estranho no ouvido, câncer, problemas com a trompa de Eustáquio, otite aguda e/ou crônica e perfuração do tímpano.

 


Sintomas da hipoacusia

Os primeiros sinais de perda auditiva são:

  • Dificuldade em ouvir claramente o que dizem as outras pessoas
  • O paciente muitas vezes pede às pessoas para repetir o que elas dizem
  • Ouvir música ou assistir televisão com volume alto
  • Dificuldade em ouvir o telefone ou a campainha de casa
  • Os pacientes muitas vezes se sentem cansados ou estressados, porque se concentram excessivamente para ouvir as outras pessoas.


Perda auditiva, hipoacusia, cóclea Tratamento para a perda de ouvido ou hipoacusia

Primeiro de tudo serve uma consulta com um otorrinolaringologista que executa alguns exames (por exemplo, o exame audiométrico) para descobrir a causa e definir o tratamento mais adequado.
O tratamento depende do tipo de perda auditiva que tem o paciente:

  • * A cirurgia melhora as perdas auditivas causadas por uma otosclerose ou por uma excessiva cicatrização na orelha,
  • * As infecções do ouvido são mais frequentemente tratadas com um antibiótico e, nos casos mais graves, com uma cirurgia.
  • * A síndrome de Ménière se cura com uma dieta específica e medicamentos.

A hipoacusia é causada também pelo uso de particulares medicamentos, nestes casos recomendamos ao paciente de consultar o seu médico para escolher um tratamento farmacológico alternativo.


Em qualquer caso, o tratamento rápido para uma perda auditiva súbita aumenta significativamente as chances de recuperação do paciente.
Em caso de hipoacusia súbita causada por danos aos nervos da orelha, se o paciente não tem contraindicações, pode conseguir bons resultados com a câmara hiperbárica que aumenta a concentração de oxigênio no sangue.

Os pacientes com uma perda de audição permanente precisam aprender como usar de forma eficaz as capacidades de audição residuais: a maioria desses pacientes se beneficiam de um aparelho auditivo, mesmo se é usado apenas por uma pessoa em cada cinco.
Os aparelhos auditivos são pequenas ferramentas usadas normalmente dentro ou atrás da orelha, deixando os sons mais altos e claros para o paciente.
Muitas vezes, os sons são diferentes quando se ouvem através de um aparelho auditivo, portanto é importante falar com o seu médico para definir metas realistas para a recuperação da hipoacusia.

Existem algumas novas tecnologias que tornam possível melhorar a percepção dos sons de pacientes que sofrem por hipoacusia: novos dispositivos auriculares sintonizam o paciente sobre o que quer ouvir, silenciando os outros sons supérfluos.

Também existem dispositivos que tornam audível o rádio ou a televisão para o paciente, sem aumentar muito o volume, além disso alguns dispositivos de amplificação sonora foram projetados especificamente para os telefones de casa e os celulares, e servem para escutar melhor e de maneira mais nítida as conversas.
No final, os implantes cocleares são usados especialmente em crianças pequenas, mas estão se tornando cada vez mais populares entre os adultos com uma perda da capacidade auditiva profunda.