Sintomas da artrite reumatóide

INDICE


A artrite reumatóide é uma grave doença crônica, sistêmica, progressiva e autoimune que provoca vários sintomas, incluindo a inflamação nas articulações e outras partes do corpo, mas a causa ainda é desconhecida.

As doenças auto-imunes são doenças que ocorrem quando os tecidos do corpo são atacados por engano pelo sistema imunológico.
O sistema imunológico consiste de uma complexa organização de células e anticorpos projetados para procurar e destruir os invasores do corpo, em particulares vírus, fungos e bactérias.

A artrite reumatóide (AR) afeta principalmente as articulações, mas pode causar efeitos sistêmicos (por exemplo, nos órgãos).
A consequência da doença é o acúmulo de líquido nas articulações causando dores nas articulações e inflamação sistêmica que pode ocorrer ao longo do corpo.

A artrite reumatóide juvenil (ou infantil), é uma forma semelhante àquela que afeta os adultos, mas as pessoas afetadas são crianças com menos de 16 anos.
Esta doença pode passar sem á necessidade de um tratamento com o tempo.

 

Sintomas da artrite reumatóide

Embora a artrite reumatóide pode envolver diferentes partes do corpo, as articulações são sempre afetadas.
Quando a pessoa tem uma exacerbação da doença, as articulações ficam inflamadas.
A inflamação é a resposta natural do corpo à infecção ou outras ameaças, mas esta doença ocorre injustificadamente e por razões desconhecidas.
A artrite reumatóide causa a inflamação crônica e a hipertrofia da menbrana sinovial que danifica os tecidos moles (tendões, ligamentos, músculos, etc.), a cartilagem e os ossos.
As consequências são uma perda de cartilagem, a erosão do osso e lesões aos tendões, ligamentos e cápsula articular.
Na fase final, vemos a deformação e destruição das articulações, além de perda de funcionalidade.

 


Os primeiros sinais de artrite reumatóide

  • Inchaço dos tecido moles periarticulares, (resultado do derramamento)
  • Osteoporose regional (causada pelo desuso e hipertermia local)
  • Subluxação da articulação entre Atlas e axis (ou seja, as vértebras C1-C2)
  • Expansão do cisto sinovial
  • Erosões ósseas marginais e centrais nas pequenas articulações das mãos e dos pulsos, mais raras em grandes articulações.

A erosão progressiva da falange proximal do quarto dedo é a mais freqüente, começa com a inflamação da membrana sinovial e tecidos moles, mas com o córtex do osso subjacente intacto.
A membrana sinovial muda de forma e torna-se cheia de células proliferativas, fibrina (tecido conjuntivo) e enzimas proteolíticas (ou seja, que destroem as proteínas).
Estas enzimas “comem” a cartilagem articular enquanto uma grande quantidade de fibrina se deposita na cartilagem e no osso subcondral (ou seja em contato com a cartilagem).
Este processo também provoca a ativação dos osteoclastos, as células que destroem o osso, a conseqüência é a erosão do osso.
Entretanto, a membrana sinovial ataca e destrói outros tecidos moles: cápsula articular, bursas, tendões e ligamentos.
A última fase da artrite reumatóide é a erosão óssea, a destruição da articulação e a união dos dois ossos que formam a articulação.
A lesão da cápsula, tendões e ligamentos provoca a luxação da articulação, enquanto a erosão óssea leva a anquilose e a inatividade.

A participação das articulações em ordem decrescente é:

1. Metacarpo
2. Pulso
3. Interfalângica proximal (IP)
4. Joelho
5. Metatarsofalangeana (MTP)
6. Ombro
7. Tornozelo
8. Cervical
9. Articulação do quadril
10. Cotovelo
11. Articulação temporomandibular

As articulações afetadas mostram inflamação com inchaço, dormência, calor e limitação da amplitude de movimento.
A atrofia dos músculos interósseos das mãos é um sinal precoce.
A destruição da articulação e dos tendões pode levar a deformidades como desvio ulnar, deformidade em botoeira ou o em pescoço de cisne, dedo em martelo e anquilose.

Outras manifestações músculo-esquelética:

  • A tenossinovite é a inflamação da bainha que recobre o tendão, pode levar à ruptura do tendão, os mais afetados são os extensores do quarto e quinto dedo ao nível do punho
  • A osteoporose local ou generalizada devido à inflamação crónica, a imobilização ou tratamento com corticosteróides
  • Síndrome do túnel do carpo
  • A maioria dos pacientes com AR tem atrofiar muscular por falta de uso que frequentemente é secundário à inflamação das articulações.

