Dor na gravidez

 

ÍNDICE


As dores na gravidez podem ocorrer em diferentes partes do corpo.
Em alguns casos são semelhantes às dores menstruais do ciclo normal:

 


Dor de cabeça na gravidez

A dor de cabeça é comum durante a gravidez.
Antes de tomar um medicamento, é necessário perguntar ao médico se é seguro e não irá prejudicar o bebê.
Em vez de medicamentos, as técnicas de relaxamento podem ajudar.
A dor de cabeça pode ser um sinal de pré-eclâmpsia (pressão arterial alta durante a gravidez).
Se a dor piorar e não passar facilmente quando a paciente toma o medicamento Alivium, especialmente perto do fim da gravidez, é necessário informar o médico.

 


Dormência e formigamento na gravidez

Quando o útero cresce pode pressionar os nervos nas pernas.
Isso pode causar dormência e formigamento nas pernas e nos pés.
Isso é normal e passa depois do parto (podem passar duas semanas ou meses).

Também é possível sentir uma dormência ou um formigamento nos dedos das mãos.
O formigamento nas mãos também pode ser um sintoma da síndrome do túnel do carpo induzida pela gravidez.
Pode ser observado muitas vezes:

  • Durante a noite,
  • Ao acordar.

Se a mulher sentir desconforto, pode usar uma órtese à noite.

 


Dor na coluna na gravidez

A dor lombar durante a gravidez é muito comum; algumas mulheres não conseguem se levantar da cama nos últimos meses.
A dor na coluna na parte baixa pode se manifestar entre o quinto e o sexto mês e durar por várias semanas ou meses.
A dor lombar pode ser leve ou muito forte, embora seja de tipo muscular.

A área da dor pode ser:

Para evitar ou reduzir a dor lombar e sacral:

  • É necessário manter a postura correta para não ter dor nas costas.
  • Não se deve usar sapatos muito baixos nem muito altos.
  • Dormir de lado com um travesseiro entre as pernas.
  • Sentar-se em uma cadeira com boa sustentação.
  • Não permanecer em pé por muito tempo.
  • Dobrar os joelhos ao apanhar alguma coisa do chão.
  • Não levantar objetos pesados.
  • Fazer uma compressa quente sobre a parte dolorida das costas.
  • Efetuar massagens na parte dolorida das costas.
  • Efetuar os exercícios que sugere o médico.

 

Dor, grávidez,barriga, ectópica,aborto

Dores na gravidez

Dor nas pernas na gravidez

O peso suplementar que a mulher grávida carrega pode causar dor muscular nas pernas, especialmente no caso de gravidez gemelar.
O corpo produz hormônios (progesterona e relaxina) que causam maior frouxidão dos ligamentos em todo o corpo para prepará-lo para o parto.
No entanto, os ligamentos mais flexíveis se lesionam mais facilmente, com maior frequência nas costas, sendo portanto necessário ter cuidado ao levantar pesos e ao efetuar exercícios.

As cãibras nas pernas são frequentes nos últimos meses de gravidez e são causadas principalmente por:

  • Desaceleração da circulação sanguínea,
  • Má alimentação.

É importante evitar o alongamento dos músculos que têm cãibras porque isso provocaria um agravamento da contratura.
Recomendamos colocar:

  • A perna em posição contrário ao alongamento,
  • Massagear o músculo.

É necessário prestar atenção se a dor e o inchaço afetarem uma perna, mas não a outra.
Este pode ser um sinal de um coágulo de sangue (trombose venosa profunda).



Dor no ligamento redondo durante a gravidez

A dor na barriga, às vezes, é normal?
Sim. A dor no baixo ventre é normal porque o abdômen se estende quando o útero se expande.

Os hormônios alteram os músculos e ligamentos (tecido conjuntivo) que suportam o útero para serem mais flexíveis.
Isso provoca uma dor chamada dor do ligamento redondo, na parte inferior do abdômen.

Provavelmente a dor é sentida:

  • Ao se levantar da cama ou de uma cadeira,
  • Ao tossir,
  • Quando se vai ao banheiro.

A mulher também sente dor quando a cabeça do bebê se move nos últimos meses de gravidez.
Acredita-se que a dor seja mais frequente em gestações subsequentes porque os músculos do assoalho pélvico estão enfraquecidos e tendem a sofrer mais a pressão do útero.

