Glomerulonefrite aguda e crônica

Glomerulonefrite aguda e crônica

Glomerulonefrite é um grupo de doenças que afetam a parte do rim que filtra o sangue (glomérulo).

INDICE

 

Outros termos usados para indicar esse distúrbio são nefrite e síndrome nefrótica.
Quando o rim está lesionado ou degenerado, não consegue eliminar os resíduos e o excesso de líquidos no corpo.

 


Causas da glomerulonefrite aguda

Muitas doenças podem causar a glomerulonefrite.
No entanto, às vezes, a causa é desconhecida.
Entre as doenças que podem causar inflamação do glomérulo renal estão:

Infecções bacterianas
Glomerulonefrite pós-estreptocócica.
A glomerulonefrite pode se desenvolver:

  • Uma ou duas semanas depois da recuperação de uma infecção de garganta por estreptococos,
  • Por uma infecção da pele como Impetigo (raramente),
  • Devido à endocardite bacteriana.

Infecções virais. As infecções virais como o vírus de imunodeficiência humana (HIV), hepatite B e C podem causar glomerulonefrite.

Doenças imunes

  • Lúpus
  • Síndrome de Goodpasture
  • Amiloidose
  • Vasculite
  • Poliarterite
  • Granulomatose de Wegener (é progressiva e caracterizada pela glomerulonefrite rapidamente progressiva ou necrosante).

 

Causas da glomerulonefrite crônica

A forma crônica pode se desenvolver com o tempo e inicialmente pode ser assintomática (sem sintomas).
Este distúrbio pode causar uma degeneração renal irreversível.
A conseqüência é insuficiência renal crônica.
A glomerulonefrite crônica nem sempre tem uma causa clara.

Às vezes, a origem é uma doença genética.
A nefrite hereditária ocorre em pessoas jovens com deficiência visual e auditiva.
Outras causas possíveis são:

  • Algumas doenças auto-imunes,
  • Um tumor
  • Exposição a alguns solventes com hidrocarbonetos.

Além disso, uma glomerulonefrite aguda pode evoluir em crônica com o tempo.

Doenças que podem causar a glomerulonefrite e fisiopatologia

  • Síndrome pulmonar-renal (lúpus, vasculite, incluindo Goodpasture) – caracterizada por anticorpos anti-membrana basal que causam a tosse com sangue.
  • Alterações de proteína no sangue (disproteinemia): mieloma, gamopatia monoclonal, a amiloidose, macroglobulinemia de Waldenstrom, as crioglobulinemias são as doenças hematológicas que produzem as substâncias que precipitam (tornam-se sólida) no rim.
  • Doenças hepáticas: hepatite crônica e aguda (B e C) – estimulam o sistema imunológico e causam a produção de imunocomplexos. A conseqüência é glomerulonefrite.
    Em algumas situações, os pacientes com cirrose precisam de um transplante de fígado. Se tiver glomerulonefrite crónica e insuficiência renal crónica ao mesmo tempo, o seu médico poderá recomendar um transplante combinado de fígado e rim
  • Neoplasias: por exemplo, um homem de 70 anos tem uma síndrome nefrótica. Na maioria das vezes é “membranosa” e pode ser idiopática. No entanto, é preciso entender se é causada por outra doença, já que a origem é frequentemente um tumor. Existem antígenos tumorais que estimulam o sistema imunológico e podem causar a glomerulonefrite.
  • Glomerulonefrite aguda (no passado, pós-estreptocócica) – Muitos vírus e bactérias podem induzir uma estimulação imunitária, com a formação de imunocomplexos insolúveis que precipitam no rim.
  • Glomerulonefrite dismetabólica, secundária a diabetes, cistinose (acumulação do aminoácido cistina nas células), etc.
  • Glomerulonefrite por medicamentos – Certos medicamentos podem causar glomerulonefrite também um mês após a administração, por exemplo, os AINEs ou sais de ouro (que usaram para artrite reumatóide). A proteinúria que não passa espontaneamente pode se desenvolver.
  • Entrar em contato com produtos químicos
  • Preeclamsia
  • Existem doenças hereditárias caracterizadas por alterações da membrana basal que é muito fina ou comprometida. Não há tratamento, não são evolutivas e muitas vezes a biópsia não é realizada.
  • Glomerulonefrite (nova) em rins transplantados. Se uma pessoa produz anticorpos não solúveis, isso também ocorre após um transplante renal. O tratamento anti-rejeição inclui cortisona e imunossupressores, logo é o mesmo da glomerulonefrite. Se a precipitação de anticorpos continuar apesar do transplante, isso significa que o novo rim não resolveu o problema.