 

A quem afeta a artrite reumatóide?

A artrite reumatóide pode afetar pessoas de todas as idades.
A artrite reumatóide é mais freqüente em mulheres do que em homens.
Na verdade, 70% dos pacientes com artrite reumatóide são mulheres.
Além disso, existe um aumento do risco de artrite reumatóide para mulheres que nunca tiveram uma gravidez ou aqueles que tenham dado à luz recentemente.

 


Causas da artrite reumatóide

A causa da artrite reumatóide não é ainda conhecida.
A maioria dos cientistas acredita que existe uma combinação de fatores genéticos e ambientais que à provoca.
Os pesquisadores identificaram marcadores genéticos que desempenham um papel importante no desenvolvimento desta doença.
Quem tem estes marcadores tem dez vezes mais chance de desenvolver a artrite reumatóide.
Os marcadores genéticos afetam o sistema imunológico, promovem a inflamação crônica ou o desenvolvimento e progressão da artrite reumatóide.
Nem todas as pessoas com estes genes desenvolvem a artrite reumatóide e nem todas as pessoas com a doença têm esses genes.
Os pesquisadores também estão estudando as causas infecciosas, tais como vírus ou bactérias, que podem desencadear a doença em uma pessoa que já tem uma predisposição genética.
Outros suspeitos incluem os hormônios femininos (70 por cento das pessoas com artrite reumatóide são mulheres) e a resposta do organismo a eventos estressantes, como um trauma físico ou emocional.
O fumo pode ser um fator de risco, não só aumenta o risco de desenvolver a artrite reumatóide em pessoas com um gene específico, mas pode também aumentar a gravidade da doença e reduzir a eficácia do tratamento.
Outros fatores ambientais também podem haver um papel importante na origem da artrite reumatóide.
Por exemplo, os cientistas relataram que o fumo de tabaco, a exposição a minerais ricos em sílica e a doença periodontal crônica aumenta o risco de desenvolver artrite reumatóide.

 


Sintomas da artrite reumatóide

A artrite reumatóide é uma doença crônica (longo prazo).
Cada pessoa com AR tem diferentes sintomas que podem vir e ir.
Algumas pessoas têm longos períodos de remissão em que a artrite reumatóide é inativa e provoca poucos sintomas.
Outras pessoas podem sentir dor constante por meses.
A inflamação das articulações é uma uma característica muito específica de artrite reumatóide que também inclui:

Rigidez. Mover a articulação torna-se mais doloroso porque pode haver uma limitação da amplitude de movimento.
A “rigidez matinal” é um dos sinais característicos da doença.
Muitas pessoas com outros tipos de artrite têm rigidez articular pela manhã, mas quem sofre de artrite reumatóide sente esse sintoma por mais de uma hora (às vezes por muitas horas) antes que as articulações se aqueçam.

Inchaço. O líquido entra na articulação que torna-se inchada, isto também contribui para a rigidez.

Dor. A inflamação dentro de uma articulação provoca dor.
Uma inflamação prolongada causa danos que contribuem para o agravamento da dor.

Vermelhidão e calor. As articulações podem ser um pouco mais vermelhas e quente em comparação com as áreas vizinhas da pele.

Outros sintomas:

 


Quais articulações afeta a artrite reumatóide?

As mãos são quase sempre afetadas, apesar de qualquer articulação pode ser afetada pela artrite reumatóide: joelhos, quadris, pulsos, pescoço, ombros, cotovelos e mandíbula.
Geralmente, as articulações são afetadas simetricamente ou bilateralmente, ou seja, as mesmas articulações em ambos os lados do corpo.
Os sintomas da artrite reumatóide afetam todo o corpo. Estes efeitos resultam do processo de inflamação e causam uma série de sintomas:

Essas sensações são semelhantes à gripe, embora sejam geralmente menos intensas e mais duradouras.

 


Exame das articulações

Dedos

Erosão, articulações, dedos, mão, deformação, mutilação, artrite reumatóide

Erosão das articulações da mão Alila/BigStockPhoto.com

Deformidade em botoeira.
Uma deformidade em botoeira consiste na flexão não redutível da articulação interfalangeana proximal com hiperextensão da articulação interfalangeana distal do dedo.
Existem alguns tendões que mantêm alinhados os ossos dos dedos, o tendão do músculo extensor longo dos dedos é composto por uma parte central que termina na falange central, mas antes deste nível se divide em dois ramos laterais que são inseridos na falange distal (falange distal).
A artrite reumatóide provoca a lesão do trato central aproximadamente ao nível da articulação entre a primeira e a segunda falange.
Com o tempo ocorre a retração das bandas laterais do tendão extensor dos dedos que tem duas consequências:

  • A junta central dos dedos se curva,
  • A articulação distal se alonga

Um efeito de uma deformidade em botoeira é a perda de mobilidade e a habilidade de agarrar objetos.

