Linfoma de Hodgkin – sintomas e tratamento – tem cura?

O linfoma de Hodgkin (também conhecido como doença de Hodgkin) é um tumor que tem origem no sistema linfático.

INDICE

 

O que é o sistema linfático?
O sistema linfático serve para combater infecções e outras doenças.
Consiste nos seguintes órgãos e tecidos:

Vasos linfáticos: o sistema linfático é composto por uma rede de vasos linfáticos que se ramificam em todos os tecidos do corpo.

Linfa: os vasos linfáticos transportam um líquido transparente (linfa) que contém os glóbulos brancos, em particular os linfócitos B e T.

Linfonodos: os vasos linfáticos estão ligados a pequenos órgãos redondos chamados de linfonodos.
Estas organelas são encontradas principalmente ao nível de:

  1. Pescoço,
  2. Axilas,
  3. Peito,
  4. Abdômen,
  5. Virilha.

Os linfonodos contêm os glóbulos brancos que bloqueiam e removem as substâncias nocivas que podem estar na linfa.

Outras partes do sistema linfático: as outras partes do sistema linfático são:

  1. Amígdalas,
  2. Timo,
  3. Baço.

O tecido linfático também é encontrado em outras partes do corpo, incluindo o estômago, pele e intestino delgado.

 

O que é linfoma de Hodgkin?

O linfoma de Hodgkin começa no sistema linfático, geralmente em um linfonodo.
A doença é causada pela presença de linfócitos anormais ou tumorais (quase sempre linfócitos B).
Os glóbulos brancos se acumulam ao redor das células anormais em um linfonodo que se torna inchado ou inflamado.
As células cancerosas são poucas, mas as células brancas reativas (que causam inflamação) são muitas.
Os pesquisadores acreditam que as células anormais produzem muitas citocinas (moléculas que são usadas para a comunicação entre as células) que atraem os glóbulos brancos, razão pela qual existem muitas células reativas.

Embora as células normais morram quando se tornam velhas ou danificadas, as células anormais não morrem porque não respondem aos sinais do corpo.
Além disso, as células anormais não podem ajudar o corpo a combater as infecções.

As células anormais podem se espalhar para outras partes do corpo através de:

  1. Vasos linfáticos,
  2. Vasos sanguíneos.

Esta doença ocorre mais frequentemente em pessoas:

  1. Entre 15 e 35 anos,
  2. Com mais de 55 anos.

Este tipo raro de linfoma afeta mais os homens do que as mulheres.

Linfoma, linfonodo inchadoO linfoma não é um tumor benigno.

 

Tipos de doença de Hodgkin

O linfoma de Hodgkin clássico (LHC) é diagnosticado quando os linfócitos são anormais, conhecidos como células de Reed-Sternberg.
O LHC pode ser dividido em 4 diferentes subtipos:

1) Linfoma de hodgkin classico tipo esclerose nodular (LHCEN): é a forma mais freqüente que afeta até 80% das pessoas diagnosticadas com LHC.
Ocorre principalmente em mulheres adultas.
Além das células de Reed-Sternberg, existem faixas de tecido conjuntivo no linfonodo.
Este tipo de linfoma muitas vezes envolve os linfonodos reativos:

  • No mediastino (centro do peito),
  • No lado direito ou esquerdo do pescoço.

É definida como esclerose nodular porque o linfonodo está aumentado e é dividido por bandas de tecido fibroso que isolam os nódulos do tecido tumoral.
As células neoplásicas são células lacunares (assim chamadas porque parecem inseridas em uma lacuna) e a quantidade é de 1-2% do total.

2) Linfoma de Hodgkin clássico rico em linfócitos: cerca de 6% das pessoas com a LHC tem este subtipo.
É mais comum em homens e geralmente envolve diferentes áreas do mediastino. O tecido contém muitas células normais, além das células de Reed-Sternberg.
No linfonodo, apenas 0,1-0,2% dos glóbulos brancos são cancerosos.
Existem muitos linfócitos e histiócitos, não há granulócitos ou células plasmáticas.