 


Sintomas de glomerulonefrite e sinais

Geralmente, os sintomas dependem do tipo de GN, aguda ou crônica.
O primeiro sinal da doença pode ser visto nos resultados do exame de urina de rotina.
Entre os primeiros sinais estão:

  1. Urina espumosa, causada pela presença de proteínas (doença conhecida como proteinúria)
  2. Urina marrom, cor de ferrugem ou escura que indica a presença de células vermelhas do sangue
  3. Hipertensão (pressão alta)
  4. Retenção de líquidos (edema) no rosto, mãos, pés e abdome.
  5. Redução da frequência de micção.

glomerulonefrite

Os sinais e sintomas da insuficiência renal crônica (que pode se desenvolver gradualmente) incluem:

 


Diagnóstico da glomerulonefrite

Exames para diagnosticar a síndrome nefrítica incluem:

Exame de urina
O exame de urina pode mostrar a presença de células vermelhas do sangue na urina que indicam um dano glomerular possível.
É importante sublinhar que a hematúria pode ser:

  1. Glomerular – caracterizada por glóbulos vermelhos com uma forma alterada, porque tiveram que modificar a estrutura para passar através dos poros da membrana basal.
  2. Não glomerular – os glóbulos vermelhos têm uma estrutura normal.

Os resultados também podem mostrar os leucócitos, indicadores de infecção ou inflamação e proteinúria.
Na presença de proteínas na urina, deve-se repetir o exame de urina  de 24 horas,  sempre no mesmo recipiente.
A proteinúria pode ser:

  1. Seletiva: o paciente perde uma quantidade não fisiológica de proteínas, mas elas têm baixo peso molecular;
  2. Não-seletiva: grandes bases estão presentes na membrana basal, então IgG e IgM passam. A inflamação é maior.

Exame de sangue
Os exames de sangue dão informações sobre danos nos rins pela medição dos níveis de resíduos como o nitrogênio de creatinina e azoto ureico no sangue (azotemia).

Exames intrumentais
O médico pode recomendar exames de imagem como radiografia, ultrassonografia ou tomografia computadorizada que permitem a visualização dos rins.

Biópsia renal
Este procedimento envolve o uso de uma agulha especial para extrair pequenos pedaços de tecidos do rim para ser analisada ao microscópio. Ajuda a determinar a causa da inflamação.
É quase sempre necessária uma biópsia para confirmar o diagnóstico da nefrite.
A amostra colhida durante a biópsia é examinada de 3 maneiras diferentes:

  1. Com um microscópio óptico, onde podemos ver exatamente as alterações, a relação entre o glomérulo, os vasos sanguíneos e o interstício, ou seja, os túbulos,
  2. Com a técnica de imunofluorescência, ou seja, os fatores do complemento e imunoglobulinas são colocados na amostra para ver onde se estabelecem;
  3.  Com um microscópio eletrônico, porque alguns tipos de alterações são vistos apenas com esta ferramenta (por exemplo, algumas doenças congênitas como Alport ou a doença de membranas finas).

Quando fazer a biópsia?
Indicações para biópsia renal (em crianças, é melhor evitar, se possível):

  1. Síndrome nefrótica do adulto,
  2. Síndrome nefrítica aguda,
  3. Síndrome nefrítica crônica,
  4. Insuficiência renal – somente se a creatinina for menor que 3 mg / dl, pois se for muito avançada apenas a fibrose é vista,
  5. Outras doenças (mieloma, paraproteinemia, componentes monoclonais),
  6. Em casos de outras doenças renais que podem ocorrer simultaneamente, como diabetes ou LES.
  7. Rim transplantado – Se houver alguma dúvida sobre o rim transplantado,
  8. Necessidade de um controle para a continuação do tratamento
  9. Avaliar a adequação dos rins para transplante.