A deformidade em pescoço de cisne do dedo consiste na hiperextensão da articulação interfalângica proximal junto com a flexão da articulação interfalangiana distal.
A formação desta deformidade começa com a ruptura do tendão extensor dos dedos ao nível da articulação interfalangiana distal.

deformidade em pescoço de cisne

Deformidade em pescoço de cisne

Em seguida ocorre o encurtamento do tendão extensor central e a hiperextensão da articulação entre a primeira e a segunda falange ou a cápsula articular se move em direção ao dedo mindinho por causa do enfraquecimento da sinovite crônica.
As bandas laterais podem se encurtar com o tempo e se movem para a parte de trás do dedo, limitando a flexão entre a primeira e segunda falange e impedindo a extensão da articulação entre a segunda e a terceira falange.

A rigidez dos músculos intrínsecos (por exemplo, interósseos e músculos lumbricais) pode resultar em uma limitação da mobilidade do dedo.

A tenossinovite dos flexores dos dedos é comum e indica um pessímo prognóstico.
O dedo em gatilho ocorre quando o tendão se torna rígido ou se forma um caroço juntamente com a tenossinovite.
A ruptura do tendão pode ocorrer como conseqüência da sinovite ou pela erosão óssea do tendão do pulso (especialmente o flexor longo do polegar).

A artrite mutilante é a conseqüência de uma destruição extensa e grave, com a erosão do tecido ósseo.
Nas pequenas articulações das mãos, as falanges podem encurtar e as articulações podem tornar-se gravemente instáveis.

 

Articulação metacarpofalângica

Dois deformidades típicas que alteram o alinhamento dos arcos esqueléticos de palma da mão e a estabilidade dos dedos podem ocorrer nas articulações metacarpofalângicas: subluxação e desvio ulnar (ou seja, em direção a ulna).

A maioria dos casos de desvio ulnar são acompanhados por um desvio radial do punho aproximadamente do mesmo grau.
A falange proximal se move na direção da ulna para a inflamação sinovial que enfraqueceu os ligamentos e os tendões da cápsula da articulação metacarpofalângica.

As estruturas de suporte dos tendões extensores e os ligamentos colaterais podem ser destruídos ou dilacerados pelo aumento do volume e a invasão da membrana sinovial. Portanto, os tendões se soltam e se movem a partir do centro e da parte de trás da cabeça do metacarpo para a ranhura entre as articulações metacarpofalângicas.

Se a subluxação do tendão extensor é além do eixo transversal da articulação entre o metacarpo e a falange, o tendão torna-se um flexor da articulação e portanto limita a extensão ativa dos dedos.

Punho

No punho podem ocorrer malformações múltiplas.
O desvio externo da ulna com subluxação da articulação rádio-ulnar é a deformidade mais comum.
Esta malformação ocorre juntamente com a rotação do punho e o deslocamento do osso semilunar que em vez de permanecer em contato com o rádio, está localizado em frente ao espaço vazio entre os dois ossos do antebraço.
Este novo alinhamento de ossos é chamado as deformidades em zig-zag.

Cotovelos

O envolvimento do cotovelo é freqüentemente identificado pela proliferação sinovial palpável ao nível da articulação rádio-umeral e é freqüentemente acompanhado por uma deformidade em flexão.
A bursa olecraniana é atingida com frequência, como os nódulos reumatóides na bursa e ao longo da superfície posterior da ulna.

Ombros

A artrite reumatóide envolve os ombros e manifesta-se com dormência, dor noturna e restrição de movimento.
Inicialmente, o inchaço ocorre na frente, mas pode ser difícil de detectar e muitos pacientes não têm este sinal.

A degeneração do manguito rotador causada pela sinovite pode limitar a abdução (elevação lateral) e a rotação.
A migração superior e lateral do úmero ocorre quando existe uma ruptura completa.
Uma lesão na articulação glenoumeral provoca dor durante o movimento e em repouso, geralmente provoca uma grave restrição de movimento ou a capsulite adesiva (ombro congelado).
A artrite acromioclavicular (ou seja, entre a escápula e a clavícula) não é tão frequente e debilitante como outras manifestações desta doença.