3) Linfoma de Hodgkin de celularidade mista (15% dos casos de LCH): este subtipo de linfoma ocorre em idosos e mais frequentemente no abdômen. Há vários tipos de células, incluindo um grande número de células de Reed-Sternberg, linfócitos, histiócitos, granulócitos, plasmócitos, fibroblastos.
As células neoplásicas são cerca de 1-2% do total.

4) Linfoma de Hodgkin com depleção linfocítica: é o subtipo de LHC menos freqüente (representa cerca de 1% dos casos).
Acomete principalmente os idosos, as pessoas com o vírus da imunodeficiência humana (HIV, o vírus que causa a imunodeficiência ou AIDS) e as pessoas em países não industrializados.
O linfonodo contém poucas células de Reed-Sternberg e muito tecido fibroso.
Existem poucos linfócitos e algumas células reativas, muitas células tumorais (até 5-10% das células do linfonodo).

Existe outro tipo de linfoma de Hodgkin que não faz parte da LHC.
A nível de proteína e genético é mais semelhante ao linfoma não-Hodgkin de células B.
Linfoma de Hodgkin com predominância linfocítica nodular (LHPLN): cerca de 5% das pessoas com doença de Hodgkin tem esta forma de câncer que é freqüentemente encontrada nos gânglios linfáticos do pescoço ou da virilha.
Afeta os gânglios linfáticos superficiais, mas não os gânglios linfáticos profundos (não é encontrado nos gânglios linfáticos do mediastino ou retroperitoneais).
É mais comum em pessoas jovens.
As pessoas com este tipo de linfoma tem células “pipoca” que têm um marcador imunológico chamado de CD20 e um chamado de CD45 (que identifica todos os leucócitos) na superfície da membrana celular.
A proteína de CD20 é geralmente encontrada em pessoas diagnosticadas com linfoma não-Hodgkin de células B.

O LHC é mais agressivo que o NLPHL, afeta os linfonodos superficiais e profundos, mesmo que o envolvimento de órgãos torácicos ou abdominais ocorra apenas em estágios avançados.
No LH clássico, as células tumorais de Reed-Sternberg e as células lacunares têm os receptores CD30 e CD15 na membrana celular, mas os receptores CD45 e CD20 são raramente encontrados.

 

Diferença entre leucemia e linfoma

A diferença entre leucemia e linfoma é que:

  1. Na leucemia, as células cancerosas são produzidas na medula óssea, mas se difundem na corrente sanguínea; Esse tipo de câncer afeta os glóbulos brancos e vermelhos.
  2. No linfoma o tumor é limitado ao sistema linfático, então nos gânglios linfáticos, medula óssea, baço e raramente em outros órgãos.
    Aqui, se forma uma massa de células de câncer, enquanto a leucemia não provoca a formação de uma massa. O linfoma afeta somente os linfócitos B e T.

 


Causas da doença de Hodgkin

Os médicos são incapazes de determinar a causa exata do linfoma.
No entanto, entre os fatores que podem aumentar as chances de desenvolver o linfoma estão:

  • Infecções, como a mononucleose causada pelo vírus Epstein-Barr que poderia causar alterações no DNA;
  • Envelhecimento: os idosos são mais suscetíveis ao linfoma;
  • Exposição a substâncias químicas nocivas, tais como herbicidas ou pesticidas;
  • Linfoma não-Hodgkin prévio, em particular devido aos tratamentos realizados: quimioterapia e radioterapia;
  • Obesidade;
  • Doença auto-imune que provoca o enfraquecimento do sistema imunológicopor exemplo, artrite reumatóide ou doença celíaca;
  • Familiaridade de linfoma.

 

Sintomas da doença de Hodgkin

  1. Dor,
  2. Transpiração,
  3. Cansaço,
  4. Perda de peso,
  5. Coceira,
  6. Falta de ar,
  7. Problemas intestinais.

Dor: Embora o inchaço dos gânglios linfáticos é indolor, os tecidos ao seu redor não são capazes de resistir a pressão excessiva de gânglios linfáticos anormalmente grandes.
Isso pode causar dor moderada.
Por exemplo, se o tumor cresce no timo que é uma glândula localizada na frente do coração, pode causar dor no peito.

A dor pode aumentar após o consumo de álcool, mesmo em pequenas quantidades.