 


Disfunção da sínfise púbica na gravidez

A disfunção da sínfise púbica (ou pubalgia durante a gravidez) é uma dor na região pélvica e inguinal.
A dor pode ser concentrada nos glúteos ou descer para baixo ao longo da perna; por esta razão é muitas vezes confundida com a dor ciática.
A sínfise púbica é uma articulação que se situa entre os músculos abdominais e os órgãos genitais.
A disfunção da sínfise púbica piora:

  • Ao caminhar,
  • Ao subir escadas,
  • Ao mudar de posição na cama.

Pode provocar desconforto durante a noite, mas isso é devido às atividades realizadas durante o dia.
Esta dor é mais comum a partir do sexto mês e perto do fim da gravidez; é menos frequente nos primeiros meses.
A dor pode variar de leve a grave e a paciente pode precisar de ajuda para se levantar.sínfise,púbica

Causas da disfunção da sínfise púbica
Vários fatores podem contribuir para a disfunção da sínfise púbica.

  • As articulações da pelve são estabilizadas pelos ligamentos e geralmente se movem muito pouco.
    Durante a gravidez, no entanto, os ligamentos tornam-se mais flexíveis e alongam-se mais; assim, as articulações movem-se mais.
    A consequência é a instabilidade da pelve.
  • Além disso, as alterações posturais causadas pelo peso e pela expansão do abdômen podem causar uma maior mobilidade de uma articulação em relação às outras.

Isso envolve um esforço adicional sobre as articulações.
A consequência é:

O que fazer?

  • Pode ser recomendado um cinto de sustentação pélvica que muitas vezes dá alívio imediato.
  • É possível pedir a um fisioterapeuta para mostrar a melhor maneira de realizar as atividades diárias para evitar a dor; por exemplo, levantar-se da cama.

Entre os exercícios recomendados estão:

  • Reforço dos abdominais,
  • Exercícios de Kegel,
  • Aeróbica pré-natal na água.

As medidas preventivas são:

  • Evitar as atividades que causam dor,
  • Evitar o levantamento de cargas pesadas,
  • Não apoiar o peso do corpo em apenas uma perna,
  • Dormir sobre o lado esquerdo com um travesseiro entre as pernas,
  • Manter-se em movimento,
  • É importante descansar bastante.

 


Quando a dor abdominal provoca preocupação no primeiro trimestre de gravidez?

A dor abdominal leve geralmente não é um motivo de preocupação no início da gravidez.

Em geral, ocorrem também:

Estes sintomas são fisiológicos e são causados por alterações hormonais e ou são sintomas da implantação do embrião.
Mas se existirem outros sintomas, pode ser necessário procurar atendimento médico.

As mulheres que têm retroversão do útero não sofrem mais do que as outras.
Com efeito, geralmente após o terceiro mês o peso da criança provoca o deslocamento para a frente do útero que, assim, terá uma posição anteversa ou natural.
Se o útero permanecer retrovertido, podem ocorrer complicações, incluindo a retenção de urina.

Aborto espontâneo precoce
Infelizmente, o aborto precoce é bastante frequente nas primeiras 12 semanas de gravidez.
As possíveis causas de aborto são muitas e podem estar ligadas:

  • Ao embrião que não está se desenvolvendo adequadamente,
  • À mãe, incluindo:
    • Doenças (por ex. diabetes, distúrbios da tireoide, fibromatose uterina),
    • Fumo,
    • O abuso de álcool,
    • A exposição a substâncias tóxicas (benzeno, formaldeído, etc.).

Ocorrem:

  • Cólicas,
  • Perda de sangue,
  • Dor abdominal no baixo ventre nas primeiras 12 semanas de gravidez.

gravidez,ectópicaGravidez ectópica
Uma gravidez ectópica desenvolve-se fora do útero.
Infelizmente, a gravidez não pode ser concluída porque pode pôr em risco a vida da mulher.
É um distúrbio grave sendo, portanto, necessário um tratamento rápido.
Na Europa, cerca de mais de um por cento das gravidezes é ectópica.

No início, podem ocorrer:

  • Náusea,
  • Dor abdominal.

Em seguida, os sintomas são semelhantes aos do aborto espontâneo.