Tornozelos e pés

dedo,em,marteloO tornozelo é raramente interessado porque é um tipo de articulação com a tróclea.
Importantes mudanças estruturais podem ocorrer no centro do pé como conseqüência de uma sinovite crônica e do apoio do peso.
A lesão ou ruptura do tendão tibial posterior pode levar à subluxação da articulação subastragalina, a consequência é o deslocamento lateral do astrágalo e a eversão do pé.
As outras deformações que podem causar artrite reumatóide são pés chatos, joanetes e dedo em martelo.

Joelhos

O joelho afetado pode ter uma inflamação e uma sinovite importante. Ao longo do tempo, o acúmulo de líquido nas articulações pode causar perda da função do quadríceps, resultando em atrofia muscular.
É possível desenvolver a instabilidade após a perda progressiva da cartilagem e o enfraquecimento dos ligamentos; a deformidade do joelho pode ser em valgo, varo ou em flexão.
O consumo de energia do paciente aumenta significativamente quando permanece em pé ou andando se existe uma deformidade de flexão do joelho.

Quadril

Prótese,quadril, artrite,reumatóide, arruinado, pelve desalinhado, dor, inflamação, sinovite

Prótese do quadril

O quadril é freqüentemente envolvido na artrite reumatóide.
No entanto, devido à sua posição profunda, os danos não aparecem nos estágios iniciais da doença porque é difícil analisar o quadril com inspeção direta ou palpação.

 


Complicações

Artrite reumatóide não é letal, mas as complicações da doença podem encurtar a sobrevivência de alguns indivíduos.
Em geral, a artrite reumatóide é progressiva e não pode ser curada definitivamente mas em alguns pacientes a doença torna-se gradualmente menos agressiva e os sintomas podem melhorar.
No entanto, após a destruição do osso e dos ligamentos as possíveis consequências são deformidades permanentes.

A artrite reumatóide é uma doença sistêmica que pode afetar outras partes do corpo além das articulações.

O envolvimento de várias áreas do corpo geralmente ocorre em casos de AR moderada ou grave.
Os nódulos reumatóides são nódulos debaixo da pele que muitas vezes aparecem nos cotovelos e nas mãos. Às vezes eles são dolorosas.

O envolvimento pulmonar pode causar danos nos pulmões, a pleurisia ou derrame pleural, estas consequências são freqüentes, mas normalmente não causam sintomas.
Se ocorre a falta de ar, é possível tratar com certos medicamentos que reduzem a inflamação dos pulmões.

A artrite reumatóide também pode afetar uma articulação na laringe (cricoaritenóidea), causando rouquidão ou disfonia.
A artrite reumatóide pode causar inflamação da membrana em torno do coração (pericardite), mas geralmente não provoca sintomas.
Se os sintomas se desenvolvem, pode causar falta de fôlego ou dor no peito.
As pessoas com artrite reumatóide são mais propensas a ter arteriosclerose nas artérias coronárias que pode causar angina (dor no peito) e infarto do miocárdio.

É por isso que um paciente com A.R. não tratada tem um risco de morte precoce.
Os olhos são afetados em menos de 5% das pessoas com artrite reumatóide.
Nestes casos, os sintomas podem ser olhos vermelhos, dolorosos ou possivelmente secos.
Quando falamos de diagnóstico da artrite reumatóide, um tratamento precoce e agressivo pode ajudar a prevenir o aparecimento de novos sintomas e pode parar a progressão da artrite reumatóide.

Infecções. Os pacientes com AR têm um risco aumentado de infecções também porque tomam medicamentos imunossupressores.

Problemas de digestão. Os pacientes com AR podem sofrer de problemas de estômago e intestino; No entanto, foram relatadas taxas mais baixas de câncer colorretal e do estômago em pacientes com artrite reumatóide.

Osteoporose. Esta doença é mais freqüente do que a média em mulheres na pós-menopausa com AR.
A articulação do quadril é particularmente afetada, o risco de osteoporose parece estar acima da média em homens com artrite reumatóide que têm mais de 60 anos

Síndrome de Sjögren, a ceratoconjuntivite sicca é uma complicação freqüente da artrite reumatóide.

Síndrome de Felty. Esta doença é caracterizada por esplenomegalia, leucopenia e infecções bacterianas recorrentes;

Lúpus eritematoso sistêmico é uma doença auto-imune que afeta o tecido conjuntivo.

Linfoma e outros cânceres. Os tratamentos agressivos para artrite reumatóide podem ajudar a prevenir estes tumores.
As alterações do sistema imunológico associada com AR podem influenciar.

Leia também: Tratamento para artrite reumatóide

Leia também