Suores nocturnos
transpiração pode ser muito grave em algumas pessoas que precisam se levantar e mudar:

  1. Roupa interior,
  2. Fronha de almofada,
  3. Cobertores.

Fadiga e perda de peso: o cansaço extremo e a perda de peso involuntária caracterizam o linfoma de Hodgkin e não Hodgkin.
Isto acontece porque a maior parte dos nutrientes no corpo é usado pelas células cancerígenas para crescer.
A proliferação destas células dificulta a satisfação das necessidades crescentes de energia para o corpo.

Coceira: aproximadamente 34% dos pacientes com diagnóstico de doença de Hodgkin sente coceira difusa.
Este tipo de coceira não responde aos medicamentos anti-histamínicos.

Dificuldades respiratórias: na maioria dos casos, ocorre o inchaço dos gânglios linfáticos no peito.
Isto provoca falta de ar e a tosse porque as massas ao redor do tecido pulmonar exercem uma pressão excessiva.
Como resultado, isso:

  1. Não permite aos pulmões de se expandir adequadamente,
  2. Interfere com o processo normal da respiração.

Susceptibilidade à infecção
O câncer afeta o sistema imunológico, o mecanismo de defesa do corpo gradualmente se torna ineficaz para combater as infecções.
Como resultado, o sistema imunológico enfraquecido leva mais tempo para eliminar à infecção.

 

Linfoma de Hodgkin

Linfoma de Hodgkin

Diagnóstico do Linfoma de Hodgkin

Alguns testes e exames físicos podem diagnosticar o linfoma.
O médico examina o paciente fisicamente em caso de inchaço dos gânglios linfáticos em:

  1. Pescoço,
  2. Axilas,
  3. Virilha.

Os exames de sangue com hemograma completo são feitos para haver um quadro hematológico e indentificar os valores de glóbulos brancos.
Em caso de linfoma avançado, a taxa de sedimentação de eritrócitos (TSE) pode ser elevada.
A radiografia do tórax é útil para detectar a massa no mediastino.

Um exame eficaz que pode diagnosticar o linfoma é a biópsia.
Isto envolve a remoção de uma parte ou um linfonodo inteiro e envio da amostra para uma patologista que verifica se existem células cancerosas no microscópio.

O exame mais adequado é a biópsia de todo o linfonodo aumentado e a análise histológica (do tecido).
A biópsia de aspiração por agulha fina geralmente não é suficiente, então o paciente pode precisar fazer dois exames invasivos.

tomografia por emissão de pósitrons (TEP) é um exame indicado porque é muito confiável para detectar as alterações.
O médico injeta um meio de contraste rádio-iodado na corrente sanguínea do paciente.
Esta substância é capturada por células neoplásicas.
A TEP também pode mostrar as células cancerígenas nos gânglios linfáticos saudáveis com base na Tac simples.

 

Estadiamento do linfoma de Hodgkin

Existem 4 fases do linfoma com base na gravidade da progressão do câncer.

Durante o primeiro estágio, o câncer é localizado em um grupo de linfonodos em uma parte do corpo. Também pode se desenvolver em outros órgãos, bem como o sistema linfático (estágio IE).

No segundo estágio, o linfona progride lentamente a outros grupos de linfonodo, mas todos acima do diafragma ou abaixo do diafragma.
Por exemplo: os gânglios linfáticos do pescoço direito e os linfonodos axilares à esquerda, todos acima do diafragma.

No terceiro estágio:

as células cancerosas se espalham para outros órgãos em ambos os lados do diafragma (acima e abaixo).
O linfoma é encontrado nos gânglios linfáticos acima do diafragma e também para o baço.

No quarto e último estágio, o câncer é agressivo, afeta:

  1. A medula óssea,
  2. O fígado,
  3. Os pulmões.

Nesta fase o linfoma pode se espalhar para todos os outros órgãos do corpo formando metástases especialmente ósseas, no fígado e no pulmão.

Fonte: Cancer.org

O estadiamento que distingue os gânglios linfáticos acima e abaixo do diafragma é importante porque o tratamento inclui:

  1. Radioterapia,
  2. Quimioterapia.

A radioterapia é mais difícil se os linfonodos afetados estiverem em ambos os lados do diafragma.

