Aumento do baço ou esplenomegalia

INDICE


O aumento do baço (ou esplenomegalia) não é uma situação normal e pode ser causada por muitas doenças, incluindo:

  • Infecções,
  • Doenças do fígado,
  • Alguns tipos de câncer.

O baço é um órgão pequeno localizado no lado esquerdo do abdômen, abaixo da caixa torácica.
O baço é grande quanto um punho.

 

O que é o baço? Qual é a sua função?

O baço:

  1. É um importante filtro sanguíneo, ajuda a remover os glóbulos vermelhos velhos e danificados e as bactérias.
  2. É parte do sistema linfático e produz linfócitos (glóbulos brancos) que combatem as infecções.
  3. É um depósito de células sanguíneas e plaquetas, para casos de necessidade.

 


As causas do baço inchado

Muitas doenças comprometem a funcionalidade do baço e causam inchaço.
As causas de aumento do fígado e baço são classificadas em vários grupos:

As infecções são divididas em:

  • Infecção viral (por exemplo, a mononucleose),
  • Infecção parasitária (por exemplo, a malária (7) ),
  • Infecções bacterianas (por exemplo, a sífilis (7) ).

O inchaço do baço devido à infecção ocorre em resposta a um mecanismo de defesa do organismo para lutar contra o patógeno.

Certos tipos de cânceres como a leucemia e a doença de Hodgkin são diagnosticadas quando ocorrem os primeiros problemas no baço.
Qualquer outro tipo de câncer que se espalha no baço pode danificar e causar inchaço.

A cirrose e outras doenças do fígado causam hipertensão portal (hipertensão arterial na veia porta), o resultado é esplenomegalia (9 – 10 – 11).

A destruição prematura dos glóbulos vermelhos devido a anemia aumenta o baço.

Um nível muito baixo de plaquetas no sangue é um dos principais fatores de risco do baço aumentado (12).

Existem algumas doenças metabólicas como doença de Gaucher, doença de Niemann-Pick e síndrome de Hurler que provocam um aumento do baço.

A obstrução do fluxo de sangue pode causar inchaço neste órgão.

Na pessoa que sofre de insuficiência cardíaca congestiva, a pressão da veia esplênica é alta.
Isso se traduz em um aumento no tamanho do fígado e do baço.

Algumas doenças inflamatórias como artrite reumatóide e sarcoidose causam um aumento do baço.

Os traumas contra este órgão causam um baço inchado.

Alguns medicamentos podem causar o baço aumentado temporariamente, mas o tamanho do baço volta ao normal quando o paciente pára de tomar esses medicamentos.

 

Causas de esplenomegalia maciça (mais de 1500 g)
A maioria de autores definem esplenomegalia maciça um baço que:

  • Alcança a crista ilíaca,
  • Cruza a linha mediana do corpo,
  • Pesa mais de 1500 gramas.

As causas mais frequentes de esplenomegalia maciça são:

  • Doenças do sangue (leucemia mielóide crónica, policitemia vera, trombocitemia essencial, linfoma indolente, Leucemia de células cabeludas, beta-talassemia major) (16),
  • Doenças infecciosas (leishmaniose visceral, malária)
  • Doenças do metabolismo (doença de Gaucher – doença que causa aumento do baço e do fígado, dano ósseo e neurológico) (14 -15 – 17)

 


Sintomas do aumento do baço

O aumento do baço não sempre causa sintomas.
A seguir estão os principais sintomas:

  • Dor no lado esquerdo do abdômen que irradia para as costas
  • Sensação de saciedade sem comer ou depois de comer pouco
  • Perda de peso inexplicada
  • Sofrer de infecções freqüentes
  • Anemia (glóbulos vermelhos baixos)
  • Febre alta, em caso de infecção ou febre intermitente se o paciente tem mononucleose. Este sintoma está presente até mesmo no caso de leucemia e púrpura trombótica trombocitopênica.
  • Sangramento freqüente
  • Fadiga inexplicável


Aumento do baço em crianças

O aumento do baço em crianças é causado acima de tudo por:

  • Anemia mediterrânea ou talassemia,
  • Câncer,
  • Outras infecções.