 


Tratamento e medicamentos para a nefrite e glomerulonefrite

O tratamento para glomerulonefrite e o resultado dependem de:

  1. Tipo de doença: aguda ou crônica
  2. A causa
  3. A gravidade dos sinais e sintomas.

Imunossupressores
Se a glomerulonefrite é causada por doenças auto-imunes, o médico geralmente prescreve os imunossupressores.
Essas drogas suprimem o sistema imunológico.

Corticosteróides
O médico pode prescrever medicamentos contendo cortisona (corticosteróides), como a prednisolona.
Os corticosteróides são usados ​​para reduzir a inflamação e suprimir o sistema imunológico.
Quando os rins melhoram, o médico aconselha reduzir ou parar de tomar este medicamento.

Ciclofosfamida
A ciclofosfamida é um imunossupressor usado em doses muito altas no tratamento de certos tumores.
É também um tratamento usado para glomerulonefrite.

Outros imunossupressores
Entre os outros medicamentos prescritos para reduzir as reações do sistema imunológico, estão:

  1. Micofenolato de Mofetila,
  2. Azatioprina,
  3. Rituximab,
  4. Ciclosporina,
  5. Tacrolimus

Alguns casos de glomerulonefrite aguda (especialmente aqueles que seguem uma infecção estreptocócica) passa sem tratamento.

Tratamento da hipertensão arterial
Para proteger os rins é importante controlar a pressão arterial.
Para controlar a pressão arterial e diminuir a perda de função renal, o médico pode prescrever:

  • Diuréticos
  • Inibidores da enzima conversora de angiotensina (ACE)
  • Bloqueadores dos receptores da angiotensina II.

Entre os remédios naturais para hipertensão existe uma correta alimentação e exercícios físicos regulares.

Tratamento para insuficiência renal associada
Para a glomerulonefrite aguda e a insuficiência renal aguda, a diálise remove o excesso de líquidos e controla a hipertensão arterial.
Para a doença renal terminal os tratamentos a longo prazo são o transplante renal e a diálise.
A diálise é a única opção de tratamento quando não se pode transplantar, muitas vezes por causa de problemas de saúde.

Dieta e alimentação
Uma alimentação saudável é fundamental para não sobrecarregar o rim, portanto recomenda-se comer muita fruta e legumes, é melhor evitar a carne, produtos lácteos, ovos e frituras.
O sal (sódio) também deve ser evitado porque pode causar um aumento na pressão.

 

Tratamento natural para glomerulonefrite

Existem várias dietas naturais que podem ajudar o paciente com glomerulonefrite, especialmente nos estágios iniciais.
Entre estes, a dieta do tipo sanguíneo deu excelentes resultados no tratamento de doenças.
Segundo essa teoria alimentar, existem alimentos que:

  1. Podem causar sintomas e distúrbios às pessoas de um ou mais grupos sanguíneos,
  2. Não causam doenças a pessoas de outros grupos.

As doenças renais geralmente começam com proteínas na urina.
De acordo com a medicina convencional, os alimentos protéicos devem ser limitados porque a perda de proteína é causada pelo excesso desses alimentos.

De acordo com a teoria dos grupos sanguíneos, há substâncias que danificam a parede interna dos glomérulos, causando a dilatação dos orifícios que filtram o sangue. A consequência é a saída de elementos maiores, como as proteínas.

As substâncias que podem causar essa degeneração renal são acima de tudo os cereais, para pessoas de qualquer grupo sanguíneo.
Portanto, de acordo com a dieta do tipo sanguíneo, para ficar melhor devemos substituir os cereais (massa, pão, palitos de pão, bolachas, biscoitos, pizza, arroz, etc.) com leguminosas e pseudocereais (quinoa e amaranto).

 

Prognóstico do paciente com glomerulonefrite

Quantos pacientes com glomerulonefrite desenvolvem insuficiência renal crônica?

Tipo de
Glomerulonefrite
Pacientes que desenvolvem
Insuf. renal crônica
Rapidamente progressiva  90%
(alguns meses)
Segmentar e focal 80%
(em 10 anos)
Membranosa 20-30%
(em 10 anos)
Membranoproliferativa 40%
(em 10 anos)
Nefropatia por IgA 10%
(em 10 anos)
Pós-estreptocócica 1-2%
(em 10 anos)
Lúpica 20%
(em 10 anos)

Deixe uma resposta