 

Tratamento para linfoma de Hodgkin

A doença pode ser tratada de acordo com o tipo, estágio e histologia.
Estão disponivéis três opções de tratamento:

  1. Radioterapia,
  2. Quimioterapia,
  3. Terapia-alvo.

Os tratamentos indicados para o linfoma de Hodgkin no estágio inicial são geralmente uma combinação de:

  1. Quimioterapia – ciclo reduzido (ABVD),
  2. Radioterapia.

Em vez disso, no estágio avançado, o tratamento consiste em:

  1. Um ciclo prolongado de quimioterapia,
  2. Radioterapia apenas em casos selecionados.

Para pacientes com recidiva ou doença que não responde ao tratamento, o tratamento recomendado é:

  1. Quimioterapia de resgate com altas doses de quimioterápicos.
  2. Um transplante autólogo de células-tronco.

Enfim, para pacientes que não estão aptos para este tratamento ou não respondem ao tratamento, o médico prescreve um anticorpo monoclonal: brentuximabe vedotina.
Fonte: Hodgkin Lymphoma: Diagnosis and Treatment. – Ansell SM – Mayo Clin Proc. 2015 Nov;90(11):1574-83.

Os Inibidores de PD-1 nivolumab e pembrolizumab demonstraram um bom nível de resposta e remissões de longa duração em pacientes com linfoma recidivante ou não-respondente.
Fonte: Hodgkin lymphoma: A review and update on recent progress. – Shanbhag S1, Ambinder RF2 – CA Cancer J Clin. 2018 Mar;68(2):116-132.

A radioterapia usa os raios-x de alta energia para matar as células cancerosas.
Geralmente para mulheres grávidas este tratamento é adiado, pois a radiação pode prejudicar o feto.

exames de sangue

A quimioterapia é uma outra opção de tratamento que usa medicamentos para impedir o crescimento das células cancerosas.
Estes medicamentos matam ou impedem a divisão celular.

A terapia-alvo envolve o uso de medicamentos para identificar, atacar e destruir apenas as células cancerosas sem danificar outras células do corpo.

 

Dieta e alimentação para linfoma de Hodgkin

É importante seguir uma alimentação e dieta para o tumor para criar condições desfavoráveis para as células cancerosas.

Em particular, de acordo com a dieta do tipo sanguíneo, a causa do linfoma é a presença de certos alimentos na dieta:

  1. Farináceos ou cereais, como pão, pizza, macarrão, arroz, painço, etc.
  2. Doces,
  3. Chicletes,
  4. Suplementos com maltodextrina,
  5. Possivelmente a fruta.

 

Taxa de sobrevivência do linfoma e prognóstico

Existem 5 fatores que afetam o prognóstico do linfoma.
Estes incluem:

  1. A idade do paciente (mais ou menos de 60 anos);
  2. Estágio do linfoma (para o terceiro e o quarto estágio da doença, o prognóstico é pessímo);
  3. Localização do linfoma (se interessa os órgãos ou os linfonodos);
  4. A habilidade de uma pessoa de realizar as atividades diárias normais;
  5. O nível do lactato desidrogenase (LDH) no sangue (este nível aumenta dependendo da extensão do linfoma no corpo).

Cada ponto de prognóstico negativo (como idade superior a 60 anos) é atribuído um ponto.
Os fatores de risco são determinados pelos pontos prognósticos.
Com 1 fator prognóstico negativo, o risco é baixo, enquanto 4 ou 5 destes fatores aumentam o risco de linfoma.

A disponibilidade de medicamentos mais recentes chamados rituximabe (Rituxan ou Mabthera), permitiu a revisão do IPI (índice de prognóstico internacional) usando os mesmos fatores, mas divide os pacientes em apenas 3 grupos:

  • Baixo risco (sem fator prognóstico negativo);
  • Risco intermediário (tem 1 ou 2 fatores prognósticos negativos);
  • Alto risco (tem mais de 3 fatores prognósticos negativos).

 

Esperança de vida para pessoas com linfoma de Hodgkin:

Estágio Sobrevivência de 5 anos

1

90%
2 90%
3 80%
4 65%

Fonte: cancer.org

Leia também