 

Aumento do baço ou esplenomegalia

Aumento do baço ou esplenomegalia

Diagnóstico de aumento do baço

Os médicos diagnosticam facilmente o aumento do baço.
Um médico suspeita que existe um problema no órgão quando o paciente se queixa de estômago inchado mesmo sem comer.
Se for aumentado, o médico sente o baço através da palpação, na região superior esquerda do abdômen. Para confirmar a presença de esplenomegalia (baço aumentado), os médicos prescrevem exames de diagnósticos incluindo:

  • O hemograma completo para avaliar a quantidade e a forma de:
    • Glóbulos brancos,
    • Glóbulos vermelhos,
    • Plaquetas.
  • O exame de sangue para verificar:
    • Os valores das enzimas hepáticas,
    • Lipase,
    • Anticorpos para doenças auto-imunes.

As transaminases alta, a taxa de sedimentação de eritrócitos (ESR) alta e o aumento do baço podem indicar a mononucleose.
No caso de mononucleose e anemia também é possível ver a bilirrubina indireta alta.
Se o médico suspeita de câncer como leucemia ou linfoma, pode prescrever a recolha de células da medula óssea para analisar.

  • Radiografia
  • Tomografia computadorizada – pode identificar um abscesso, uma massa, anomalias vasculares, cistos, alterações causadas por uma inflamação, lesões traumáticas, anormalidades dos linfonodos abdominais e alterações do fígado.
  • Ultrassonografia – é útil para medir o tamanho do baço.
  • Ressonância magnética (rastrear o fluxo de sangue através do baço).

As imagens são estudadas para determinar o aumento do tamanho do baço e as causas.

 


Quando se preocupar?

O paciente realiza exames de sangue para verificar a contagem dos glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas.

  • No caso da leucemia, existem glóbulos brancos altos, mas as hemácias e as plaquetas baixas.
  • No caso de doença de Gaucher, os exames de sangue mostram os glóbulos brancos e vermelhos baixos e a trombocitopenia.

 


Qual é o tamanho do baço saudável nos adultos e nas crianças?

Idade Tamanho do baço em cm
(menor ou igual a)
3 mês 6
6 meses 6.5
12 meses 7
2 anos 8
4 anos 9
6 anos 9.5
8 anos 10
10 anos 11
12 anos 11.5
15 – 20 anos 12 (para mulheres)
13 (para homens)

Fonte: Pubmed.gov


O que fazer? Tratamento para esplenomegalia (baço aumentado)

O tratamento da esplenomegalia depende da causa da doença.

Os antibióticos são prescritos para tratar as infecções bacterianas, na gravidez é necessário conversar com o médico antes de tomar qualquer medicamento.

O paciente pode se submeter a sessões de quimioterapia ou radioterapia quando a leucemia ou a doença de Hodgkin causa o aumento do baço.
Até a total recuperação, recomenda-se descanso e evitar o stress que pode baixar sua imunidade.

A cirurgia para o baço é recomendada quando:

  • Este órgão está causando sérias complicações,
  • Não é possível identificar a causa,
  • O paciente não responde ao tratamento.

Nesses casos, uma parte do baço ou o inteiro órgão deve ser removido.
A remoção do baço não cura a doença, mas reduz o efeito da baixa contagem dos leucócitos.

Entre as complicações do aumento do baço existe a ruptura do baço, nesse caso, é necessário fazer a esplenectomia urgentemente porque esta lesão pode ser mortal.

Baço,rompido,remoção

A remoção cirúrgica do baço é a última opção.
Uma pessoa pode viver sem o baço, mas as chances de desenvolver uma infecção grave são altas.

Prevenção de infecções
Para minimizar o risco de infecção recomenda-se a vacinação antes e após a remoção do baço.
Essas injeções protegem contra a pneumonia, meningite e infecções dos ossos, articulações e sangue.
Alguns pacientes precisam tomar penicilina após a cirurgia.