  • Cólicas dolorosas com dormência que geralmente começa em um lado e se espalha para o abdômen,
  • Sangramento escuro e aguado,
  • Dor parecida com uma cólica renal ou intestinal.

Geralmente acontece entre a quarta/quinta e a décima semana da gravidez.

 


Quando a dor abdominal deve ser um motivo de preocupação no segundo trimestre de gravidez?

A dor abdominal leve no segundo trimestre não deve ser um motivo de preocupação.

Entre a décima segunda semana e a vigésima quarta semana de gravidez as chances de um aborto espontâneo tardio são baixas (1% das gestações).
É necessário lembrar que o aborto tardio é muito menos frequente que o aborto precoce.

Em caso de aborto tardio, ocorrem:

  • Cólicas intensas e repetidas parecidas com as contrações,
  • Perda de sangue.

Se a gestante notar qualquer perda ou um sangramento vaginal, deverá procurar o médico ou obstetra.


Quando é necessário se preocupar com as dores abdominais no terceiro trimestre de gravidez?

No terceiro trimestre, a dor abdominal pode ser um sintoma de parto prematuro.
Em caso de parto prematuro, ocorrem:

  • Dor na região pélvica ou no abdômen inferior,
  • Dor na coluna,
  • Cólicas abdominais regulares e próximas umas das outras,
  • Diarreia.

Pode ocorrer:

  • Estouro da bolsa,
  • Contrações regulares,
  • A abertura do colo do útero também sem dor.

Isso pode acontecer em qualquer momento entre a 24ª e 37ª semanas de gravidez.

As cólicas após a 37ª semana podem significar que a gestante está na fase inicial do parto.
É também possível sentir uma dor constante na coluna causada pelo aumento da pressão na pélvis.

 


Tratamento e remédios naturais para as dores na gravidez

Alimentação natural e dieta

Na gravidez é crucial uma dieta saudável que pode ajudar a prevenir:

  • Complicações,
  • Inflamação,
  • Excesso de peso,
  • Hipertensão,
  • Dores de cabeça.

Existem dois tipos de alimentação natural que podem evitar os problemas de saúde.

1. A dieta vegana/crudívora – de acordo com este tipo de alimentação é importante comer apenas alimentos de origem vegetal, evitando alimentos processados, preservados e cereais.
Muitas pessoas acreditam que uma dieta vegana não contém proteínas mas, na verdade, os legumes e os frutos de casca (nozes, amêndoas, amendoins, etc.) são alimentos ricos em proteínas.

2. Dieta do tipo sanguíneo que se assemelha à dieta Paleo porque permite comer alimentos naturais e disponíveis na natureza. Na prática, inclui alimentos que os nossos ancestrais comiam até o nascimento da indústria alimentícia.

 

Exercícios
Uma atividade física regular pode promover um trabalho de parto mais curto e a recuperação pós-parto mais rápida.
Manter um nível básico de fitness faz bem, mas a gravidez não é o momento apropriado para fazer exercícios intensos ou para perder peso.

Os exercícios de baixo impacto compensam as alterações hormonais que enfraquecem as articulações.
Durante a gravidez, o corpo produz relaxina para dilatar o canal do parto, mas isso provoca a hiperelasticidade de todas as outras articulações.

Recomendamos exercícios de fortalecimento que estabilizam as articulações e ajudam a prevenir uma distensão muscular.
Os exercícios aeróbicos permitem queimar gordura e reduzem o ganho de peso a 10-15 kg.

Após o primeiro trimestre, é recomendável não usar os abdominais para se levantar da cama, especialmente para as mulheres com risco de parto prematuro.
É melhor deitar de um lado antes de se levantar.

 


Remédios naturais para aliviar a dor na barriga na gravidez

Sentar e relaxar
Repousar confortavelmente deve ajudar.
Se a posição sentada agravar a dor, tentar descansar na posição de quatro (quadrupedia) ou deitada sobre a coluna.

Além disso, o movimento para mudar da posição sentada para aquela em pé deve ser lento e doce.
Levantar-se devagar dá tempo aos músculos de se adaptarem à mudança de posição.

Às vezes pode ajudar a um cinto de suporte ou uma bandagem elástica projetada especialmente para a gravidez.
Um cinto suporta uma parte do peso da criança e reduz a pressão sobre os músculos da barriga.
O obstetra ou fisioterapeuta podem dar conselhos úteis.

Leia também