 


Remédios naturais para aumento do baço

Para os problemas do baço é importante seguir uma dieta ou alimentação saudável, os alimentos que devem ser evitados de acordo com a dieta do tipo sanguíneo são:

  • Cereais
  • Produtos lácteos
  • Frituras
  • Álcool
  • Bebidas açucaradas e doces encontrados no supermercado.

Recomenda-se comer frutas, verduras, legumes e outros produtos vegetais não processados pelo homem.

Bibliografia
1) Clinical Manifestations of Human Brucellosis: A Systematic Review and Meta-Analysis
Anna S. Dean,  Lisa Crump, Helena Greter,  Jan Hattendorf, Esther Schelling, Jakob Zinsstag. PLoS Negl Trop Dis. 2012 Dec; 6(12): e1929.
2) Infective endocarditis presents as isolated splenomegaly.
Atoosheh Rohani, Vahid Akbari, and Kianoosh Homayoon. J Cardiovasc Dis Res. 2011 Jan-Mar; 2(1): 71–73.
3) Infectious Diseases and the Liver. Rohit Talwani, MD, Bruce L. Gilliam, MD, and Charles Howell. Clin Liver Dis. 2011 Feb; 15(1): 111–130.
4) Turk J Gastroenterol. 2012;23(6):799-803. Splenomegaly as the first manifestation of pancreatic adenosquamous carcinoma: a case report. Chen K1, Xu XW, Xie K, Zhou YC, Mou YP.
5) The Amyloidoses: Clinical Features, Diagnosis and Treatment. Kelty R. Baker, M.D. and Lawrence Rice, M.D. Methodist Debakey Cardiovasc J. 2012 Jul-Sep; 8(3): 3–7.
6) Splenomegaly and splenectomy in sarcoidosis. A K Webb, D N Mitchell, C M Bradstreet, and A J Salsbury. J Clin Pathol. 1979 Oct; 32(10): 1050–1053.
7) Jaundice and hepatomegaly in primary malaria. Ramachandran S, Perera MV. J Trop Med Hyg. 1976 Sep; 79(9):207-10.
8) Hypersplenism: History and current status. Yunfu Lv et Al. Exp Ther Med. 2016 Oct; 12(4): 2377–2382.
9) Pathophysiology of portal hypertension. Iwakiri Y. Clin Liver Dis. 2014 May; 18(2):281-91.
10) The spleen in liver cirrhosis: revisiting an old enemy with novel targets. Liang Li, Mubing Duan, Weisan Chen, An Jiang, Xiaoming Li,Jun Yang and Zongfang Li. J Transl Med. 2017; 15: 111.
11) Liver cirrhosis. Tsochatzis EA, Bosch J, Burroughs AK. Lancet. 2014 May 17; 383(9930):1749-61.
12) [Splenomegaly and thrombocytopenia in patients with liver cirrhosis]. Djordjević J, Svorcan P, Vrinić D, Dapcević B. Vojnosanit Pregl. 2010 Feb; 67(2):166-9.
13) Massive splenomegaly. Hugo L Paz-Y-Mar, Alexei Gonzalez-Estrada, and M Chadi Alraies. BMJ Case Rep. 2013; 2013: bcr2013200515.
14) Splenomegaly in 2,505 patients in a large university medical center from 1913 to 1995. 1913 to 1962: 2,056 patients. O’Reilly RA. West J Med 1998;2013:78–87
15) Hairy cell leukaemia: biological and clinical overview from immunogenetic insights. Forconi F.  Hematol Oncol 2011;2013:55–66
16) Thrombocytopenia in liver disease. Peck-Radosavljevic M1. Can J Gastroenterol. 2000 Nov;14 Suppl D:60D-66D.
17) A Review of Gaucher Disease Pathophysiology, Clinical Presentation and Treatments. Jérôme Stirnemann et Al. Int J Mol Sci. 2017 Feb; 18(2): 441.
18) Normal splenic size in infants and children: sonographic measurements. Rosenberg HK1, Markowitz RI, Kolberg H, Park C, Hubbard A, Bellah RD. AJR Am J Roentgenol. 1991 Jul;157(1):119-21.